A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Vantablack: como funciona a “tinta” preta mais escura que existe?

Há alguns dias a BMW apresentou o conceito X6 Vantablack, um exemplar que foi pintado usando um pigmento de mesmo nome que é considerado o material mais escuro que existe. O carro parece até uma sombra no formato do crossover, como se alguém tivesse feito uma montagem no Photoshop apagando a carroceria e mantendo faróis, lanternas, grades e rodas “normais”.

Mas… como o Vantablack faz isto? Ou melhor, o que é esse tal Vantablack?

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

O Vantablack é um revestimento capaz de absorver 99,96% da luz que incide sobre ele. Não se trata de uma tinta ou pigmento, mas carbono puro. O segredo não está na composição do material, mas na forma como ele é depositado sobre a superfície.

O material foi desenvolvido pelo Laboratório Nacional de Física do Reino Unido em 2006, e consiste em uma “floresta” de nanotubos de carbono, cultivada sobre uma superfície usando um processo chamado deposição de vapor químico. Em uma câmara selada de baixa pressão, o gás carbônico é aquecido a uma temperatura de 400°C. Então, o carbono puro começa a se depositar sobre a superfície desejada (ou substrato).

O resultado é uma camada de nanotubos de carbono alinhados verticalmente – aliás, é isto que significa “VANTA”: vertically aligned nanotubes array. “Black”, obviamente, você já sabe o que quer dizer. Os nanotubos são verdadeiramente minúsculos, medindo 20 nanômetros (cerca de 3.500 vezes mais finos que um fio de cabelo) por algo entre 14 e 50 mícrons. Um nanômetro, para se ter ideia, corresponde a 0.001 mícron.

Vantablack em um microscópio, ampliado em mais de 4.000x

 

A NASA já havia desenvolvido um material similar anos antes, porém ele só podia ser criado a temperaturas de pelo menos 750°C. Como precisa de uma temperatura mais baixa para ser feito, o Vantablack é mais vantajoso em termos de custo, pois pode ser aplicado sobre materiais menos resistentes ao calor.

E como ele funciona? É relativamente simples: por conta da cor e do arranjo dos nanotubos de carbono, a maior parte da luz que atinge um material coberto pelo Vantablack fica “presa” – os fótons (partículas de luz) não refletem, como ocorre com a maioria dos materiais. Como já dissemos, cerca de 99,96% da luz é absorvida pelo Vantablack. Os 0,04% restantes se dissipam em forma de calor.

Com isto, uma vez que determinada superfície é revestida com Vantablack, perdemos qualquer noção de profundidade ao observá-la – ela fica parecendo uma massa preta totalmente uniforme. Se você está tendo problemas para visualizar esta descrição, dê uma olhada na foto abaixo. Trata-se de uma folha de alumínio toda amassada, mas a parte que recebeu o Vantablack não possui qualquer tipo de dobra, vinco ou irregularidade. Talvez você consiga enxergar se prestar muita atenção, e se houver luz o suficiente. Mas, na maioria das vezes, o material coberto com Vantablack poderia ser confundido com uma sombra.

As aplicações para tal material são inúmeras, e muitas delas têm a ver com a exploração espacial. Por exemplo, o Vantablack pode ser utilizado para absorver luz indesejada e impedir que ela seja captada por telescópios, aumentando sua eficiência. Ele também pode ser usado para melhorar a eficiência de câmeras com infravermelho; aumentar a capacidade de absorção de calor de painéis solares; e até mesmo ser usado para esconder aviões de radares – os nanotubos de carbono são capazes de absorver também radiação não visível, como as micro-ondas usadas em radares.

Atualmente a marca Vantablack pertence a uma empresa britânica chamada Surrey NanoSystems LTD. O Vantablack começou a ser vendido em 2014 e, de lá para cá, a Surrey criou variações do Vantablack mais acessíveis e fáceis de aplicar usando um arranjo aleatório de nanotubos de carbono (em vez do arranjo vertical). Existe até mesmo uma tinta em spray que, embora não seja feita à base de nanotubos, produz efeito semelhante, sendo também feita à base de carbono. É bem provável que esta tenha sido a versão do Vantablack utilizada no o BMW X6, pois não seria viável submeter os painéis da carroceria a temperaturas tão elevadas.

Agora, por mais que isto tudo pareça extraordinário, saiba que na natureza existe ao menos um exemplo de fenômeno análogo ao Vantablack. Você conhece as aves-do-paraíso?

Nativas principalmente da Ásia e da Oceania, as aves-do-paraíso são um conjunto de cerca de 40 espécies de pássaros que, em comum, têm um dismorfismo sexual muito acentuado (machos e fêmeas são bem diferentes), sendo que o macho é dono de uma plumagem muito mais exuberante e colorida.

Esta decoração tem um papel importante na reprodução: para disputar as fêmeas, os machos fazem uma dança e posicionam suas penas de modo a adquirir um formato maior e mais chamativo. E, entre as aves-do-paraíso, há uma delas que parece pintada de Vantablack.

Trata-se do parotia whanesi, espécie que foi descoberta em 1906 e atualmente está em perigo de extinção, com menos de 10.000 adultos existentes. O que diferencia o parotia whanesi de outras aves-do-paraíso é sua plumagem preta que parece não refletir qualquer tipo de luz. Isto se dá pelo formato dos filamentos das penas – eles são alinhados verticalmente, como os nanotubos do Vantablack, e com isto conseguem absorver 99% da luz, dependendo do ângulo.

O mais interessante é que, no ritual de acasalamento, o parotia whanesi deixa esta característica especialmente evidente. Exibindo-se para uma fêmea, o macho abre as penas em volta do pescoço e as asas em uma silhueta oblonga. As peanas do peito e das laterais da cabeça do pássaro são azuis e cintilantes, e formam uma espécie de “carinha sorridente” sobre um fundo absurdamente preto, no qual o restante do pássaro “desaparece”. Note que de forma quase tão eficiente quanto o Vantablack criado pelo homem.

 

Matérias relacionadas

Toyota Century V12: é assim que os japoneses fazem (ou faziam) carros de alto luxo

Dalmo Hernandes

McLaren P1 LM é o novo carro de rua mais rápido em Nürburgring Nordschleife

Leonardo Contesini

This is Touge: o perigoso submundo dos rachadores da Califórnia

Dalmo Hernandes