FlatOut!
Image default
Zero a 300

A cara do novo Mustang | Kwid sobe e passa dos R$ 60.000 | o novo BMW X7 e mais!


Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco.

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

Esta é a cara do próximo Mustang

Ah, a velha arte de guardar segredos… há quanto tempo já se perdeu? Com a atenção transformada na grande moeda internacional destes nossos tempos, nada escapa dos olhos que tudo veem. Na mesma semana em que o interior do novo Mustang foi flagrado, ainda coberta pelas capas que deveriam resguardá-lo das lentes curiosas, a dianteira do carro também acabou “vazada” como se fosse água em uma garrafa furada. Uma não, duas.

Porque foram duas fotos diferentes que ganharam a atenção do público. A primeira parece ter sido fotografada de uma tela de computador e parece mostrar uma ilustração realista — talvez até um modelo para games, quem sabe? A outra é mais precisa, e mostra a foto do carro camuflado, porém sem a camuflagem da dianteira, porém com todo o restante da carroceria coberto. Somente retrovisores e rodas aparecem além da face do carro. As fotos foram divulgadas no fórum Mustang7g e no Ford Authority, respectivamente.

Considerando as rodas dos modelos flagrados em teste e das imagens vazadas, fica claro que estamos vendo duas versões diferentes do Mustang — um mais comportada, com rodas menores e pneus de perfil mais alto, e outra mais radical, com rodas maiores e tomadas de ar mais agressivas. O que podemos dizer do visual? Que ele está muito evolutivo, para usar uma palavra da moda quando um carro não muda muito. Nos parece claro que a Ford está adotando a receita da Porsche com o 911, trabalhando com base no visual clássico do modelo e adaptando-o para as tendências de design mais modernas.

É por isso que ele tem elementos geométricos, como a grade hexagonal e um corte plano na transição do capô para a face, mantendo as proporções tradicionais da carroceria — o teto mais abaulado (ao menos na imagem da tela) até remete aos Mustang de quarta geração, aqueles que vieram aos montes para o Brasil nos anos 1990, sabe?

O que ele terá sob seu longo capô, contudo, ainda é incógnito. No ano passado um engenheiro da Ford deixou escapar em seu currículo no Linkedin que trabalhou com powertrains híbridos e elétricos no projeto S650, que é o código interno da Ford para o próximo Mustang. Contudo, uma outra fonte ligada à marca nos relatou que não há previsão de uso de baterias no próximo Mustang. O que é certo: ele terá o motor 2.3 turbo e o V8 de cinco litros da atual geração. Se eles serão combinados a um motor elétrico de 48 volts ensanduichado pelo câmbio e pelo bloco, isso é provável, mas ainda não podemos cravar. (Leo Contesini)

 

Kwid e Toro ficam mais caros – não há mais carros zero-km por menos de R$ 60.000 no Brasil

Pois é, já se passaram quase 30 anos desde que você comprava um carro popular com US$ 7.000. Muita gasolina correu nestas linhas durante este tempo, tivemos algumas crises globais, uma pandemia, algumas guerras no leste europeu e, claro, todo mundo sofreu com a inflação em maior ou menor grau. Até mesmo aqueles US$ 7.000 de 1993, que hoje equivalem a, mais ou menos, US$ 14.000 (sim, até os EUA tiveram 100% de inflação em 30 anos).

É por isso que não dá para esperar que um carro de entrada volte a custar R$ 35.000 — a menos que você faça o Real voltar a valer US$ 0,40, o que exige um pouco de boas intenções da classe política. E segundo as pesquisas mais recentes, os políticos são a categoria profissional menos confiável em todo o mundo. Acho que a conta não fecha.

Além disso, estamos passando por um momento muito peculiar na história do automóvel e da economia. Nunca fábricas foram fechadas tanto tempo, reduzindo a atividade industrial global a quase zero, nunca também o consumo foi tão reduzido e essa conjunção de fatores levou a termos uma inflação e uma bolha ao mesmo tempo — o que normalmente é causado por um negócio chamado “estagflação”. Mas isso é papo para outro site.

