A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture História

Bricklin SV-1: a história do desconhecido “DeLorean canadense”

A história do DeLorean DMC-12 voltou a ficar em evidência nas últimas semanas com o anúncio de um documentário dramatizado a respeito de seu criador, John DeLorean, com Alec Baldwin no papel principal. O DeLorean tinha um desenho inovador e futurista, com motor traseiro, portas asa de gaivota e carroceria de aço escovado sem pintura, mas também era um carro pesado, lento e cheio de problemas.

Somando a tudo isto o escândalo de John DeLorean com o FBI, que o investigou por tráfico de cocaína, o DeLorean tornou-se um símbolo da ambição e da decadência da década de 1980. E, ainda assim, se tornou um ícone.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Existe, porém, outro esportivo de origem norte-americana com portas asa-de-gaivota e carroceria em forma de cunha, que usava materiais exóticos na carroceria e teve sua trajetória abreviada sob circunstâncias obscuras: o Bricklin SV-1. E tudo aconteceu entre 1974 e 1976, anos antes do DeLorean.

O Bricklin SV-1 foi idealizado no início da década de 1970, por um empresário americano chamado Malcolm Bricklin. A ideia era familiar: dar aos norte-americanos um carro esportivo de moderno, inovador e de alto desempenho, que oferecesse uma alternativa mais patriota aos esportivos importados que começaram a invadir os Estados Unidos naquela época. O que era irônico, pois, nos anos 1960, Bricklin havia sido um dos responsáveis por trazer a Subaru para este lado do Atlântico, importando o minúsculo Subaru 360.

O detalhe era que, embora sua intenção fosse vender o esportivo nos EUA, Bricklin firmou um acordo com o governo da província de New Brunswick, na costa leste do Canadá. A região estava sofrendo com a falta de empregos na década de 1970 – o índice de desemprego chegava aos 25% – e uma fabricante de automóveis realmente poderia ajudar a melhorar a situação. O primeiro-ministro de New Brunswick, o Richard Hatfield, cedeu inicialmente US$ 4,5 milhões para ajudar a financiar a produção do carro, em troca da geração de empregos para a população da província.

Malcolm Bricklin queria que o carro fosse estiloso, acessível e seguro – uma equação difícil de fechar, ainda mais na década de 1970. Em sua visão, a receita ideal para isto era um esportivo de motor dianteiro e tração traseira, com carroceria em forma de cunha de fibra de vidro e portas asa de gaivota. O chassi era do tipo perimetral, porém incorporava as colunas e os suportes para as portas, como seria em um monobloco. O projeto do chassi teve o envolvimento do próprio Bricklin, e também de Bruce Meyers (criador do buggy de praia Meyers Manx) e do engenheiro Marshal Hobbart, enquanto o primeiro protótipo foi construído pelo customizador Dick Dean.

O protótipo, batizado Grey Ghost por sua pintura cinza, era movido por um seis-em-linha da Chrysler. A versão de produção era movida, inicialmente por um V8 AMC de 5,9 litros, com carburador de corpo quádruplo e 220 cv, além de 43,5 kgfm de torque, acoplado a uma caixa manual de quatro marchas ou automática de três marchas. Posteriormente foi adotado um V8 Windsor da Ford, com 5,8 litros, 177 cv e 39,5 kgfm de torque, apenas com câmbio automático de três marchas.

O carro foi lançado em 1974. Seu nome, SV-1, vinha de Safety Vehicle One. Sua estrutura contava com zonas de absorção de impacto e para-choques retráteis (como todos os carros norte-americanos lançados a partir de 1973), enquanto a estrutura das colunas formava uma gaiola para proteger os ocupantes em caso de capotamento. Por conta disto, mesmo com a carroceria de fibra de vidro, o Bricklin SV-1 era pesado, com 1.597 kg em ordem de marcha. O carro tinha 4.536 mm de comprimento, 1.717 mm de largura, 1.226 mm de altura e 2.438 mm de entre-eixos.

Diversos componentes do carro vinham de outras companhias: a coluna de direção ajustável era da Chevrolet, os freios eram da Opel, e as lanternas traseiras eram exatamente as mesmas do De Tomaso Pantera – que, por sua vez, as pegou emprestadas do Alfa Romeo 2000. A suspensão tinha braços triangulares sobrepostos na dianteira e eixo rígido com feixes de molas semi-elípticas na traseira.

Certamente, porém, sua característica mais marcante eram as portas asa-de-gaivota. Elas eram equipadas com um sistema hidráulico controlado por botões no interior, e levavam 12 segundos para abrir ou fechar – além disso, cada uma pesava mais de 40 kg. O sistema era frágil e propenso a quebras, por usar apenas um cilindro, o que podia causar sobrecarga caso as duas portas fossem acionadas simultaneamente.

As portas temperamentais, aliás, eram apenas um problema do Bricklin SV-1. A carroceria de fibra de vidro usava um compósito especial pigmentado, o que dispensava a pintura e, tecnicamente, reduzia custos de fabricação. No entanto, o material mostrou-se instável sob variações intensas de temperatura, apresentando craquelamento e até mesmo rachaduras causadas pela radiação solar ultravioleta sobre as moléculas de poliéster da carroceria.

Como se não bastasse, o peso elevado e os motores relativamente fracos – dois V8 estrangulados após a Crise do Petróleo de 1973 – não davam ao Bricklin SV-1 o desempenho que se esperava de um esportivo com aquele design. Ele era capaz de ir de zero a 100 km/h em 9,9 segundos, com velocidade máxima entre 180 km/h e 200 km/h, dependendo da relação final de diferencial.

Em sua defesa, o Chevrolet Corvette (que era o outro esportivo com carroceria de fibra de vidro e motor V8 vendido nos EUA) tinha desempenho semelhante. Aqueles não eram tempos muito propícios para o segmento, de qualquer forma.

Mas não era só isto: o Bricklin SV-1 também sofria com problemas de controle de qualidade, com testes de eficácia duvidosa para eliminar partes defeituosas, e houve questões não esclarecidas quanto ao patrocínio do governo de New Brunswick – o primeiro-ministro acreditava que estava investindo apenas na fabricação do carro, quando na verdade o dinheiro foi usado para financiar o desenvolvimento do carro e também pagar os funcionários da Bricklin.

Ao longo dos anos, a Bricklin emprestou ainda mais dinheiro do governo – um total que fica entre US$ 21 milhões e US$ 23 milhões. Mesmo com 400 pontos de venda inaugurados nos Estados Unidos, e cerca de 40.000 encomendas, o Bricklin SV-1 deixou de ser financiado pela província de Saint John no fim de 1975, o que levou a companhia a pedir falência poucos meses depois. O dinheiro jamais foi devolvido.

O Bricklin SV-1 foi fabricado por três anos, entre 1974 e 1976, em uma fábrica construída na cidade de Saint John, no Canadá, especialmente para o modelo. Foram feitos por volta de 3.000 exemplares, e estima-se que ao menos metade deles tenha sobrevivido à passagem do tempo.

Diferentemente do DeLorean, porém, o Bricklin SV-1 não teve a ajuda de um blockbuster para conceder-lhe fama póstuma.

 

Matérias relacionadas

Carrera RSR 2.1 Turbo: este foi o primeiro Porsche 911 de corrida turbinado da história

Dalmo Hernandes

Adicione leveza: os exemplos mais radicais de redução de peso nos carros

Leonardo Contesini

Tour de Corse, 1986: o rali que marcou o fim do Grupo B – e mudou a história do WRC

Dalmo Hernandes