A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Carros Antigos

Bentley Corniche: o conceito que bateu, capotou e foi bombardeado na Guerra está de volta à vida

Antigamente, as fabricantes de automóveis não davam muita importância à preservação de seu legado para as futuras gerações. Inúmeros carros-conceito do passado, por exemplo, apodreceram em galpões, foram vendidos a preço de banana ou simplesmente destruídos. Eles já haviam cumprido seu propósito e eram considerados peso-morto.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Algo assim é inimaginável nos dias de hoje – muitas companhias, como a Volkswagen, a Fiat e a Porsche, mantém acervos cuidadosamente catalogados e muito bem cuidados, com equipes especializadas vêm se dedicando a rastrear e recuperar modelos relevantes em sua história. E, de vez em quando, carros com histórias verdadeiramente marcantes retornam à vida.

É o caso do Bentley Corniche, um protótipo de 1939 que foi destruído não uma, não duas, mas três vezes – e agora, 80 anos depois de sua estreia, acaba de ser restaurado pelas mãos da Mulliner Coachbuilding, a encarroçadora oficial da Bentley. “Restaurado”, aliás, não é o termo mais adequado – mais apropriado é dizer que o Corniche foi reconstruído. Afinal, depois que o carro foi destruído pela última vez, não sobrou nada além do chassi.

Esta história começa com a ideia de transformar o sedã Mark V em um carro mais esportivo. Lançado naquele mesmo 1939, pouco antes do início da Segunda Guerra Mundial, o Mark V era uma evolução do Bentley 3.5-Litre, modelo apresentado em 1933. A carroceria era bem parecida, mas o chassi era modificado para ficar mais rígido, e a suspensão dianteira era diferente – em vez do feixe de molas semi-elípticas, herança da Rolls-Royce, o Mark V tinha um sistema independente por braços triangulares sobrepostos que era bem avançado para a época.

 

Foram feitos 11 exemplares entre 1931 e 1941 – o período para encomendas foi bem curto porque, com a Guerra, a Bentley precisou dedicar-se mais à produção de equipamentos militares do que à fabricação de automóveis. E foi justamente por causa da Guerra que o Corniche, sua versão com carroceria aerodinâmica, perdeu sua chance de existir.

O Bentley Corniche tinha a mesma mecânica do Mark V – que, por sinal, já era excelente. O motor de seis cilindros em linha e 4,5 litros (cuja potência não era revelada pela fabricante) era acoplado a uma transmissão manual de quatro marchas, e o Corniche era capaz de atingir os 180 km/h no oval do antigo circuito de Brooklands. Era um desempenho mais que considerável para um carro do fim dos anos 1930.

Ajudavam nisso a carroceria, que sofria menos arrasto aerodinâmico, e o chassi mais leve graças ao uso de alumínio em maior proporção. Foram feitos dois chassis, mas só um deles recebeu a nova carroceria – que tinha um caimento mais suave no teto, um vão menor entre os para-lamas e a porção central do carro, e um bico mais afilado. Os faróis eram integrados à face dianteira, coisa que não acontecia no Mark V, e tinham formato de gota invertida, com um terceiro farol auxiliar próximo do para-choque. Já o interior era praticamente idêntico ao do MkV, com acabamento em madeira de lei, embora o espaço no banco traseiro fosse um pouco menor.

Depois dos testes em Brooklands, que era onde a Bentley colocava todos os seus carros para acelerar, o Corniche foi levado para Chateauroux, na França – onde a fabricante queria verificar o comportamento do carro em ruas e estradas do mundo real. E foi aí que aconteceu a primeira grande tragédia na história do carro: ele foi atingido por um ônibus, e imediatamente enviado de volta para a encarroçadora mais próxima – a Vanvooren, que ficava em Paris – para ser consertado. Por sorte, foram apenas danos cosméticos, e em pouco tempo o Corniche estava em ótima forma outra vez.

Mas certas coisas estão fadadas a não dar certo. No dia 8 de agosto de 1939 – sim, exatos 80 anos atrás – um dos pilotos de testes da Bentley foi buscar o carro em Paris para levá-lo de volta a Chateauroux. Ele não conseguiu nem chegar lá: no meio do caminho, debaixo de chuva, ele levou uma fechada e, ao desviar do infeliz, acertou uma árvore e tombou.

O condutor saiu ileso, mas o carro ficou com a dianteira toda destruída, o chassi danificado e a lateral dianteira muito amassada. Foi a segunda tragédia – e a única a ser documentada.

A partir daí, testar o carro sequer era uma preocupação: a Bentley estava se preparando para exibir o Corniche no circuito europeu de Salões do Automóvel, primeiro no Reino Unido, depois na França.

No entanto, em 3 setembro, tudo mudou – naquele dia, oficialmente, começou a Segunda Guerra Mundial, e todos os planos foram cancelados, incluindo os Salões de Londres e Paris. A Bentley decidiu, então, seguir lentamente com a recuperação do carro, na medida do possível, separando a carroceria do chassi – que foi levado de volta para a fábrica da Bentley, na Inglaterra, enquanto o restante do ficou na França. De qualquer jeito, o carro teria de esperar até o fim do conflito para ser apresentado ao público…

A carroceria ficou pronta em maio de 1940 e, poucos dias depois, enviada de volta para a Inglaterra de balsa. E aí começaram os problemas: primeiro, o carro ficou retido por questões burocráticas na alfândega de Dieppe, cidade do litoral francês. Inicialmente, seriam alguns dias, que se tornaram semanas, e depois meses e meses. Então, em agosto (novamente) de 1942, Dieppe foi bombardeada. O depósito da alfândega foi completamente arrasado e, com ele, a carroceria do Bentley Corniche.

Foi em 2009, setenta anos depois dos incidentes, que o departamento de clássicos da Rolls-Royce, na cidade de Derby, recuperou o chassi que sobrou (o outro, acredita-se, já não existe mais) e começou a fazer uma carroceria nova com a ajuda da encarroçadora britânica Ashley & James. O trabalho foi todo feito de forma artesanal, usando apenas fotos como referências – os esquemas técnicos já não existem mais. O trabalho foi concluído na Mulliner Coachbuilding, que atua como encarroçadora “sob encomenda” para a Bentley. Só agora o Corniche ficou pronto e, enfim, será mostrado para o público.

Por enquanto, o Bentley Corniche apenas posou para uma sessão de fotos. No entanto, daqui a um mês ele será um dos destaques do Salon Privé, evento voltado a carros clássicos de luxo realizado no Palácio de Blenheim, no Reino Unido. De lá, certamente será levado com todo o cuidado para a sede da Bentley… onde deverá ficar bem longe de ônibus, árvores e bombardeiros.

Matérias relacionadas

A diversidade e a união da cultura automotiva secreta do Havaí

Dalmo Hernandes

Canepa: a concessionária, oficina, equipe de corrida e preparadora que mais entende de Porsche no planeta

Dalmo Hernandes

Este BMW M5 E39 é prova que um BMW M pode ser um belo sleeper

Renato Bellote