O que interessa aqui é que a Renault reajustou os preços do Kwid, que era o carro mais barato do Brasil e o único que custava menos de R$ 60.000. Mas com um suave aumento que levou seu preço aos R$ 61.090, ele ficou apenas R$ 900 mais barato que o Mobi, e já quebrou a barreira dos R$ 60.000 em sua versão de entrada, a Zen. O Kwid Intense também subiu, passando de R$ 64.190 para R$ 65.190. O mesmo aumento de R$ 1.000 foi imposto ao Kwid Outsider, que foi dos R$ 67.690 para R$ 68.690.

A título de curiosidade, os R$ 61.090 cobrados pelo Kwid equivalem a US$ 13.000, que é aproximadamente o valor do carro de entrada em 1993, considerando a inflação do dólar. A economia funciona assim mesmo.

Quem também subiu foi a Fiat Toro, que acaba dando uma força para a Renault Oroch nesse primeiro momento de renovação. A picape da Fiat agora parte de R$ 138.390 na versão Endurance, de entrada, enquanto a Freedom subiu R$3.685 para custar R$ 149.690 — o que dá cerca de R$ 13.000 de diferença para a Oroch equivalente — e a Volcano, que não concorre com a Oroch, subiu R$ 4.026, partindo de R$ 163.790. (Leo Contesini)

 

Ferrari mostra teaser do 296 GTS

Totalmente esperado. No 296 GTB atual, mais que apenas o nome remete ao Dino original, o 246 GTB/GTS. Parecia claro que uma versão Spider, na verdade um targa como o Dino, estava nos planos da Ferrari. A empresa prometeu um lançamento para este mês, e ontem soltou um teaser: parece que será mesmo o 296 GTS.

As linhas da carroceria destacadas no teaser combinam com as da traseira do 296 GTB. No entanto, pelo que mostram as linhas, o carro parece justamente um conversível. Certamente o 296 GTS manterá a cara do GTB praticamente inalterada, a maioria das mudanças na parte traseira para acomodar a capota rígida dobrável.

Também parece claro que o conversível usará o mesmo V6 de 3,0 litros biturbo, com auxílio elétrico, que produz uma potência combinada de 818 cv. O 296 GTS também deve manter os impressionantes números de desempenho do cupê, que pode atingir 100 km/h em apenas 2,9 segundos.

O Ferrari 296 GTB

A data marcada para o lançamento é 19 de abril, de acordo com o post no Facebook do teaser, muito antes de vermos outro modelo da Ferrari estrear este ano – o Purosangue. Entre os dois, o mais simples e esperado é o GTS; ainda assim, é o que mais nos interessa. (MAO)

 

Caton oferece Austin-Healey 100/4 zero km.

Donald Healey, dizem, sabia como fazer um carro esporte. Começav sempre pela posição de dirigir, e desenhava todo o resto a partir dela. Apesar de ser um fabricante independente, uma joint venture com a Austin o tornou um produtor de alto volume: o Austin-Healey é um dos mais amados dos famosos carros esporte baratos da Inglaterra nos anos 1950 e 1960.

Agora, se você quer reviver est fantástico veículo, mas não suporta coisa velha, não se aflija! A Caton inglesa tem a solução para você. Anunciou que vai fazer 25 unidades de um roadster baseado no 100/4 BN1 o mais amado e desejado dos Austin Healey, corrente de 1953 a 1955.

Este Austin Healey moderno vem com um motor de quatro cilindros e 2954cc que produz 185 cv e 26,7 mkgf. Construído a partir de um bloco Austin Healey original, o motor é aliviado, balanceado e equipado com um novo virabrequim de aço forjado, pistões de alta compressão, comando bravo e dois carburadores duplos SU H8. O escapamento é mínimo e sai pela lateral. Para lidar com o desempenho extra, a Caton instalou uma nova transmissão manual de cinco marchas e atualizou os eixos de transmissão, enquanto a suspensão em si é completamente reconstruída, com uma dianteira de duplo A e molas helicoidais e a traseira de 5 links, mas com feixes de mola.

