A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Eventos Zero a 300

Um Camaro de arrancada elétrico, um Corvette Yenko (!) e uma Blazer 1971 restomod: os destaques da Chevrolet no SEMA

Fechando a trinca das três grandes de Detroit no SEMA Show, vamos dar atenção aos gravateiros: é a vez da Chevrolet. Nós já vimos algumas das atrações da Chevy para o SEMA Show por aqui – começando pelo crate engine LT5, o V8 supercharged de 6,2 litros e 765 cv usado no atual Corvette ZR1, que agora poderá ser comprado por qualquer um que estiver a fim de “um pouco” mais de desempenho em seu muscle car clássico. A fabricante até levou um Chevelle restomod equipado com o LT5 para demonstrar seu potencial.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

 

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Ontem vimos a edição comemorativa do COPO Camaro, que completará 50 anos em 2019. O carro de arrancada de fábrica é equipado com um V8 LSX de sete litros, pneus de arrancada e para-quedas especial – e ainda recebeu uma pintura exclusiva na cor Anniversary Blue Metallic, que é uma referência ao Laguna Blue do COPO Camaro original de 1969. E, assim como foi há cinco décadas, serão feitas apenas 69 unidades.

Agora, o COPO Camaro não foi o único pony car de arrancada que a Chevrolet mostrou no SEMA.

 

eCOPO: um drag racer elétrico de 9 segundos

image

Ele é igualmente azul, mas os raios pintados no capô e o “E” à frente de seu nome dão a dica: em vez de um motor a combustão interna, o eCOPO Camaro é movido por dois motores elétricos ligados a uma transmissão de arrancada convencional – a mesma Turbo-Hydramatic 400 utilizada pelo COPO Camaro a gasolina.

Os motores elétricos em questão são um par de BorgWarner HVH 250-150, cada um deles entregando 41,5 mkgf de torque a partir de zero rpm – ou seja, têm-se à disposição do pé direito, de forma imediata, 83 mkgf, além de uma potência equivalente a 710 cv.

large.SEMACamaro07.jpg.00778a05234977969c8ce1519748b79b

Ambos os motores são alimentados por um conjunto de baterias de 800 volts – nada menos que o dobro da capacidade das baterias utilizadas nos Chevrolet Bolt e Volt (o carro compacto elétrico e o sedã híbrido plug-in da marca, respectivamente). As baterias são divididas em quatro módulos, cada um deles pesando cerca de 80 kg, sendo que dois ficam no porta-malas e outros dois, na área antes ocupada pelo banco traseiro. É uma forma de concentrar a massa do carro sobre o eixo traseiro, que fica com 56% do carro sobre si – e, com isto, obtém mais tração na hora da largada.

chevrolet-ecopo-camaro-concept-1 (1)

O carro também possui um programa de gerenciamento de energia, que fica ativado o tempo todo para garantir que toda a energia das baterias está sendo aproveitada da melhor forma possível e também para evitar que o conjunto superaqueça. A fabricante também desenvolveu uma gaiola de proteção modificada, que invade a área do porta-malas e garante que as baterias fiquem protegidas em caso de acidente.

chevrolet_ecopo_camaro_concept_9_0413022209cb0698chevrolet_ecopo_camaro_concept_6_034002ab07f4056e

O resultado? Segundo a Chevrolet, estamos diante de um Camaro elétrico de nove segundos. Há quem acredite que o eCOPO é uma reação à crescente onda de vídeos de arrancada protagonizados pelo Tesla Model S – que, de fato, não precisa de muito mais que alguns ajustes para se tornar capaz de humilhar praticamente qualquer carro com motor a gasolina no quarto-de-milha.

 

O Chevrolet Yenko Corvette

sema-2018-specialty-vehicle-engineerings-1000-hp-yenko-sc-corvette-2018-10-31_13-10-05_943744

Você provavelmente lembra que, além do Chevrolet Chevelle com motor LT5, falamos também sobre o novo Yenko Camaro com motor de até 1.000 cv. Pois a Specialty Vehicle Engineering (SVE), atual detentora da marca Yenko, preparou uma surpresinha para o SEMA 2018, na mesma veia: o Yenko/SC Corvette.

