A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Motos

Por que não existem mais motos com motor a diesel?

Até poucos anos atrás, os carros a diesel eram vistos como a opção econômica e “verde” no mercado. Hoje em dia, a indústria voltou-se totalmente para os híbridos e elétricos. E as motocicletas estão ensaiando, ainda de leve, seguir pelo mesmo caminho. Exceto que, diferentemente dos automóveis, quase não existiram motocicletas a diesel. Mas por quê?

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Motores a diesel são conhecidos pela alta eficiência energética – eles consomem menos combustível para produzir mais força. Eles também giram pouco, privilegiando o torque em baixas rotações. Por outro lado, com relação peso-potência inferior, os motores a diesel geralmente não são apropriados para motocicletas – que, via de regra, procuram oferecer baixo peso, tamanho compacto e aceleração rápida em alto giro.

É claro que, em teoria, uma moto com alto torque em giro baixo seria interessante – ou mesmo com uma faixa útil de rotações estreita (que os digam os fãs das motos de dois tempos). Mas há o outro lado da moeda: em geral, motores a diesel são mais pesados, com componentes mais robustos e, com isto, ficariam restritos a motos maiores e mais caras – que já são bem servidas pelos motores a gasolina que utilizam.

Além disso, motores a diesel são mais propensos ao superaquecimento e têm um nível de vibração mais alto, o que pode causar desconforto na condução de uma moto e até mesmo prejudicar sua estabilidade. É uma conta que simplesmente não fecha direito.

Colocando de outra forma: quando se trata de motocicletas, motores a diesel são simplesmente desnecessários.

Apesar disto, não quer dizer que não existiam motocicletas a diesel. Na virada da década de 1990, a Royal Enfield introduziu aquela que é considerada a única moto a diesel produzida em massa.

A Bullet Diesel, também conhecida como Royal Enfield Taurus, foi feita especificamente para o mercado indiano, onde na época o diesel era bem mais barato que a gasolina. A fabricante não desenvolveu um motor a diesel especificamente para a moto, porém: em vez disso, adaptou-se um motor monocilíndrico industrial de 325 cm³ fabricado pela Greaves Lombardini. Incidentalmente, também foi o menor motor já empregado pela Royal Enfield.

O motor entregava 6,5 cv a 3.600 rpm e 1,52 kgfm de torque a 2.300 rpm, o que era pouco mesmo para a época. Para efeito de comparação, uma Honda CG 125 contemporânea tinha 11 cv a 9.000 rpm e 0,94 kgfm a 7.500 rpm. Além disso, a Royal Enfield tinha seus 196 kg – o que acabava atrapalhando ainda mais sua performance: a velocidade máxima da moto era de ridículos 65 km/h.

Mas a Bullet Diesel tinha um trunfo: a economia de combustível – a fabricante prometia até 85 km/l. Para colocar as coisas em perspectiva novamente, uma CG 160 atual fica nos 30 a 35 km/l. E, graças à pouca sede, Bullet Diesel foi produzida por 11 anos – e só deixou de ser oferecida por conta das normas para emissões de poluentes cada vez mais rígidas.

Ela também inspirou muitos proprietários indianos a realizarem suas próprias conversões com motores a diesel industriais mais modernos, atraídos pelo baixo consumo, usando motores sobrealimentados e com o dobro ou mesmo o triplo da potência.

Acontece que a Royal Enfield Bullet Diesel foi um animal endêmico, que só existiu porque as condições do mercado indiano da época favoreciam. No mais, as motocicletas a diesel podem ser consideradas uma solução para um problema que não existia fora da Índia.

Apenas empresas menores, de nicho e com produção limitada, investiram nos motores a diesel para motos de rua. Uma destas empresas foi a Track Diesel, companhia holandesa especializada em máquinas agrícolas e motores a diesel estacionários. Em meados dos anos 2000, a Track começou a desenvolver uma motocicleta a diesel, colocando-a no mercado em 2009.

Chamada Track T-800 CDI, a moto reaproveita o motor três-cilindros de 50 cv e 10,2 kgfm que a Mercedes-Benz desenvolveu para uso no Smart. Componentes de outras fabricantes também foram aproveitados, como a transmissão CVT utilizade pelos side-by-side da Polaris ATV e o cardã das motos estradeiras da BMW. Apenas 50 unidades foram produzidas entre 2009 e 2012.

Considerando o cerco fechado em volta dos motores a diesel nos últimos anos, motivado pelo escândalo do Dieselgate, é extremamente improvável que a indústria motociclística os adote no futuro. O que, colocando na balança os prós e contras, não deve entristecer tanta gente.

 

Matérias relacionadas

Honda Gold Wing: a luxuosa estradeira japonesa que conquistou o mundo

Dalmo Hernandes

Ducati 916 Senna, 25 anos: os detalhes e a história da primeira moto com o nome de Senna

Dalmo Hernandes

Honda CG 125: a origem da motocicleta mais popular do Brasil

Dalmo Hernandes