A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Zero a 300

510 cv, 8.000 rpm e o piloto sentado no meio: o Honda Civic Type-R “center-drive” da Spoon Sports

Para os admiradores da Honda, o nome Spoon Sports traz à mente de forma instantânea a pintura azul-e-amarelo e os motores naturalmente aspirados potentes e giradores. Honda Civic, S2000, Integra e NSX são só alguns dos modelos que já foram preparados para as pistas pela Spoon, que também consagrou-se como uma das mais importantes preparadoras aftermarket especializadas em Honda em todo o planeta. Talvez eles só sejam superados, em termos de importância, pela Mugen – e, pensando bem, esta é uma comparação é injusta, pois mesmo que não seja uma subsidiária da Honda, a Mugen foi fundada por Hirotoshi Honda, filho de Soichiro Honda.

Em todo caso, a Spoon Sports merece a fama que tem, por uma série de motivos. O primeiro Honda Civic a entrar em um campeonato de turismo foi inscrito por Tatsuru Ichishima, fundador da Spoon, antes mesmo que a própria fabricante o fizesse. Os produtos da Spoon são conhecidos pela durabilidade, pois Ichishima acredita que, para vencer corridas de longa duração – que são o forte da preparadora – a robustez e o equilíbrio dinâmico são mais importantes que a potência. E até hoje a Spoon confia em seu desempenho em eventos de pista para divulgar a marca, tanto no Japão quanto nos EUA, onde atua há mais de uma década – quase sempre com a presença do próprio Ichishima-san, que faz questão de examinar os carros pessoalmente antes de cada corrida. Às vezes o Honda Civic que começou tudo – um hatchback de terceira geração fabricado em 1985 – participa das competições.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Já contamos a história da Spoon, mas hoje vamos falar de um de seus projetos mais recentes e notórios: o Honda Civic Type-R “center-drive” que a preparadora vem usando para divulgar sua marca nos EUA em eventos de time attack desde 2016. Sim, um Honda Civic Type-R FD2, sedã, com o piloto sentado no meio. E não é só isto.

shes-almost-ready.-hopefully-we-can-have-shakedown-this-week-centerdrivecivic-momoinmyhands-spoonspo

spoon-sports-gotuning-civid-fd-center-mounted-momo-bucket spoon-sports-usa-gotuning-civic-fd-roll-cage

O carro foi importado do Japão pela própria Spoon, bem como o famoso Honda NSX que correu no Grand Prix de Macau e também já foi tema de post no FlatOut. A ideia era escolher qual deles seria utilizado como veículo de divulgação no circuito de time attack dos EUA, e o piloto Daijiro Yoshihara incrivelmente optou pelo Civic não apenas porque o sedã era mais simples de conduzir, mas também porque foi mais rápido que o NSX na pista onde os dois carros foram testados.

Se você leu o post sobre o NSX, deve lembrar que seu motor V6 foi preparado pela Spoon para entregar algo entre 450 cv e 500 cv, dependendo do acerto. Então, qual é o segredo do Civic para ser mais rápido que o NSX?

Para começar, o motor K20A2 preparado pela Spoon tem grande parte da culpa: além de receber componentes internos reforçados, um novo coletor de admissão e uma central eletrônica Motec M800, o quatro-cilindros é sobrealimentado por um turbocompressor Garrett GTX3576R. O resultado: 510 cv a 7.980 rpm (rotação estratosférica para um quatro-cilindros turbo) e 20 mkgf de torque, moderados por uma caixa feita sob medida pela Special Projects Motorsports, com engrenagens forjadas e diferencial Giken.

16832189_1357317764342526_7886798602457603612_n 14962572_1206075342800103_1673541257413522545_n

Naturalmente, se tratando de um carro de time attack, não basta ter um motor potente. Além de ter sido aliviado ao extremo, com a remoção de todo o acabamento interno e dos itens de conforto (que no Type-R já não eram muitos), o Civic da Spoon ganhou molas e amortecedores ajustáveis KW e tratamento aerodinâmico que inclui um enorme spoiler frontal, assoalho plano e um difusor traseiro obscenamente grande, que trabalha em conjunto com a asa traseira para reduzir a turbulência do ar na região. Com o esquema de cores usual da Spoon o visual do carro dispensa comentários.

17457908_1390229237718045_7930568748180167348_n 15726840_1272735806134056_5321305818771496408_n 14712588_1189420664465571_6111576004526591971_o14908350_1206939096047061_6148535504632027632_n

O que realmente chama a atenção, porém, é a posição do piloto. De acordo com a Spoon, o principal objetivo da conversão foi simplesmente atrair a atenção para o Type-R nos eventos – algo que sem dúvida ele faz. Contudo, há outros bons motivos: além de tornar perfeita a distribuição de massas entre o lado direito e o lado esquerdo, colocar o banco concha da Momo no centro do carro permite que se mude facilmente o posicionamento da alavanca de câmbio, permitindo que pilotos acostumados com a mão inglesa – britânicos, japoneses, australianos –  se sintam tão à vontade no carro quanto quem está acostumado a trocar as marchas com a mão direita.

A conversão, de acordo com a Spoon, foi relativamente simples, exigindo um suporte de direção feito sob medida e a remoção do túnel central – que, no Civic de oitava geração, abrigava apenas a tubulação de escape. Isto não foi um problema, pois a Spoon fabricou um novo sistema de escape sob medida, com a saída no para-lama dianteiro esquerdo.

14716335_1192920957448875_1644864843989351048_n 14732315_1192211580853146_4363153899279002484_n 14937436_1199175013490136_6636117716701449534_n

A preparadora afirma que até mesmo o projeto da gaiola de proteção foi beneficiado pelo reposicionamento do piloto, pois esta permitiu que a rollcage tivesse um desenho mais simples e, ao mesmo tempo, mais eficaz na hora de proteger o habitáculo e aumentar a rigidez da estrutura. Curiosamente, o piloto Dai Yoshihara afirma que pilotar no centro não é tão diferente de sentar-se à direita ou à esquerda, pois já está acostumado com ambas as configurações.

Agora, esta não foi a primeira vez que a Spoon fez um Honda Civic com o motorista posicionado no centro. No Tokyo Auto Salon de 1995 a preparadora apresentou um Civic hatchback de quinta geração com estrutura monocoque de fibra de carbono e motor quatro-cilindros de Fórmula 3.

37712010_1976036175779796_1396222979494379520_n 37734235_1976036189113128_1616989761707180032_n 37761476_1976036182446462_5141056779362238464_n 37829719_1976035202446560_7934741647437332480_n

Não há muitas informações disponíveis a respeito do carro, e também não existem tantas imagens – estas quatro fotos, aparentemente, são tudo o que restou.

carrossel-civic-generations-1140x448promo0918-1140x448

Matérias relacionadas

Estes são os carros que estarão em Velozes e Furiosos 8 – ou ao menos alguns deles!

Dalmo Hernandes

Ferrari 225S de R$ 10 milhões e outros clássicos atemporais: FlatOut em Águas de Lindóia 2017, parte 1

Juliano Barata

O guia de versões especiais do Golf GTI (e R) – Parte 4: a sétima geração

Leonardo Contesini