A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Técnica

A autópsia de um turbo: por que (e como) eles quebram?

A esta altura de 2022 você já sabe como funciona o turbo: os gases de escape fluem por um caracol, giram um rotor que, no outro lado, tem uma turbina afixada. Essa turbina comprime o ar, aumentando sua densidade. Maior densidade significa maior massa. Mais massa de ar, no motor, representa mais compressão efetiva. Mais compressão efetiva significa uma expansão com mais força. É daí que vem a potência extra do turbo. Em condições normais o turbo deve durar tanto quanto o motor — afinal, ele é um componente do motor turbo, e não um alien altruísta que pousou no cofre do motor e decidiu ajudar aquele pobre 1.0 a carregar um crossover nas costas. Mas, da mesma forma que outros agregados, o turbo está sujeito a uma série de problemas e condições de risco que podem acabar danificando-o muito antes do fim da vida útil do motor. As razões são várias: desde pequenos acidentes a abusos do próprio motorista. Infelizmente, só é possível descobrir o problema depois que ele já comprometeu

Matérias relacionadas

Porsche 992 vs. Porsche 991.2: o que mudou (e quanto mudou) na nova geração do 911?

Leonardo Contesini

Motores GSE turbo da FCA (Fiat/Jeep) no Brasil podem ser a nova referência. Veja como

Juliano Barata

Pushrod e pull rod: como funcionam as suspensões dos carros de F1?

Leonardo Contesini