A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Automobilismo

24 Horas de Le Mans 2015: veja como foi a 17ª vitória da Porsche e todos os destaques da prova em uma super galeria

A grande vencedora das 24 Horas de Le Mans de 2015 foi uma empresa acostumada a vencer por ali, mas que não repetia o feito havia 17 anos. A Porsche, maior campeão da prova até hoje, não vencia em Le Sarthe desde 1998. E ela já havia feito isso 16 vezes antes desta última, o que torna seu triunfo deste ano o 17º no mítico circuito francês. Sem falar que a empresa quase venceu com o carro de número 17. Pode chamar de número cabalístico. O vencedor, contudo, foi o carro 19, pilotado pelo alemão Nico Hülkenberg, pelo inglês Nick Tandy e pelo neozelandês Earl Bambe.

Foi uma estreia de sorte para os três pilotos na principal categoria de Le Mans, a LMP1. E a primeira vez desde 1991 em que um piloto em atividade na F1 vence as 24 Horas. Naquele ano, a prova foi vencida por Johnny Herbert e Bertrand Gachot. Há quem diga que, com a vitória, o passe de  Hülkenberg, atualmente na Force India, vai se valorizar e ele poderá voltar a integrar uma equipe competitiva desde que saiu da GP2, em 2009, como campeão.

Hülkenberg venceu a competição com uma volta de vantagem sobre o segundo colocado, o Porsche 919 Hybrid de número 17 pilotado por Mark Webber, Brendon Hartley e Timo Bernhard. Em terceiro lugar chegou o Audi R18 e-tron quattro número 7, pilotado por André Lotterer, Benoît Tréluyer e Marcel Fässler. O brasileiro Lucas di Grassi, que também pilotou um Audi, chegou em quarto lugar.

919LeMans2015

Desde que iniciou seu reinado recente na prova, em 2000 a Audi só perdeu em outras duas ocasiões. Em 2003, para a Bentley, e em 2009, para a Peugeot. A da Bentley nem conta, já que a Audi não competiu oficialmente naquele ano, cedendo seus pilotos à marca inglesa, que é parte do grupo Volkswagen. A Porsche também é parte do grupo, atualmente, mas as equipes competiram como gente grande, sem nenhum tipo de coleguismo que não os cumprimentos de Wolfgang Ullrich, diretor técnico da equipe da Audi, no pessoal da Porsche pouco antes do final da corrida. Grandeza do cara também na hora de perder.

Na categoria LMP2, quem venceu foi a equipe KCMG, com um Oreca 05, movido por um motor Nissan V8 4.5, pilotado pelos britânicos Matthew Howson e Richard Bradley e o francês Nicholas Lapierre. Eles completaram 358 voltas no circuito, contra 395 do Porsche 919. Em segundo lugar chegou um Gibson 015S da equipe Jota Sports, pilotado por Simon Dolan, Oliver Turvey e Mitch Evans, na mesma volta do vencedor. O terceiro foi o Ligier JS P2 da G Drive Racing, conduzido pelos pilotos  Roman Rusinov, Julien Canal e Sam Bird.

061315_2

Na LM GTE Pro, a equipe vencedora foi a Corvette Racing, com o Chevrolet Corvette C7R dirigido por Oliver Gavin, Tommy Milner e Jordan Taylor. Este, portanto, é o carro que o Ford GT terá de bater no ano que vem. Ele completou 337, cinco a mais do que o segundo colocado, a Ferrari 458 Italia GT2 da AF Corse, pilotada por Davide Rigon, James Calado e Olivier Beretta. O terceiro, também da AF Corse, foi pilotado por Gianmaria Bruni, Giancarlo Fisichella e Toni Vilander.

Por fim, na LM GTE AM, quem venceu foi a Ferrari 458 Italia GT2 da equipe SMP Racing, pilotada por Viktor Shaitar, Aleksey Basov e Andrea Montermini. Com 332 voltas, ela ficou apenas uma volta na frente do Porsche 911 RSR da Dempsey-Proton Racing, do ator Patrick Dempsey, que dirigiu, ao lado de  Patrick Long e de Marco Seefried. Em terceiro chegou a equipe americana Scuderia Corsa, com uma Ferrari 458 Italia GT2 pilotada por Bill Sweedler, Townsend Bell e Jeff Segal.

