A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Automobilismo Car Culture

Tour de Corse, 1986: o rali que marcou o fim do Grupo B – e mudou a história do WRC

Há quem diga que o Grupo B, que foi a principal categoria do WRC entre 1982 e 1986, era muito mais emocionante e competitivo do que qualquer outra disputa automobilística – incluindo até mesmo a Fórmula 1 e o Mundial de Endurance (WEC/WSC). Embora seja perigoso fazer afirmações categóricas como esta, é bem provável que o Grupo B de rali seja unanimidade entre qualquer um que goste de carros e corridas.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

E como poderia ser diferente? O regulamento do Grupo B, brando como jamais se viu novamente em provas de rali, permitia praticamente qualquer motor, qualquer configuração mecânica e qualquer método de construção, desde que o carro tivesse 200 unidades produzidas, legalizadas para as ruas e comercializadas.

Tamanha era a popularidade do rali na década de 1980 que as fabricantes não pensavam duas vezes antes de colocar todos os recursos que fossem necessários para desenvolver um carro vencedor – o prestígio de triunfar na elite do rali mundial justificava todo o investimento. E o resultado foram alguns dos carros mais potentes, velozes e tecnicamente sofisticados já vistos no WRC – Ford RS200, Renault 5 TurboLancia 037 e Delta S4, Audi Sport Quattro e Peugeot 205 T16, só para citar alguns. Cada um deles, aliás, recebeu um post especial na nossa série “Lendas do WRC” – que trouxemos de volta recentemente, agora com foco nos pilotos.

Então, o que você acha de começar a semana com uma viagem até 1986, último ano do Grupo B do WRC? Mais precisamente, vamos voltar ao Tour de Corse daquele ano – a quinta das 13 etapas do Campeonato Mundial de Rali realizado há 32 anos. O vídeo abaixo é um compilado de tem 11 minutos e mostra alguns dos melhores momentos da prova, que aconteceu entre os dias 1º e 3 de maio de 1986. E também o pior deles.

De acordo com o título do vídeo, são imagens que jamais passaram na TV – é difícil confirmar a veracidade da declaração, mas o que importa de verdade é que podemos conferir uma infinidade de material audiovisual da época pelo YouTube e ter uma noção de como eram diferentes as competições da época. As pessoas amontoadas nos barrancos, algumas delas invadindo o trajeto e correndo para as beiradas à medida que os carros se aproximam; a infraestrutura mínima, com frágeis cordinhas de proteção; os fotógrafos e cinegrafistas arriscando suas vidas pelo melhor registro, tudo embalado pelo ronco ensurdecedor dos quase-protótipos. Aqueles eram mesmo outros tempos.

HenriToivonen_05

Note que os únicos representantes do Grupo B que aparecem no vídeo são o Lancia Delta S4, com seu motor 1.8 com turbo e supercharger para entregar entre 500 e 700 cv; o Metro 6R4, que tinha um V6 naturalmente aspirado de três litros e 400 cv; o Peugeot 205 T16, que era movido por um motor 1.8 turbo com mais de 500 cv; e o Renault 5 Maxi Turbo, que tinha um motor 1.6 sobrealimentado com potência entre 350 e 400 cv.

ari-vatanen-peugeot-205-t16-rally-de-france-1984 renault_5_maxi_turbo_8

A Audi optou por não disputar a prova, que era realizada no asfalto, pois Sport Quattro era mais indicado para as etapas na terra; e a Ford fez a mesma opção com o RS200, mas por outra razão: no Rali de Portugal, realizado dois meses antes, o piloto Joaquim Santos perdeu o controle do carro, saiu da pista e acertou um grupo de espectadores, matando três deles e deixando outros 30 feridos. O acidente aparece por volta da marca dos 1:10 no vídeo abaixo – há quem considere as cenas fortes demais, então fica o aviso.

Dito isto, aparecem outros carros interessantes: o Alfa Romeo GTV6, o Volkswagen Golf GTI Mk1, o Renault 11 Turbo e o Fiat Uno da Jolly Club sobre o qual falamos aqui recentemente – todos competindo no Grupo A, que no ano seguinte se tornaria a categoria principal.

Repare que, embora os carros do Grupo B fossem mais potentes e nos trechos flat out fossem sensivelmente mais rápidos (os carros do Grupo A tinham algo entre 150 e 250 cv, dependendo do motor), a vantagem dos mesmos nas curvas não é tão grande assim. Em ambas as categorias, a velocidade média nas viradas era bem menor do que a dos carros que competem atualmente no WRC, mesmo que eles não sejam tão potentes quanto os bólidos do Grupo B. Isto se dá, principalmente, por causa dos pneus: os compostos de hoje em dia são muito mais resistentes e duráveis, e também proporcionam muito mais aderência nas curvas. Os pneus de trinta anos atrás, além de traiçoeiros, precisavam de mais cuidados por parte dos pilotos para serem conservados.

Isto posto, a selvageria dos carros do Grupo B e a habilidade dos pilotos ficam evidentes nos trechos percorridos de pé cravado. Especialmente se tratando dos carros com motor turbo, que sofriam irremediavelmente com o lag e, por isso, precisavam sempre ser mantidos na faixa mais alta de rotações, para deleite de quem podia ouvir o ronco de perto.

ab38cc31e149704fd73b4371a88bf82b

Só que a gente fica até se sentindo meio estranho ao exaltar o espetáculo do Tour de Corse de 1986 sabendo o que aconteceu no dia 2 de maio, segundo dia da competição – quando Henri Toivonen, que já havia manifestado preocupação com o caráter incontrolável do Delta S4, perdeu o controle em uma curva, saiu da pista e rolou pela ribanceira. O carro caiu sobre o próprio teto e explodiu por conta de um vazamento de combustível, sendo consumido pelas chamas. Fizemos a análise completa do acidente, que pode ser conferida aqui.

Toivonen e seu navegador Sergio Cresto morreram presos aos seus bancos, e a vitória do Peugeot 205 T16 de Bruno Saby teve um gosto amargo – que persistiu pelo restante da temporada. Ford e Audi, em respeito à tragédia, abandonaram a competição. A partir do ano seguinte, 1987, o Grupo B foi banido por Jean-Marie Balestre. O Tour de Corse de 1986 foi a gota d’água. Ficaram as lembranças – as boas e as ruins.

Matérias relacionadas

Eu assisti ao novo Top Gear… e você também deveria

Leonardo Contesini

Lendas do WRC: Citroën C4 WRC e a consagração de Sébastien Loeb na elite do rali mundial

Dalmo Hernandes

Conheça é o Bugatti Atlantic moderno que a VW desistiu de fabricar

Dalmo Hernandes