A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Como três funcionários da Porsche encontram peças falsificadas no mundo todo

Você deve saber que fabricantes de esportivos exóticos e exclusivos (leia-se: Ferrari e Lamborghini, principalmente) se preocupam bastante em encontrar e deter empresas – grandes ou pequenas – que fabricam réplicas – perfeitas ou mal feitas – de seus modelos. Volta em meia correm notícias de processos e apreensões contra este tipo de companhia.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

A Porsche, contudo, não parece ser tão rígida – nós nunca ouvimos falar de ações do pessoal de Stuttgart contra construtores de réplicas do Porsche 356 ou do 550 Spyder, por exemplo. No entanto, o mesmo não pode ser dito de peças de Porsche falsificadas: a companhia mantém uma operação altamente especializada, para rastrear e apreender fabricantes de componentes “piratas”, por assim dizer.

São apenas três pessoas, todas trabalhando no mesmo escritório em Zuffenhausen, no QG da Porsche – os advogados Andreas Kirchgäßner, Thomas Fischer e Micaela Stoiber (da esquerda para a direita na foto acima), que chefiam o departamento de Proteção de Marca. É exagero (e até injusto), porém, dizer que os três trabalham sozinhos: sua função é coordenar o trabalho de toda uma cadeia de funcionários, que operam em campo e ajudam a rastrear pontos de fabricação e armazenamento de itens falsificados… e apreender tudo. Três equipes de investigadores operam em escala global, coletando informações em campo e, por vezes, até atuando como “espiões”, infiltrando-se como possíveis compradores para, no fim, tirarem os produtos de circulação.

A principal preocupação da equipe são as peças – discos e pinças de freio, rodas, faróis e lanternas. Estes componentes falsificados não passam pelos mesmos testes de qualidade rígidos realizados pela Porsche e, obviamente, podem comprometer o funcionamento do veículo e colocar a segurança de seus ocupantes em risco. Especialmente porque boa parte da demanda concentra-se em componentes de desgaste natural, que precisam ser substituídos com mais frequência.

No entanto, a oferta de produtos falsificados é extensa, e inclui também itens supostamente “licenciados” – bonés, camisetas, óculos escuros, e até algumas coisas bizarras, como pílulas para disfunção erétil (sim, tipo Viagra) no formato do emblema da Porsche.

De acordo com a Porsche, a maioria dos componentes falsificados vem da China – cerca de 80% dos itens. A cidade de Shenzhen, que fica a cerca de 100 km de Hong Kong, é um dos pólos de falsificação. O trio de advogados vai até lá várias vezes por ano para operações de busca e apreensão. Só em 2018, 200.000 itens foram encontrados, com valor estimado em € 60 milhões. Destes 200.000, cerca de 33.000 eram peças de carros.

No caso da China, a Porsche opera em conjunto com a alfândega local, devido ao alto volume de peças falsificadas apreendidas todos os anos. Quando suspeitam de algo, os funcionários da alfândega entram em contato com a Porsche, que passa a investigar. Primeiro, eles encontram o importador ou distribuidor, mas a prioridade sempre é chegar à fonte. Quando a fábrica é descoberta, quem assume o caso são as autoridades daquela região.

Segundo Thomas, a forma de fabricação varia bastante: há fabriquetas que operam nos fundos de casas na zona rural, e existem fábricas realmente grandes, com centenas de funcionários. E isto faz com que a dificuldade em identificar uma peça valsa varie bastante. “Às vezes a falsificação é bem óbvia”, diz Michaela. “O produto em questão pode ser bem mais barato que o normal, ou com o emblema da Porsche copiado de um jeito porco. Às vezes a gente encontra um animal diferente no centro da logo. Por exemplo, em vez do cavalo da Porsche, pode ser um carneiro empinando sobre as patas traseiras”.

Quando a falsificação é muito boa, porém, sua identificação pode ser difícil até para um especialista. É por isso que outros setores da Porsche acabam se envolvendo no trabalho de proteção da marca. “Somos gratos pela assistência dos nossos colegas dos setores de compras, pós-venda, logística, licenciamento de produtos, e também da Porsche Classic, principalmente quando se trata de peças, relógios e óculos”, diz Thomas.

Ele também explica que, às vezes, a falsificação é tão perfeita que examinar apenas o item em si não é suficiente para determinar sua autenticidade. Então, é preciso procurar pistas na embalagem – por exemplo, em vez de Kontrollierte Qualität (“Qualidade Controlada” em alemão), uma peça pode trazer a frase Kontrolllerte Qualitat – e entregar a verdadeira identidade daquele volante, calotinha central ou filtro de ar que, fora isto, passaria perfeitamente por um componente genuíno.

Boa parte das falsificações é vendida pela internet, em sites como Aliexpress e eBay, bastante populares por causa dos preços mais baixos – nós, aliás, já explicamos aqui no FlatOut porque isso é um perigo, apesar da aparente vantagem para o bolso. Antes da popularização do e-commerce, era mais fácil apreender grandes lotes de peças falsificadas nos portos, antes de serem distribuídas para as lojas físicas. Hoje, é preciso manter a vigilância menos concentrada, pois muitas peças são enviadas pelo correio em pacotes individuais – o que dificulta apreensões em grande volume.

“É como rastrear traficantes de drogas”, diz Andreas. “Eles estão sempre procurando novos métodos para não serem pegos, e os investigadores estão sempre na cola deles. Como equipe, precisamos ser flexíveis e nos adaptar a novas estratégias adotadas pelos falsificadores.”

Matérias relacionadas

Quando a Volkswagen levou um Golf Mk2 com dois motores para subir Pikes Peak

Dalmo Hernandes

Bandeiras, bolas de golfe e excrementos: tudo o que a humanidade já deixou na Lua

Dalmo Hernandes

Meus 10 carros zero-quilômetro favoritos de até R$ 100.000

Marco Antônio Oliveira