81e381f5-befd-4a70-91d6-badc0113cd0e

Veja abaixo um resumo hora a hora de tudo que rolou de mais importante na LMP1 da edição deste ano das 24 Horas de Le Mans:

 

10h às 11h – 13/06/15

O Porsche 919 Hybrid número 17, dirigido por Timo Bernhard, toma a dianteira, seguido pelo número 18, com Neel Jani ao volante, e o 19, com Nico Hülkenberg tocando. Loïc Duval, no Audi R18 número 8, toma o terceiro lugar de Hülkenberg logo no final da primeira volta. André Lotterer e Marco Bonanomi vêm atrás nos outros dois R18, acompanhados de perto por Alexander Wurz, no Toyota TS040 Hybrid númeero 2 e por Sébastien Buemi no TS040 número 1. Hülkenberg acaba caindo para sexto. André Lotterer passa para o terceiro lugar, mas perde o posto nos boxes para Duval.

 

Um safety car entra na pista: o Porsche 911 RSR número 92 de Patrick Pilet pega fogo e sai da prova. O safety car sai da pista às 11h22. Duval cai de terceiro para sexto. O 919 18, de Neel Jani, assume a liderança, é passado por André Lotterer e, de novo, por Timo Bernhard. Por conta de um pit stop, Bernhard vai de novo para a liderança. Lotterer ultrapassa Jani e ganha a segunda posição. Perto das 12h, Lotterer é, de novo, primeiro colocado.

 

12h às 13h – 13/06/15

O Aston Martin V8 Vantage GTE de Roald Goethe bate em uma barreira de pneus, mas consegue voltar aos boxes. A Porsche troca seus três pilotos. Lotterer tem um pneu furado, vai aos boxes para a troca e entrega o carro a Tréluyer, que volta em sexto. O Porsche 919 número 17, agora dirigido por Brendon Hartley, volta à liderança. Duval bate seu R18, mas sem gravidade em um novo incidente com safety car na pista. Lucas de Grassi pega o volante do R18 número 8. O Porsche 19, agora dirigido por Nick Tandy, está em quarto lugar. Tandy entrega o volante a Earl Bamber. O Porsche 911 RSR 88, de Christian Ried, pega fogo. A prova é reiniciada às 13h44. Tréluyer passa Marc Lieb e assume a segunda colocação, atrás do Porsche 17, mas logo leva o troco e retoma a posição. Tudo em coisa de dois minutos.

 

14h às 15h – 13/06/15

Os pilotos reclamam de óleo na pista. Brendon Hartley faz um pit stop e outro com menos de dez minutos de intervalo entre eles, sem perder a liderança. Os Nissan GT-R LM Nismo viram retardatários e levam faróis de carros da LMP2. Hartley abre 50 segundos de vantagem para Tréluyer. Hartley para o Porsche 17 e o entrega a Mark Webber. O carro fica sob investigação por ultrapassar em uma slow zone. Hülkenberg reassume a direção do Porsche 19.

 

16h às 17h – 13/06/15

Tréluyer ultrapassa Webber e assume a liderança. Webber retoma a ponta e, em um pit stop, cede a liderança a René Rast com o R18 número 9. O Porsche 18 passa reto no final da Mulsanne e bate numa barreira de pneus. No conserto, Neel Jani volta ao comando do carro. A maior autonomia do 919 diminui as visitas aos boxes. Um novo safety car vai para a pista devido a um acidente com o Alpine A450b número 36 de Paul-Loup Chatin.

 

18h à 1h – 13 e 14/06/15

Relargada às 18h05, com slow zone na curva Mulsanne. Hülkenberg, em terceiro, começa a ameaçar a posição de Webber e o ultrapassa. Em um pit stop de Rast, o Porsche 19 assume a ponta. Webber é punido com 1 minuto de stop and go pela ultrapassagem em slow zone. Hülkenberg amplia a vantagem para 6 segundos sobre Rast, que é seguido por Fässler e por Timo Bernhard, que pegou o comando do Porsche 17 no lugar de Webber.

O capô do Nissan GT-R LM Nismo número 22, de Harry Tincknell, sai voando. O carro teria se chocado com um animal. Ele voltou para os boxes, é reparado e continua na prova. Neel Jani, no Porsche 18, passa reto numa curva e bate numa barreira de proteção, mas sem danos ao carro. Nick Tandy, no Porsche 19, lidera a prova.

O Morgan LMP2 número 29, da Pegasus Racing, vai parar na caixa de brita das curvas Porsche com Ho-Pin Tung ao volante. A pista fica com bandeira amarela na área até 21h30. Nick Tandy tem 13 segundos de vantagem para o segundo colocado, André Lotterer. Hartley assume o volante do Porsche 17 no lugar de Bernhard.

Nick Tandy, agora com um minuto de vantagem para Lotterer, entrega o carro a Earl Bamber. Só os quatro primeiros colocados estão na mesma volta que o líder. Bamber faz dois pit stops, mas mantém boa vantagem para o segundo colocado. O Porsche 17, dirigido por Hartley, é o quarto colocado, atrás de Filipe Albuquerque, no R18 número nove, e de Lotterer, no R18 número 7. Bamber continua na liderança.

