A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Projetos Gringos

24 cilindros, 30 litros e 3.500 cv em um caminhão: conheça o Thor 24

Quando se trata de carros esportivos, uma maneira de garantir a atenção dos entusiastas é equilibrar perfeitamente a relação entre dimensões, design, dinâmica, peso e potência – afinal, todos gostamos de carros leves, bonitos, bem acertados e velozes. Mas um pouco de exagero não faz mal a ninguém, e algumas insanidades sobre rodas acabam nos deixando hipnotizados. E é por isso que algumas máquinas que desafiam o limite da engenharia também nos atraem. Como o Thor 24, um big rig Peterbilt equipado com um motor “V24” a diesel, feito sob medida para este monstro. E os 24 cilindros sequer são seu único superlativo.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Tudo começou quando um sujeito chamado Mike Harrah, residente no sul da Califórnia, recebeu uma ligação de um conhecido lhe oferecendo dois motores V12 Detroit Diesel 12V-71 usados, que haviam sido retirados de um iate. Cada um dos motores, originalmente, deslocava 13,9 litros e, com um supercharger Roots acoplado, entregavam originalmente 462 cv e 165,9 kgfm de torque. Sabendo disto tudo, Mike decidiu comprá-los, e só depois pensar no que fazer com eles.

Poucos meses depois, ele teve o estalo: ele colocaria os dois motores em um caminhão, simplesmente porque sabia como fazê-lo. Sete anos depois, o Thor 24 ficou pronto – e ele é simplesmente um absurdo.

Se tudo isto lhe parece familiar, saiba que você não está endoidando ou imaginando coisas: falamos sobre o projeto há alguns anos, em 2015 – quando apenas o motor estava pronto e Mike sequer tinha certeza de que o caminhão iria funcionar. Pois bem: ele ficou pronto. E sim, ele funciona.

Aliás, não há como começar a falar do Thor 24 se não for pelo motor: os dois motores V12 foram instalados frente a frente, ligados pelo virabrequim – eles funcionam em sincronia, como se de fato fossem um motor V24 de 27,8 litros. Mas não é só isto: um coletor de admissão de alumínio foi feito sob medida para alimentar todos os cilindros e, para isso, conta com a ajuda de não um, não dois, mas OITO compressores de polia BDS 8-71, cada um deles com seu próprio blower – todos acionados pelo mesmo eixo (em 2015, eram apenas quatro). E, como se não bastasse, Mike ainda deu um jeito de instalar oito cilindros de óxido nitroso entre os superchargers.

O resultado, segundo Mike, são nada menos que 3.471 cv a 2.500 rpm, que devem ser suficientes para movimentar as 13 toneladas do Thor 24. Infelizmente ele não divulga o torque do conjunto, mas a transmissão utilizada, uma Allison HT740 automática de quatro marchas, vinha de fábrica com capacidade para suportar quase 200 kgfm de torque.

Para acomodar o motor composto na dianteira, o chassi do caminhão – um Peterbilt 359 fabricado em 1979 – teve de ser consideravelmente esticado. No total, o veículo mede 13,4 metros sem caçamba – apenas o cavalo, com cabine dupla e um leito na parte de trás. A modificação foi feita usando longarinas cromadas feitas em aço de 1 cm de espessura.

Outras modificações incluíram trocar a a caixa de direção original por uma VanHool, feita para ônibus, a fim de diminuir o diâmetro de giro. A suspensão usa feixes de molas semi-elípticas OEM da Peterbilt, com sistema pneumático de nivelação. A grade dos radiadores foi feita especialmente para o caminhão, e dá a ele um quê de hot rod ou um caminhão International Lonestar – outra emblemática fabricante de caminhões norte-americana. Completam o visual tanques cromados nas laterais, um “aerofólio” no teto e, na parte de trás, uma pintura retrô de Thor, o deus do trovão. As rodas são da Alcoa, feitas de alumínio, com 22,5 polegadas na dianteira e 24,5 polegadas na traseira. Os freios abrigados sob elas contam com a ajuda de quatro para-quedas Simpson montados na parte de trás.

O interior é quase tão insano quanto o lado de fora – o painel de instrumentos conta com 24 instrumentos, incluindo um velocímetro com marcação até as 200 mph (320 km/h), oito manômetros de pressão dos superchargers, um conta-giros de 6.000 rpm e quatro telas coloridas de seis polegadas para ajudar o motorista a ver o caminho à frente, mostrando imagens capturadas em tempo real pelas câmeras frontais – tudo porque os blowers dos superchargers bloqueiam a visão do para-brisa.

Couro, madeira e metal dominam o acabamento interno, bem como adereços temáticos – caveiras, machados e uma espada no console central, usada como alavanca de câmbio. O interior acomoda quatro pessoas com bastante espaço, e todos os bancos têm cintos de competição – medida necessária em um monstro de 13.000 kg que, segundo Mike, é capaz de chegar aos 210 km/h. Com um conjunto mecânico tão peculiar, porém, toda a customização estética acaba sendo a parte mais comum do Thor 24.

No site que Mike criou para divulgar o projeto, ele diz que é possível alugar o Thor 24 para eventos ou produções de vídeo – e ele certamente ficaria bem em um clipe de heavy metal ou algum curta-metragem à la Mad Max.

Matérias relacionadas

Você encararia um projeto de garagem com este roadster britânico?

Leonardo Contesini

Esta casa é uma garagem para 20 carros que por acaso tem quartos, sala e banheiro

Dalmo Hernandes

Este cara planejou o ensaio fotográfico de seu Golf GTI “RS” usando Forza Motorsport 6

Dalmo Hernandes