A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Notícias

Preço da gasolina não baixou após redução nas refinarias

Lembra da redução dos preços da gasolina e do diesel anunciada pela Petrobras há duas semanas? Na ocasião a estatal estimava que o reajuste poderia reduzir os preços ao consumidor final, mas agora, depois de 15 dias a Agência Nacional do Petróleo publicou um levantamento de preços e… bem, não houve nenhuma redução.

Segundo o levantamento feito pela ANP na semana anterior à redução do preço nas refinarias, o preço médio da gasolina era R$ 3,654. A estimativa e que o preço chegasse a R$ 3,60, porém o que aconteceu foi o contrário: o preço médio na primeira semana após as reduções aumentou para R$ 3,671. Na semana passada o preço médio caiu, mas ainda está acima do valor anterior à redução nas refinarias.

De acordo com o Sincopetro, o sindicato que representa os postos de combustível de São Paulo, a redução do preço da gasolina não chegou às bombas devido à alta do álcool. No último mês o valor do álcool anidro subiu 15% devido ao fim da safra de cana. O álcool anidro é adicionado à gasolina pelas distribuidoras, que não reduziram os preços, segundo o Sincopetro. A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), por sua vez, diz que o etanol não é o único culpado pela redução não chegar ao consumidor.

Os preços da gasolina, do etanol e do diesel são monitorados semanalmente pela ANP. A pesquisa coleta os preços da gasolina em 5.667 postos de todo o Brasil, do etanol em 5.185 e do diesel em 3.599.

Nas últimas duas semanas o preço médio do etanol passou de R$ 2,684 para R$ 2,76, da gasolina passou de R$ 3,671 para R$ 3,669, e o do diesel de R$ 3,005 para R$ 3,008. Quanto os combustíveis estão custando aí na sua cidade?

Matérias relacionadas

Hipercarro Mercedes-AMG usará mesmo um motor de Fórmula 1 – e terá tração integral

Leonardo Contesini

Autódromo ou arena? Fasp questiona uso de Interlagos para eventos não automobilísticos

Leonardo Contesini

Este esportivo chinês pode ser mais rápido que praticamente todos os supercarros em Nürburgring

Leonardo Contesini