Pensando bem, era até que previsível: com um motor V8 supercharged de 1.000 cv e experiência razoável em modificar muscle cars da Chevrolet, era questão de tempo até que a SVE tentasse instalá-lo no esportivo topo-de-linha da Chevy.

sema-2018-specialty-vehicle-engineerings-1000-hp-yenko-sc-corvette-2018-10-31_13-10-21_040804

Utilizando o Corvette Grand Sport como base, a SVE repete a receita do Yenko Camaro em seu Corvette: partindo do motor LT-1, a preparadora oferece dois estágios de preparação – Stage I e Stage II. Em ambos os casos o motor tem o deslocamento ampliado de 6,2 litros para 6,8 litros; recebe virabrequim, bielas e pistões de alumínio forjados; e ainda ganha cabeçotes com o fluxo retrabalhado e um sistema de alimentação mais robusto, com novos injetores e bomba de combustível. E, claro, os dois Stages recebem um compressor do tipo Roots com maior capacidade. Assim, o Stage I tem 840 cv, enquanto o Stage II – que usa um supercharger 20% maior e capaz de trabalhar com 25% mais pressão – passa dos 1.000 cv.

sema-2018-specialty-vehicle-engineerings-1000-hp-yenko-sc-corvette-2018-10-31_13-11-00_260608 sema-2018-specialty-vehicle-engineerings-1000-hp-yenko-sc-corvette-2018-10-31_13-10-46_903738 sema-2018-specialty-vehicle-engineerings-1000-hp-yenko-sc-corvette-2018-10-31_13-10-34_103247

A personalização estética segue a cartilha do Yenko Camaro, com faixas laterais decorativas, emblemas “sYc” bordados nos encostos de cabeça, badges especiais na carroceria e plaquetas numeradas. A SVE também oferece a possibilidade de escolher uma cor personalizada para a carroceria, que pode ser repetida na tampa do supercharger e nas pinças dos freios.

 

A Chevrolet Blazer K5 dos Ringbrothers

ringbrothers-1971-k5-chevy-blazer-1

Jim e Mike Ring, os Ringbrothers, são conhecidos por seus projetos extremamente criativos e complexos, cheios de modificações radicais. Nós já falamos de vários carros feitos por eles, como um motorhome com motor V8 supercharged de 900 cv; um Cadillac ATS-V 2016 com a carroceria de um Cadillac 1948; e o incrível AMC  com Javelin com motor V8 Hellcat, preparado para entregar nada menos que 1.050 cv.

Para o SEMA 2018 eles decidiram ser mais tradicionais – ao menos esteticamente. O projeto dos caras para o evento neste ano é uma Chevrolet Blazer K5 1971. Lançada em 1969, Blazer K5 foi o primeiro veículo com o nome Blazer vendido pela Chevrolet, e era um SUV conversível com carroceria curta e a opção por motores seis-em-linha e V8. Era uma aposta da fabricante para enfrentar o Jeep CJ, porém com melhor acabamento e itens de conforto como ar-condicionado e câmbio automático.

ringbrothers-1971-k5-chevy-blazer-2 ringbrothers-1971-k5-chevy-blazer-1 (4)

Visualmente, a K5 recebeu apenas uma nova pintura prata na tonalidade “Brazilian Smoke” que, segundo os Ringbrothers, foi emprestada sem pudor algum do catálogo da Mercedes-Benz. A suspensão foi levantada em 2,5 cm usando molas e amortecedores da Ride Tech, que também forneceu as barras estabilizadoras, enquanto as caixas de roda foram modificadas para receber rodas de 17 polegadas Circle Racing de visual retrô.

ringbrothers-1971-k5-chevy-blazer-1 (14) ringbrothers-1971-k5-chevy-blazer-1 (1)

Quanto à mecânica, a Blazer K5 teve o motor original trocado por um LS3 crate engine da Chevrolet, com 350 pol³ (5,7 litros), alimentado por um sistema de injeção Holley Dominator para entregar 430 cv. A força é levada para as quatro rodas por uma caixa automática 4L60-E da Chevrolet, modificada pela Bowler – aquela empresa britânica especializada em transformar os jipes da Land Rover em verdadeiros monstros.

ringbrothers-1971-k5-chevy-blazer-1 (9) ringbrothers-1971-k5-chevy-blazer-1 (13) ringbrothers-1971-k5-chevy-blazer-1 (12)

O SUV também ganhou um sistema de escape Flowmaster e interior revestido de couro marrom, com instrumentos aftermarket da Dakota Digital e central multimídia Kicker.

 

Matérias relacionadas

Oettinger lança Golf 1.4 de 170 cv no Brasil, acidente fatal na Superbike em Goiânia, Audi TT RS é flagrado em Nürburgring e mais!

Leonardo Contesini

Um Santana Executivo impecável, um Jeep Renegade 4×4, um clássico nacional com motor V8 e as novidades do GT40

Dalmo Hernandes

Kart de Ayrton Senna volta às pistas, Waze passa a incluir rodízio nas rotas, Mitsubishi lança curso off-road, Corvette hackeado por OBD2 sem fio e mais!

Leonardo Contesini