A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture FlatOut Revival

A história e a evolução das placas de carro do Brasil

Demorou, mas o sistema de placas de registro de veículos mudou mais uma vez no Brasil. A renovação depois de 30 anos não tem tanto a ver com o fim das combinações, como a anterior, mas sim com a formação de um cadastro integrado para todos os países do Mercosul, inspirado no sistema da União Europeia. Esta foi a quinta vez que o modelo das placas muda no Brasil desde 1901, quando foi criado o primeiro sistema nacional — o que significa que um Ford T 1916 que foi mantido sempre licenciado nesses 100 anos teve ao menos quatro placas diferentes. Isso se ele foi registrado sempre na mesma cidade, pois no passado o emplacamento já foi municipal e, depois, estadual, antes de ter um registro nacional. Para entender melhor esse troca-troca brasileiro, veremos a seguir os detalhes de cada um dos cinco sistemas de placas de veículos adotados por aqui.   O primeiro sistema: as placas pretas - 1901 a 1941 O primeiro sistema de placas brasileiras foi usado por 40 anos, entre 1901

Matérias relacionadas

O Honda Prelude de tração traseira (!) e motor Cosworth que arrepiou no Reino Unido

Dalmo Hernandes

“Seu Ford Modelo T pode ter qualquer cor, desde que seja preto”. Será mesmo?

Dalmo Hernandes

Que carro você compraria por até R$ 20 mil?

Dalmo Hernandes