A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História Motos

Suzuki Katana: a lendária “moto do futuro” completa 40 anos

No momento, o look da moda para as motocicletas é o retrô, inspirado nas clássicas feitas até a década de 1970. Um estilo esbelto, minimalista, com linhas arredondadas e o mínimo de carenagens. O estilo das primeiras trail, com para-lama alto e pneus tijolinho, também anda bastante popular. E há um bom motivo para isto: o visual despoluído remete à leveza, à pureza e ao espírito analógico das motocicletas de antigamente.

 

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até três carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Mas o passado das motos guarda diferentes tendências e estilos que podem servir de inspiração para o presente e para o futuro. Como a Suzuki Katana, esportiva dos anos 80 cujo design foi visto com estranheza no início, mas hoje está entre os mais influentes de todos os tempos. Pudera: segundo a Suzuki, a Katana original foi a primeira moto projetada sob encomenda por um estúdio de design. O resultado foi uma moto que, em 2021, definitivamente não parece ter acabado de completar seus 40 anos.

A variedade de motos da Suzuki que receberam o sobrenome Katana é bem grande – há versões de 550cc, 650cc, 750cc e mais. Só que a original mesmo foi lançada em 1981, e não se parecia com nada que veio antes.

 

 

Quebrando o molde

No final da década de 1970, as fabricantes japonesas já haviam dominado a arte de fazer as chamadas “Universal Japanese Motorcycles” (UJM) – motos de estilo conservador, com linhas arredondadas, ergonomia voltada ao conforto e motores grandes, bons de pegar estrada. As UJM foram muito bem recebidas dentro e fora do japão, e acabaram meio que estabelecendo uma fórmula que acabou seguida no mundo todo – e depois, ramificou-se, dando origem a outros estilos de motos com apelos distintos a vários públicos.

Àquela altura, porém, as UJM já estavam saturadas. Não em qualidade, porque eram boas motos, mas em estilo. Todas eram bem parecidas, e quem não entendia muito de motos poderia até achar que era tudo a mesma coisa. Na Europa, onde as motocicletas japonesas já eram bastante populares, as fabricantes locais também não faziam muito para inovar – ainda que, com linhas mais horizontais, carenagens e para-lamas mais volumosos, as motos europeias de média e grande cilindrada tivessem seu próprio estilo.

Europa ou Japão, tanto faz: o caso é que, em 1980, uma revista alemã chamada Motorrad decidiu que era hora de agitar um pouco as coisas e criou um concurso para definir “a cara” das motocicletas da nova década. Três estúdios – a Porsche Design, a Italdesign e a Target Design – inscreveram seus protótipos, e o público decidiria qual era o melhor.

O conceito da Porsche era bastante… conceitual. Não parecia uma moto de verdade, mas sim uma escultura art-déco, com rodas fechadas, carenagem embutida ao quadro e lugar para apenas uma pessoa.

 

O conceito da Italdesign, obviamente estilizado por Giorgetto Giugiaro, era baseado na Suzuki GS850. Tinha uma carenagem de bom tamanho na dianteira, com farol quadrado e retrovisores embutidos – lembrava, com um pouco de imaginação, as motos usadas pelos patrulheiros americanos. Pelo esquema de cores, inclusive.

O terceiro conceito foi o vencedor. Criado pela Target Design, ele usava como base a italiana MV Agusta 750S America – mas era completamente diferente. A 750S era uma cafe racer à moda antiga, com formas arredondadas, guidão baixo, banco para uma pessoa e rabeta curta.

A Target Design a depenou por completo e deu a ela um visual totalmente oposto – futurista e elaborado, com carenagem envolvente, muitas linhas retas e ângulos por toda a parte. Da ponta do para-lama dianteiro à base do tanque, formava-se um único volume do qual brotavam as extremidades do guidão. O banco continuava individual e a rabeta ainda era alta, mas o contorno da traseira agora lembrava um pequeno spoiler, e o para-lama cromado da MV Agusta original deu lugar a uma peça envolvente de plástico.

