A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Mercado e Indústria

SUVs médios vão mal em testes de colisão nos EUA

Se você acha que notas baixas em testes de colisão são exclusividade dos carros brasileiros, pense de novo. Os SUVs, preferidos pelos americanos por sua posição de dirigir alta, tamanho avantajado e motores grandes, supostamente deveriam ser mais seguros, andaram tirando notas bem ruins nos crash tests na terra do Tio Sam.

O Insurance Institute for Highway Safety (IIHS) submeteu os utilitários esportivos médios oferecidos nos EUA a testes de colisão frontal parcial, introduzido há cerca de um ano e meio. A ideia é reproduzir o que acontece quando um dos cantos dianteiros do veículo colide com um objeto parado, como um muro, árvore ou poste, ou em movimento, como outro veículo. Precisamente 25% da área do veículo atinge uma barreira rígida a 64 km/h. A playlist abaixo mostra todas as colisões realizadas — lembrando que o Chevrolet Equinox e o GMC Terrain são o mesmo carro, e por isso só foi realizado um teste.

Os SUVs médios vendidos nos EUA incluem Chevrolet Equinox, GMC Terrain, Toyota Highlander, Jeep Grand Cherokee, Toyota 4Runner, Ford Explorer, Kia Sorento, Mazda CX-9 e Honda Pilot. Os resultados no teste são divididos em G (Good), A (Acceptable), M (Marginal) e P (Poor) — equivalendo a algo como Bom, Aceitável, Regular e Ruim, respectivamente.

As notas surpreenderam: apenas os dois SUVs da General Motors, o Equinox e o Terrain (que na verdade são versões de marcas diferentes do mesmo modelo) foram os únicos a receber a classificação Bom. A grande maioria — seis dos nove veículos testados, conseguiu de notas de Regular a Ruim.

David Zuby, vice-presidente da IIHS e chefe do departamento de pesquisa, explica que “os SUVs ficaram muito mais seguros nos últimos anos, mas alguns são melhores do que outros na hora de oferecer proteção abrangente em caso de colisão frontal”. O teste de colisão frontal do IIHS é usado para avaliar a proteção oferecida pela estrutura do veículo que fica atrás das zonas de absorção de impacto, o que torna ainda mais difícil a distribuição da energia de uma colisão.

O Equinox e o Terrain foram bem em todos os componentes do teste de colisão parcial frontal, conseguindo os melhores resultados no teste (G). Em seguida veio o Toyota Highlander, que conseguiu um A. Grand Cherokee e 4Runner ficaram com um M, e Explorer, Sorento, CX-9 e Pilot ficaram com P. De todos os SUVs testados, apenas o Grand Cherokee e o Sorento (M e P, respectivamente) são os únicos oferecidos no Brasil atualmente.

O Grand Cherokee oferece boa proteção para cabeça e pescoço, peito, coxas e quadris. Seus pontos críticos foram a estrutura e a proteção para as pernas. Preocupantes foram os resultados do Kia Sorento: cabeça, peito e quadris estão seguros, mas o desempenho dos cintos de segurança e airbags foi apenas regular, e a estrutura recebeu nota P, bem como a proteção para as pernas.

A tabela abaixo mostra os resultados detalhados para cada um dos utilitários.

tabela

Matérias relacionadas

Bertone está à beira da falência e pode ser liquidada. Veja o caso

Leonardo Contesini

Refinarias vs. distribuidoras vs. postos: por que o preço da gasolina não baixa?

Leonardo Contesini

Quanto custam, lá fora, os carros fabricados no Brasil?

Gustavo Henrique Ruffo