FlatOut!
Image default
Car Culture Notícias

Como o Ever Given foi desencalhado do Canal de Suez?

Já calejado por notícias ruins, o mundo assistiu ao encalhamento do Ever Given e o consequente bloqueio do Canal de Suez – também conhecido como “o canal mais importante do mundo em rotas comerciais e o único que realmente não poderia ser bloqueado de forma alguma” – com um misto de preocupação e divertimento. À parte da preocupação real com o impacto do bloqueio na logística global, centenas de memes foram feitos com a situação. Que é mesmo cômica, à parte de toda a tragédia.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: 30% OFF na loja, acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, participação no nosso grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!). Exponha ou anuncie até sete carros no GT40 e ainda ganhe descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$ 26,90 / mês

ou

Ganhe R$ 53,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura básico. 15% OFF na loja, acesse todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de poder expor ou anunciar até três carros no GT402.

R$ 14,90 / mês

ou

Ganhe R$ 29,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Porém, o show acabou – ou está perto de acabar. Isto porque o Ever Given finalmente foi desencalhado nas primeiras horas da manhã de ontem (29) e, exatamente às 15:05 no horário local (10:05 da manhã por aqui), foi colocado em movimento novamente – seis dias e algumas horas depois de encalhar. Não apenas o Ever Given, mas cerca de 360 outras embarcações congestionadas no Canal de Suez puderam seguir viagem.

Mas como isto foi feito? E por que uma operação relativamente simples demorou tanto? Calma: temos respostas.

Como você deve ter imaginado, a operação envolveu principalmente o uso de escavadeiras e rebocadores. As escavadeiras foram utilizadas para, bem, cavar ao redor do casco do navio, tanto na proa quanto na popa, para liberar espaço nas margens do canal e permitir que o se pudesse “manobrar” o cargueiro enquanto os rebocadores o puxavam.

Não é difícil entender por que o Ever Given ficou preso no Canal de Suez. Em seu ponto mais largo, o curso d’água tem pouco mais de 200 metros de largura, enquanto o cargueiro tem 399,8 metros de comprimento – quase o dobro. A profundidade do navio (a distância entre o nível da água e o ponto mais baixo do casco), de 15 metros, é considerada segura para atravessar o canal, bem como seus 60 metros de largura. Mas, por conta do enorme comprimento, qualquer desvio de curso poderia causar problemas. E foi exatamente o que aconteceu quando fortes ventos laterais atingiram o Ever Given e o condutor não foi capaz de corrigir sua rota.

O enorme peso do navio – 224.000 toneladas (ou 224.000.000 kg) – garantiu que a proa e popa do barco se enterrassem firmemente nas margens. Então, naturalmente, o trabalho começou com a escavação da areia em volta do casco. Escavadeiras trabalharam dia e noite ao longo de seis dias, removendo mais de 30.000 metros cúbicos de areia.

No início, a prioridade foi escavar a areia ao redor da proa, de modo a liberar espaço para que o Ever Given se deslocasse para a frente – consequentemente, liberando a popa ao mesmo tempo. Não existe solução mágica: o tamanho das escavadeiras comparadas ao navio dá uma ideia do volume de areia que teve de ser removida – e essas coisas demoram.

Ao mesmo tempo em que as escavadeiras removiam a areia da margem, dragas ajudavam a remover areia do fundo do canal onde a proa do barco estava alojada, complementando o trabalho feito na superfície. Algumas dragas utilizam uma garra subterrânera para remover os sedimentos e despejá-lo nas margens. Nesta operação, porém, uma draga especial de sucção – que já opera normalmente no Canal de Suez para mantê-lo sempre na profundidade ideal – foi utilizada para acelerar o processo. A draga de sucção utiliza bombas a vácuo para sugar os sedimentos e os despeja por um sistema de dutos, e é capaz de deslocar 2.000 m² de material por hora.

Abrir caminho para que o Ever Given pudesse se mover era só metade do trabalho – também era preciso… movê-lo, claro. E, para isto, foram utilizados rebocadores – 14 deles ao todo. De um lado, barcos presos por cabos puxavam a proa do cargueiro em sentido anti-horário e empurravam a proa em sentido horário, fazendo assim o barco “esterçar” para a esquerda. Do outro lado, acontecia o oposto: os rebocadores se posicionavam paralelamente ao casco e empuravam a proa ao mesmo tempo em que outros, presos por cabos, puxavam a proa. No total, 14 navios rebocadores foram utilizados para manobrar o navio no espaço recém-aberto. Por precaução, navios grandes como o Ever Given possuem pontos de ancoragem reforçados no casco, especialmente para que se possa usar rebocadores nestas situações.

O processo foi repetido ao longo de uma semana, dia e noite, ininterruptamente. Na noite de domingo a força-tarefa conseguiu desencalhar a popa do Ever Given, e a proa foi desencalhada na manhã de segunda-feira. O processo de “endireitamento” do navio seguiu até as 15:05 no horário local (10:05 no Brasil), quando o Ever Given foi declarado livre e capaz de mover-se por conta própria novamente.
Segundo as autoridades envolvidas no desencalhe do cargueiro, a lua cheia e a maré alta ajudaram, pois a profundidade do Canal de Suez aumentou levemente e facilitou o trabalho dos rebocadores.

Assim que o Ever Given foi colocado em movimento novamente, foi realizada uma análise da integridade do leito do canal a fim de determinar se era seguro retomar o tráfego de embarcações pela via. Às 19h, a passagem de navios foi liberada. O Canal de Suez opera normalmente agora.

E se não desse certo? O uso de rebocadores, escavadeiras e dragas era o plano A, mas havia ao menos uma alternativa: reduzir o peso do Ever Given removendo sua carga e o combustível dos reservatórios. Era esta possibilidade que as autoridades egípcias consideravam quando disseram que o bloqueio da passagem poderia durar “semanas”.

Isto porque não é só ir removendo contêineres (20.000 deles, cada um com 20 pés de comprimento) usando um guindaste gigante: é preciso remover os contêineres corretos, pois retirá-los de forma indiscriminada poderia causar um desequilíbrio de massas e afundar o Ever Given – o que aumentaria exponencialmente a dificuldade para reabrir o Canal de Suez.


Leia mais

Ever Given: conheça o motor de 80.000 cv do barco encalhado no Canal de Suez