O pára-brisas fica um pouco mais alto agora para proteção adicional contra o vento, mas não há capota alguma: um roadster clássico. Nada de aquecimento ou rádio também, mas pelo menos a caixa de pedal reconfigurada melhora a posição de dirigir.

Os freios são por discos modernos, e as rodas, de liga leve Borrani pretas com um design de época correto, e pneus Michelin de aparência retrô. A Caton explica que foram necessárias 2.000 horas para concluir o primeiro protótipo, já que praticamente tudo foi revisado. Não é exatamente um carro para o dia a dia; mas deve ser sensacional na hora e lugar certos.

Como você pode imaginar, não será barato. A empresa pede £ 474.000 (incluindo o carro doador) para reproduzir este carrinho antigo zero km. O renascido Austin Healey celebrará sua estreia pública no Salon Privé London, programado para ocorrer de 21 a 23 de abril. (MAO)

 

Este é o novo BMW X7

O que vocês podem ver aqui é a versão moderna do BMW Série 7. Sim, o sedã Série 7 ainda existe, mas é irrelevante: este é o futuro do topo de linha da BMW. E acaba de ser lançado uma nova geração dele.

O BMW X7 é o maior, mais ousado e mais vendido SUV da BMW. Para 2023, os designers da BMW ajustaram o X7, dando-lhe uma dianteira mais esportiva, pequenas atualizações na traseira, potência extra e uma cabine renovada com a mais recente e melhor tecnologia disponível. A frente traz mais uma nova controvérsia: a nova paixão mundial dos designers, a frente de olhos bem fininhos. Esta configuração de iluminação dupla será a nova frente da BMW, eventualmente chegando aos sedãs elétricos i7 e Série 7, entre outros.

O novo X7 ainda oferece os mesmos dois deslocamentos do motor do ano passado: um seis cilindros em linha básico de 3,0 litros e um V8 de 4,4 litros com turbo duplo opcional. Mas agora, ambos os motores recebem uma assistência híbrida leve de 48 volts. O seis em linha foi melhorado significativamente com um aumento de 40 cv, para um total de 375 cv Com isso, o mastodôntico X7 xDrive40i, o básico da linha, agora pode atingir 96 km/h em 5,6 segundos. Barrabás.

O V8 twin-turbo ainda tem os mesmos 523 cv, o suficiente para impulsionar o modelo M60i para 96 km/h em 4,5 segundos. E no topo da faixa, o Alpina XB7, com 630 cv, faz a mesma prova em 4,0 segundos cravados, a caminho de uma velocidade máxima limitada de 290 km/h. Todas as versões do X7 para 2023 também apresentam uma nova transmissão automática de oito velocidades. Sim vivemos numa época que um ônibus de duas toneladas e meia e sete lugares pode facilmente chegar a 290 km/h. Sensacional.

Só não vai ser barato, claro: o X7 xDrive40i começa nos EUA em US $ 78.845 O mais forte X7 M60i, por sua vez, custa US$ 104.095. (MAO)

 


Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicos, histórias de carros e pilotos, avaliações e muito mais!

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: 30% OFF na loja durante a 3ª temporada do Goodguys, acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, participação no nosso grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!). Exponha ou anuncie até sete carros no GT40 e ainda ganhe descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$ 26,90 / mês

ou

Ganhe R$ 53,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura básico. 15% OFF na loja durante a 3ª temporada do Goodguys, acesse todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de poder expor ou anunciar até três carros no GT402.

R$ 14,90 / mês

ou

Ganhe R$ 29,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

ESTA Chevy GMC 500 2.0 16V Turbo
PODE SER SUA!

Clique aqui e veja como