A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #387

Project Cars #387: desfazendo a confusão elétrica do meu VW Polo Turbo

Após quatro semanas sem o carro, chegou o dia de buscá-lo na oficina. Nesse período foi realizada a substituição dos pistões originais por outros forjados IASA, o brunimento das camisas, a retífica de cabeçote e a abertura das bielas para prisioneiros de 18mm.

Minha primeira impressão foi um pouco tensa. Eu já tinha sido informado que os pistões forjados “batem saia”, ocasionando um barulho diferente no motor, quem não conhece acha que o motor está com problemas e eu achei o mesmo. Perguntei e o mecânico me informou que era esse o tal barulho e que estava tudo ok. Dito isso desencanei deste detalhe. O mecânico disse ter deixado regulado com 0.6 bar de pressão, não era o que eu esperava, meus planos estavam mais para 0.7 bar mas tudo bem, andei com o carro e estava funcionando tudo ok.

Fui para casa e dei algumas voltas com o carro, que vez ou outra acabava apagando no farol ou ao estacionar. Isso foi em uma quarta-feira, e ainda andei na quarta e quinta com o carro (deu um trabalhinho para pegar de manhã). Fui viajar na sexta-feira, e pensei umas 10 vezes em ir com o Polo, mas ainda não estava confiante com o carro, e colocar minha família dentro dele para pegar estrada e correr o risco de estragar um final de semana de lazer estava totalmente fora de cogitação. Coloquei o carro na garagem e fomos com o carro da minha esposa.

Passado o final de semana, na segunda-feira fui sair com o carro e foi um parto para ele ligar frio. Levei cinco minutos para fazer ele pegar. O carro já era outro, começou a falhar e ter os mesmos problemas de antes e minha angústia voltava. Liguei para o mecânico que me garantiu que a parte mecânica estava toda ok e que o acerto não poderia estar bom em um dia e ruim no outro, ele me solicitou que fosse verificado a parte elétrica da Fueltech. Cheguei a cotar com alguns eletricistas que tinham experiência no trabalho, e foi quando me lembrei de um grande amigo que, além de ser muito caprichoso, já tinha realizado instalação de Fueltech: o Rodrigo da “Rodrigo Customs”. Liguei para ele e expliquei o que estava ocorrendo e que gostaria que ele realizasse o trabalho de parte elétrica.

Marcamos e dei um pulo até a casa dele. Fomos dar uma volta com o carro e contei o que estava acontecendo detalhadamente. Quem leu desde o começo deve se lembrar da estranha fiação que aparecia no painel e que aparentemente havia sido retirada antes da entrega do carro. Aquilo deveria ser um gerenciador da suspensão a ar que não deu certo. Ao detalhar e mostrar o carro para o Rodrigo chegamos à conclusão que o buraco era mais embaixo. Por isso decidimos que seria totalmente refeita a parte elétrica dos seguintes itens: Fueltech FT300, Fueltech ETC, Fueltech Wideband Slim, sistema de som e suspensão a ar.

O Rodrigo reservou sua agenda para trabalhar em tempo integral no Polo. Como ele trabalha sozinho e é detalhista foi estimado de 2 a 3 semanas para o trabalho, este por sua vez eu pude acompanhar de perto quase todos os dias pessoalmente e por fotos que a cada etapa o Rodrigo me encaminhava.

No primeiro dia ao começar a desmontagem do carro, foi retirado os bancos, tapetes e forrações do chão e começamos a ver que realmente algo de muito errado tinha ali. Como pode ser observado o carro tinha muitos fios, sem cores que pudessem dar dicas de suas funções. Tinham fios de rede no carro, parecia que a qualquer momento eu iria descobrir que o carro tinha wi-fi.

Os fios saíam da cabine e chegavam no motor todos através da saída da porta e seguindo pela caixa de rodas, o que causava infiltração, pois não era possível ser vedado com a borracha original passando tantos fios e ainda as mangueiras de suspensão, além de na caixa de rodas fios com lama e mal isolados.

Emendas de fios mal realizadas e muito mal isoladas, com fios totalmente fora de padrão. A cada momento era descoberto um novo problema elétrico ocasionado por mão de obra desqualificada.

No caso da Fueltech o manual de instalação é muito didático e enfatiza vários pontos que devem ser seguidos para garantir seu pleno funcionamento, e parece que quem instalou resolveu não seguir o manual. Nada tinha relê e fusível, no caso é indicado para que cada item gerenciado pela Fueltech tenha seu relê e fusível (Bomba de combustível, Eletro ventilador, Bicos, FT300, Fueltech ETC e Wideband).

