A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #25

Project Cars #25: caprichando no visual do meu Civic VTi 1997 com peças originais Honda

Tudo certo, pessoal do FlatOut? Agora que vocês já conheceram a história de como me tornei um gearhead já quase adulto e como virei um Hondeiro, chegou a hora de contar mais sobre meu atual Civic VTi 1997 que é o tema deste projeto. Vamos nessa?

Assim que peguei o VTi parti para uma revisão completa. Uma boa troca de juntas resolveu alguns dos vazamentinhos de óleo que me incomodaram assim que tirei o carro da garagem pela primeira vez. Os freios também não estavam muito bons e a suspensão estava instável, o que me levou a trocar discos, amortecedores e buchas. Esta é uma das grandes vantagens dos carros da Honda feitos a partir de 1996. Como a maior parte dos componentes é intercambiável (com exceção da mecânica, já que os motores B16 nunca ocuparam outros carros da montadora por aqui além dos VTi), é relativamente fácil encontrar estes itens, tanto originais na concessionária, quanto no mercado paralelo (de boa qualidade). A título de curiosidade, os amortecedores traseiros originais saíram por R$ 130 cada, em concessionária autorizada!

O motor do carro estava bom. A parte de cima havia sido feita a não mais do que 5 mil quilômetros. Tive tranquilidade quanto a isso por conhecer o carro e a sua história já havia alguns anos. Em minha opinião, esta é uma grande vantagem das comunidades de carros. Os donos dos carros se conhecem, em muitos dos casos são amigos de longa data e compartilham as informações sobre os seus carros. Conheço praticamente todos os donos que o carro teve antes de mim e o seu histórico desde que foi trazido pra Brasília.

foto_0

Sempre no mesmo lugar…

Já tranquilo quanto à mecânica, parti para o que mais me chama a atenção num carro: o apelo estético. Sei que muitos discordam, preferindo partir logo para a performance e preparação. Mas eu particularmente não aguento chegar na garagem e ver um carro que me desagrada os olhos. Se a mecânica estiver redondinha, sem choro nem vela, começo pela estética com a maior tranquilidade do mundo.

A pintura do carro, se não estava perfeita, até que estava boa pra idade. Mas algumas coisas me incomodavam, como o polimento mal feito que havia sido realizado e deixou o carro todo cheio de marcas e de hologramas. Pronto: Vou começar por aqui mesmo, pensei. Depois de uma semana com meu parça Rodrigo Veloso a criança voltou com este brilho aí embaixo.

foto_1

Cadê meus óculos escuros?

É impressionante como um detailing bem feito pode mudar por um todo o aspecto do carro. Satisfeito com o resultado, fiquei pensando no que fazer quanto às rodas. Gosto de rodas brancas no carro (como dá pra perceber no post anterior), mas pensei em mudar um pouco e usar uma cor mais escura. Não gostei muito do resultado no final das contas, mas serviu pra embasar o up que fiz um pouco depois (já já vocês vão entender), então não me arrependo muito.

foto_2

Yakuza Style

Em seguida, me lembrei do up que mais gostava em meu antigo VTi vermelho: O volante do Honda S2000. Ao vender o vermelhinho, me lembrei que o dono havia dito pretendia colocar este volante em um novo projeto. Na hora veio um “vai que ainda tá dando sopa” na cabeça… Dito e feito! Após um contato, no dia seguinte o volante já estava comigo novamente! Este volante é sensacional. Se só o volante já tem essa pegada, não consigo nem imaginar o quanto deve ser divertido dirigir este um S2000.

foto_3

 

Escritório

 

foto_4

Isso é o que eu chamo de OEM+…

E daí degringolou tudo e não consegui mais parar. Os repetidores de seta OEM apareceram por um ótimo preço. O aero Spoon Style também apareceu em uma ótima condição. O mesmo com o front lip do SiR. E por último, mas não menos importante, recebi a “liberação patronal” pra comprar um jogo de rodas 17. Em um primeiro momento, optei pelas Zetta TE37, que casam muito bem com este carro. Mas a tala dela é tão absurda (8″) que eu já estava me sentindo bastante incomodado. Consegui em uma troca pegar o jogo abaixo de Infinity Nitro que, além de parecidas o suficiente com as TE37 para me agradar ainda tem uma tala muito mais razoável. A cor branca foi de proposito também. Completa o estilo JDM que pretendo alcançar com o carrinho, ainda que sem muitos exageros.

foto_6

JDM, but maybe not enough…

 

foto_7

Bora pro chão!

Mas a brincadeira não para por aí. Sei que a altura está bastante “criticável”, e eu decidi também manter a manutenção em dia. A seguir, cenas dos próximos capítulos:

foto_9 foto_8

Assim que concluir esta etapa, vou estar tranquilo o suficiente com a parte estética pra seguir com a parte de preparação do carro. No próximo post vou falar mais sobre a manutenção e sobre como é bastante fácil cuidar de um carro como este aqui no Brasil (ao contrário do que todo mundo pensa), desde que você foque em manutenção preventiva e tenha um cartão de crédito internacional. Vou falar também sobre o que estou pensando em termos de preparação (não tenham grandes expectativas: será algo bastante leve)! Até lá!

Por Flávio “Zaca” Diniz, Project Cars #42

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Project Cars #260: a história do meu Audi A3 1.8T

Leonardo Contesini

Volkswagen Corrado G60: terminando o novo motor, começando o interior do Project Cars #248

Leonardo Contesini

Project Cars #314: meu próximo carro será um Chevy 500

Leonardo Contesini