Em retrospecto, a proposta da Target Design era a que mais se parecia com uma motocicleta de verdade, ao mesmo tempo em que propunha um estilo realmente novo e factível. O conceito foi apresentado no Salão de Köln ainda em 1979 e recebeu elogios do público e da imprensa.

Mas não foram apenas eles. A Suzuki, que estava de olho no resultado do concurso, também gostou do que viu – por mais que fosse a Italdesign que tivesse usado uma Suzuki como base. Então, depois da exibição, os japoneses foram procurar os alemães e encomendar algo parecido.

 

Os pais da criança

A essa altura você deve estar se perguntando quem era essa tal Target Design. E a resposta ajuda a entender a qualidade de sua criação: a empresa foi fundada naquele mesmo ano de 1979 por Hans Muth, Hans-Georg Kasten e Jan Fellstrom – três ex-projetistas da BMW Motorrad que ficaram bem satisfeitos com a nova “proposta de emprego”.

Na época a moto topo-de-linha da Suzuki era a GSX-1100, uma UJM bastante conservadora com motor moderno – um quatro-cilindros DOHC com 100 cv redondos que andava muito bem na estrada. Lançada em 1979, a moto foi recebida de forma previsível: agradou pelo conjunto mecânico, mas seu estilo foi considerado pouco atraente, sem inspiração.

A Suzuki estava ciente disso e queria mudanças. Rápido. Por isso, não perdeu tempo e contatou logo a Target Design para criar o novo estilo da GSX-1100.

Em entrevista recente ao site Bennett’s, Kasten falou um pouco sobre o processo criativo por trás da Suzuki Katana, e sobre como ele gostou de trabalhar nela. E ele não mediu as palavras.

“A primeira GSX-1100, projetada no Japão, era incrivelmente feia, e a Suzuki pediu para modificarmos seu estilo o mais rápido possível. Por isso, falaram para não fazermos nenhuma mudança técnica, só criar um estilo completamente novo. Começamos em novembro de 1979 com desenhos e o enviamos para o Japão. Eles gostaram e pediram para criarmos um protótipo, então o fizemos usando clay (argila) e o apresentamos lá. A partir daí, eles fizeram questão de lançá-la o mais rápido possível.

Não é sempre que isso acontece. Geralmente, quem encomenda algo novo diz que é preciso pensar nas pessoas mais conservadoras, que é preciso ter cuidado, que não dá para ser futurista demais. No caso da Suzuki, eles não estavam esperando nada em específico. A gente podia fazer o que bem entendesse.”

E assim foi. A Target Design teve toda a liberdade possível para criar uma moto, desde que ela estivesse dentro das normas para rodar nas ruas.

 

Uma “moto-design”

Para Kasten, o que realmente colocava a Katana à parte de outras motos era o simples fato de ela demonstrar atenção ao estilo. “Na época não havia muitos designers projetando motos. Naquele tempo, uma motoera um tanque, um banco, e a tampa da bateria. Dava para mexer e mudar um pouco, mas ninguém via a moto inteira como uma escultura.”

E era justamente essa a ideia da Katana – dar mais “substância” ao estilo das motos, sem apelar para uma mera carenagem adaptada. O nome remetia à tradicional espada curva usada pelos samurais. Mas, olhando para ela, a última coisa que vinha à mente era tradição.

Boa parte da identidade visual da Katana nascia do tanque – que, sendo usado por uma sport tourer, precisava não só oferecer boa capacidade, mas também garantir uma posição de pilotagem confortável. Se fosse largo demais, o tanque obrigaria o piloto a sentar-se muito para trás, ou a ficar com as pernas muito abertas.