 

1h às 2h – 14/06/15

O R18 de Lotterer perdeu a tampa do motor e foi obrigado a parar por sete minutos. Depois do reparo, Fässler assume o volante, mas é punido por emparelhar com Tandy em uma zona de desaceleração na reta dos boxes, desrespeitando procedimentos de bandeira vermelha.

 

3h às 7h – 14/06/15

A vantagem do Porsche 19 para o segundo colocado, o 919 17, cresce para dois minutos. O Audi número 9 é o terceiro colocado. Começa a chover às 6h, mas ninguém troca pneus. André Lotterer bate o recorde da pista com 3 minutos, 17 segundos e 475 centésimos. A média de velocidade foi de 248,5 km/h.

 

7h às 10h – 14/06/15

O R18 número 9, de Filipe Albuquerque, vai para os boxes para trocar sua suspensão. O reparo demora um bocado e prejudica o Audi, que era o melhor da equipe na corrida até aquele momento.

Hülkenberg assume o volante do Porsche 19 e vai até o final da prova com o carro. O segundo colocado é o Porsche 17. Três voltas atrás está o R18 de Lotterer. Um problema no câmbio tira o segundo dos Nissan da competição. Agora, foi o 23, pilotado por Max Chilton, Jann Mardenborough e Olivier Pla. Antes, o de número 21 já havia abandonado a prova. O Porsche 18 tem sua última troca de pilotos: sai Marc Lieb, entra Neel Jani. O Ligier JS P2 número 40 de Tracy Krohn se envolve em um acidente, mas Krohn consegue levar o carro de volta aos boxes com apenas um pneu furado.

Paul Dalla Lana, líder da LM GTE Am, bate forte a 45 minutos do final da corrida. Seu V8 Vantage GTE passou reto na chicane e não pode mais ser levado aos boxes. Com isso, Patrick Dempsey ganhou a segunda posição na prova. Na LMP1, Hülkenberg dá à Porsche seu 17º título em Le Mans, onde a marca venceu pela primeira vez em 1970. A Audi tem 13 vitórias.

Unknown-66 Unknown-64 Unknown-65 Porsche919LM15 Unknown-16 Unknown-57 CHdI7-IWoAE5FF1.jpg-largeUnknown-23 Unknown Unknown-31 Unknown-21 Unknown-9 CHdqv_cWcAAt5mA.jpg-large Unknown-19Unknown-29 Unknown-4 Unknown-60 Unknown-53 Unknown-14 Unknown-63 CHc0P83WcAAgtIi.jpg-largeUnknown-44 A154378_full Unknown-37 CHcLhV8WUAAbipj.jpg-large CHbsNhrWIAA7JcZ.jpg-large Unknown-49 CHaB4HqWEAEzoYj.jpg-largeUnknown-6 CHb7ahoWwAALkmV.jpg-large CHa1bw7XAAAb5CS.jpg-large Unknown-1 Unknown-15 CHbR1KCWEAA8P57.jpg-large Unknown-58Unknown-59 Unknown-39 Unknown-46 Unknown-56 Unknown-61 CHeYKhnWIAAMvdY.jpg-large Unknown-38CHaDxq-XAAAdmdc.jpg-large Unknown-54 Unknown-28 Unknown-30 Unknown-13 Unknown-62 Unknown-35Unknown-55 Unknown-34 Unknown-50 CHcVum6WgAAWfGA.jpg-large Unknown-33 Unknown-41 Unknown-26Unknown-43 Unknown-36 CHdrzjmWsAEMl-r.jpg-large CHaPAeQWsAAdCSw.jpg-large Unknown-52 Unknown-20Unknown-27 Unknown-8 CHZKm0mWcAAIJEo.jpg-large Unknown-2 Unknown-32 CHdnGsJWIAAJZaf.jpg-large Unknown-7Unknown-40 Unknown-18 Unknown-12 Unknown-3 Unknown-11 CHapzQsWEAAq25c.jpg-large Unknown-48CHbD6yFWoAAOLoC.jpg-large Unknown-51 Unknown-22 CHeRnyoWEAA98eD.jpg-large Unknown-42 Unknown-47 Unknown-5Unknown-25 Unknown-45 Unknown-17 Unknown-10 CHbhKznWsAE6N4k.jpg-large

 

Matérias relacionadas

Side drafting: os efeitos aerodinâmicos das ultrapassagens mais insanas dos últimos tempos

Leonardo Contesini

Lotus 25: o carro que inventou o monocoque na Fórmula 1

Leonardo Contesini

A história da Renault na Fórmula 1 – Parte 2: Lotus, Nigel Mansell, Ayrton Senna e mais vitórias

Leonardo Contesini