Na parte de injeção a ligação contava com apenas um terra, este por sua vez preso por um rebite solto que servia de terra para várias outras coisas do carro, coisa que a Fueltech deixava claro que deveria ser de uso exclusivo. A fiação da injeção original foi cortada sem nenhum critério e em alguns casos dava a impressão que as duas estavam ligadas juntas em paralelo, o chicote da Fueltech estava emendado na injeção original, era algo que além de mal feito poderia ter causado até um incêndio no carro.

alivio de peso - fios sem necessidade e perifericos suspensao sem necessidade

No pós-chave a bomba de combustível estava ligado na fase errada, fazendo com que no momento da partida do carro ela desligasse, a cada hora trabalhada no carro descobríamos mais problemas de ligação elétrica.

Ao chegar no motor descobrimos que além de emendas sem nenhum critério, todos os conectores estavam com suas travas quebradas. Identificado isso realizamos a troca de todos os conectores. A ligação da Fueltech foi realizada criteriosamente como o manual pede, totalmente nova e sem interferência externa. O módulo original do carro teve que ser mantido, mas este por sua vez só está lá para codificar informações para o painel de instrumento do carro (Velocidade e Conta-Giros). Realizamos passagem dos fios por locais isolados de outras fiações, garantindo a ausência de interferências.

 

Esse mesmo trabalho se estendeu a Wideband e ao ETC, conectores e fiação de acordo, seguindo o manual.

Na parte de som, identificamos a ausência de fiação com bitola correta para o módulo, itens desligados no DVD e a instalação foi refeita do zero, com fiação nova e de acordo com a potência do módulo e todo o sistema, utilizando porta-fusível especifico e passando a fiação de energia em local longe dos demais fios, evitando ruídos.

Ao chegar na parte da suspensão, resolvemos que além da fiação iriamos realizar a troca das mangueiras e reorganizar os comandos internos de subida e descida, estes além de não estarem funcionando corretamente estavam totalmente independentes por roda, o que dificulta o acerto da altura do carro. Mantivemos a suspensão independente com o bloco da castor, mas os ajustes de subida e descida agora foram para o porta luvas em local discreto e ainda assim de fácil acesso, com subida frente/traseira o que facilita o acerto da altura do carro, foi colocado fiação totalmente nova e adequada para isso.

As mangueiras agora passam pelo centro do carro em locais protegidos e que não sofrem nenhum tipo de pressão externa, encontramos emendas desnecessárias que causavam vazamentos, estas foram eliminadas e agora cada mangueira alimenta uma bolsa, saindo diretamente do bloco de ar para a bolsa, sem nenhuma emenda.

Os fios que ainda estavam no carro para uma falha tentativa do antigo dono de criar um gerenciador de suspensão foram retirados de vez, descobrimos que ele simplesmente havia cortado as pontas dos fios antes de entregar o carro.

Na parte de baixo do carro, encontramos próximo de cada roda peças dessa tentativa de gerenciar a suspensão, algo muito arcaico que foi retirado do carro pelo Rodrigo.

O carro não possuía manômetros da suspensão, e assim resolvi manter para não poluir o painel.

Posso dizer que adquiri algumas dividas, mas optei por não economizar um centavo nesse processo, realizando a troca de todos os componentes possíveis para seguir o ritual de “fazer bem feito para fazer uma vez só!” (Pelo menos na minha mão).

Chegou o dia de dar a partida no carro, o Rodrigo tentou e com o mapa da injeção acertado não funcionou. Ele colocou o mapa padrão da Fueltech e realizou ajustes básicos para que o carro pudesse andar. Bateu na chave e sucesso, o carro pegou.

Após três semanas peguei o carro, sendo necessário verificar o acerto, mas ele andava. No próximo capitulo começarei falando da visita ao mecânico para realização do acerto.

Por Kleber Mazzei, Project Cars #387

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Alfa Romeo 155 Super “All Stock”: os detalhes estéticos e um polimento no PC #117 antes da exibição

Leonardo Contesini

Kadett Turbo: o começo da preparação do motor 2.0 do Project Cars #17

Leonardo Contesini

Três amigos e um Fiesta Mk3 Zetec 2.0 para track days: conheça a história do Project Cars #175

Leonardo Contesini