A solução foi tornar a base do tanque mais alongada e estreita, alargando-se na parte superior, que foi deslocada para a frente. O restante da moto, então, foi desenhado ao redor do tanque: a carenagem pontiaguda na dianteira, presa ao quadro – e  não ao garfo, como era costume na época – o banco com um ângulo de quase 90° na parte anterior; as laterais em plástico, acompanhando as linhas do tanque, e a rabeta empinada, com uma enorme lanterna quadrada. O farol também era quadrado, com uma bolha pequena e quase totalmente vertical.

A ideia da carenagem integrada ao quadro veio da experiência de Kasten com a BMW: ele deu uma volta na R90S, que tinha um boxer bicilíndrico de 900cc e chegava aos 200 km/h, e viu que o bloco óptico da moto tremia muito por conta da fixação da carenagem às bengalas – algo que foi eliminado no design da Katana.

Um aspecto interessante do desenho da Katana é como é fácil descrevê-lo – os elementos de estilo, afinal, são poucos. O conjunto formado por eles, porém, é tão distinto que fica difícil confundir a Katana com qualquer outra motocicleta da época.

 

Eficácia comprovada

Do conceito inicial à versão de produção da Katana, passaram-se menos de dois anos. Parte disso se deve ao fato de que, por baixo da carenagem futurista, a Katana era um GSX1100 como qualquer outra, com o mesmo motor DOHC de 1.074 cm³, 111 cv (11 a mais que a GSX normal) e 9,9 kgfm de torque, ligado a um câmbio de seis marchas com embreagem banhada em óleo.

A aerodinâmica, porém, fazia diferença: a Suzuki Katana era capaz de chegar até os 237 km/h – um ganho palpável ante os 228 km/h que atingia a versão clássica.

A Katana também tinha os elementos tradicionais das motos de cilindrada equivalente – quadro de berço duplo, suspensão com garfo telescópico na dianteira e duplo amortecedor na traseira e carburador (um Mikuni de corpo duplo). O segredo estava em disfarçar o arranjo tradicional com um aspecto verdadeiramente inovador.

Se falarmos que deu certo logo de cara, será uma imprecisão: a Katana hoje é respeitada e considerada a precursora das superesportivas carenadas modernas – influências de seu estilo podem ser vista em uma infinidade de motocicletas que vieram depois, da Honda CB750 à primeira Kawasaki Ninja. Mas, na época, ela foi considerada um tanto ousada demais. Consequência de estar à frente de seu tempo, imaginamos.

A Suzuki não deixou a Katana original durar tanto tempo, porém: ela foi fabricada entre 1981 e 1985, e só. O nome foi aproveitado depois em outras motos da Suzuki – chegou até a década de 2000. Mas os fãs da original não curtem muito esse abuso de identidade: motos bem mais conservadoras, como a GS650, foram chamadas de Katana pela Suzuki, e isso é considerado meio que um desrespeito ao legado da clássica de 1981.

Isso só foi resolvido recentemente, em 2020, quando a Suzuki colocou no mercado a Katana atual. Apresentada como conceito em 2018, ela chegou às ruas como mais uma motocicleta retrô diferente só pelo fato de ser inspirada em um projeto oitentista, e não em algo mais antigo. Não é o que está na moda hoje em dia, mas o respeito com que a Suzuki tratou o estilo da original é notável.

A nova Katana é baseada na GSX-S1000, uma naked com motor quatro-cilindros DOHC de 150 cv que arranha os 300 km/h – e é vendida no Brasil como GSX-S1000A. A Suzuki chegou a registrar a nova Katana no Brasil no fim de 2019, mas a pandemia de Covid-19 acabou colocando de molho os planos. Seria interessante vê-la por aqui, não?

Matérias relacionadas

Especial 50 anos: os melhores Mustang de todos os tempos — parte 2

Dalmo Hernandes

Os 20 anos da F355, o carro que salvou a Ferrari da falência

Leonardo Contesini

Onze carros urbanos brasileiros: uma ideia difícil de morrer

Marco Antônio Oliveira