A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Como salvar um Porsche Cayman com o motor destruído? Colocando um V8 Ford nele, oras!

Com seu motor boxer central-traseiro, o Porsche Cayman consegue um centro de gravidade baixo e excelente distribuição de massas – características essenciais para seu ótimo comportamento dinâmico. Aliás, é amplamente aceito que, por natureza, o Porsche Cayman tem dinâmica superior à de um 911, que tem o motor atrás do eixo traseiro e, por isso, perde em estabilidade e equilíbrio nas curvas. Dizem até que a Porsche não explora ao máximo o potencial do Cayman e de seu irmão mais velho, o Boxster, a fim de não canibalizar o nine-eleven.

Claro que isto nunca impediu ninguém de dar ao Cayman mais potência – não é incomum que se turbine o flat-six, e a própria Porsche adotou os turbocompressores no modelo mais recente, com motor de quatro cilindros. Mas há quem vá mais longe.

Porsche-Cayman-with-a-Ford-5.0-L-Coyote-V8-04

Caras como Yu Fang, o dono deste Porsche Cayman S 2006. A exemplo de muitos donos de driver’s cars, ele participava de track days com o carro sempre que possível. Até que, em um evento pouco mais de um ano, ele acabou danificando o motor do carro sem chance de recuperação. Só um motor novo daria jeito.

Porsche-Cayman-with-a-Ford-5.0-L-Coyote-V8-08

Fang então entrou em contato com a oficina Limitless Motorworks, que fica em Miami, a fim de descolar um novo flat-six – que, no caso do Cayman S fabricado entre 2005 e 2008, tem 3,4 litros e é capaz de entregar 295 cv e 34,7 mkgf de torque. Não foi difícil encontrar um… o problema era pagar por ele: o preço era de US$ 15.000, ou o equivalente a R$ 50 mil em conversão direta. Parece pouco para um americano, mas estamos falando de 50% do valor de mercado do carro.

Buscando alternativas, Fang e a Limitless chegaram aos V8 americanos: baratos, potentes e de adaptação relativamente simples em uma grande variedade de carros. Um amigo de Fang sugeriu o velho conhecido V8 small block LS da Chevrolet – ele próprio tinha um BMW M3 E36 com um V8 LS3 –, mas Fang optou por um motor rival: o V8 Aluminator da Ford.

Porsche-Cayman-with-a-Ford-5.0-L-Coyote-V8-14

Vendido novo como crate engine pela própria Ford Performance, o V8 Coyote Aluminator NA tem pistões forjados Mahle, bielas Manley, virabrequim forjado e taxa de compressão de 11,0:1. Feito sob medida para o Ford Mustang, o V8 Aluminator promete entregar “mais de 440 cv e 55 mkgf de torque” direto da caixa e, para facilitar as coisas, é possível incluir no pedido o chicote e toda a eletrônica necessária para que tudo funcione com precisão em virtualmente qualquer projeto.

E tem mais um detalhe bacana: cada motor é montado à mão por um único engenheiro, que tem seu nome e assinatura estampados em uma plaqueta. Com construção toda em alumínio e duplo comando de válvulas no cabeçote, o Coyote também é um dos mais modernos e compactos motores V8 modernos que se pode comprar atualmente.

Fang achou a escolha mais apropriada porque o motor boxer do Cayman é bastante baixo, o que deixa o centro de gravidade mais próximo do chão. O Coyote não é um motor tão alto quanto o LS da General motors. Com o centro de gravidade mais baixo, a dinâmica do carro é favorecida. Claro, o motor V8 fica mais alto que o flat-six, de qualquer jeito, mas com o motor da Ford a diferença é menor.

2016-Limitless-Cayman-GT-Brendon-IMG_9830

Foto: thecharisculture.com

Ainda assim, não foi uma adaptação simples: foi necessário construir novos suportes para o motor e para a transmissão (uma Porsche-Getrag G87, manual de seis marchas, adaptada com uma flange feita sob medida), além de reposicionar a parede corta-fogo. O motor V8 fica cerca de 10 centímetros mais avançado em direção à dianteira, e 5 centímetros mais baixo no cofre, o que acaba contribuindo também para melhorar a distribuição de massas.

Uma das questões importantes era como alimentar a admissão. A solução foi abrir mão do porta-malas para acomodar o filtro de ar e instalar o coletor de admissão do Ford Mustang Boss 302.

Porsche-Cayman-with-a-Ford-5.0-L-Coyote-V8-13

O motor é gerenciado por uma ECU Ford Racing, enquanto os sistemas eletrônicos do carro continuam sendo controlados pelo módulo original do Cayman. Também foi necessário fabricar um coletor de escape sob medida, a fim de encaixar os dutos no espaço que havia sobrado com o novo conjunto mecânico. Uma olhada por baixo do carro mostra o cuidado tomado com a adaptação.

O novo coletor de admissão e outros ajustes finos garantiram fôlego extra ao motor. Segundo aferido em dinamômetro, o Cayman S agora tem 430 cv e 50,3 mkgf de torque nas rodas. Considerando a perda de 15% que se costuma considerar para calcular a potência do motor, estamos falando de 500 cv e 58 mkgf de torque! Em outras palavras, quase o dobro da potência original. Claro, não são dados científicos, mas dá para ter uma ideia.

Porsche-Cayman-with-a-Ford-5.0-L-Coyote-V8-11

Fica ainda mais interessante se considerarmos que o carro só ficou 23 kg mais pesado que o original – de 1.358 kg para 1.381 kg. E ainda recebeu suspensão ajustável KW e um jogo de rodas CCW Corsair C2K de 18×10” na dianteira e 18×12” na traseira, calçadas com pneus Nitto NT05 de medidas 275/35 e 305/35, respectivamente.

As modificações internas se resumiram a um combo de volante, bancos e cintos de competição Sparco. O objetivo de Fang sempre foi ter um esportivo que fosse bom nas ruas e melhor ainda na pista. E, de acordo com o próprio, o acerto que a Limitless Motorworks fez no carro foi excelente. Ele diz que o carro parece ter vindo assim de fábrica. E a gente não duvida.

Porsche-Cayman-with-a-Ford-5.0-L-Coyote-V8-17

Mas calma lá. Até aí, tudo bem, e este parece um carro divertido. Mas é óbvio que, se você for mais purista, mesmo o Porsche Cayman, que não tem tanta tradição quanto o 911, deve ter um motor boxer Porsche e ponto final. E, considerando que o preço do Aluminator crate engine começa em US$ 10 mil (R$ 34,2 mil em conversão direta), Fang não economizou tanto assim. Ainda mais porque o motor foi preparado e adaptado, o que deve ter aumentado razoavelmente seu preço.

Não veríamos problema algum em acelerar este carro, sem dúvida. Se a gente faria algo parecido? Bem, vamos nos limitar a esta pequena observação: a pintura com as cores da Gulf Oil, na qual o Fang obviamente se inspirou, foram usadas tanto pelo Ford GT40 quanto pelo Porsche 917, duas lendas das 24 Horas de Le Mans. Seria uma forma de tentar apaziguar as coisas?

Matérias relacionadas

Dacia S2000: o Logan de 270 cv que quase correu no WRC

Dalmo Hernandes

Uma defesa do câmbio automático – e das assistências eletrônicas

Leonardo Contesini

V10: a história e a glória dos motores de dez cilindros – parte 1

Dalmo Hernandes