A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Desculpe, AMG: o motor 2.0 turbo mais potente do mundo ainda é o do Lancer Evo X FQ-440

Uma das notícias mais quentes do dia veio da Mercedes-AMG. A divisão esportiva da estrela de três pontas decidiu revelar a potência dos novos A45 e CLA45, a serem revelados muito em breve: 387 cv na versão “normal”, e 421 cv na versão S. Sim, mais de 400 cv em um motor 2.0 turbo, de quatro cilindros. Estamos mesmo vivendo no futuro, não é?

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

A Mercedes-AMG está bem orgulhosa do novo motor. E deveria estar, mesmo: a usina de força é completamente nova – a fabricante diz que só compartilha “algumas porcas e a parafusos” com o motor da geração passada – e tem potência específica de quase 211 cv por litro. Como todo motor AMG, ele será construído artesanalmente na fábrica da AMG em Affalterbach, seguindo a filosofia one man, one engine da empresa (ou seja, cada motor será feito individualmente por um único funcionário).

Na verdade, a Mercedes-AMG ficou tão empolgada que anunciou o novo motor 2.0 turbo de até 421 cv como “o mais potente quatro-cilindros produzido em série”. Acontece que, tecnicamente, não é bem assim: há exatos cinco anos, outra fabricante desenvolveu e produziu em série (limitada, é verdade), um 2.0 turbo de nada menos que 446 cv – 223 cv por litro!

Esta fabricante foi a Mitsubishi, e o carro em questão era o Lancer Evolution FQ-440 MR – edição especial desenvolvida pela divisão Ralliart, e lançada para comemorar os 40 anos da Mitsubishi no Reino Unido. Quem acompanhou a série Rest in Power certamente vai lembrar da menção que fizemos ao FQ-440 MR no post dedicado ao Evo X. Agora é hora de falar um pouco mais a seu respeito.

 

F*cking Quick

O Mitsubishi Lancer Evolution FQ-440 MR foi o último representante da linhagem MR, introduzida em 2002 com o Evo VII FQ-300. O número fazia referência à potência em hp, equivalente a 305 cv no motor 4G63. Já o FQ queria dizer simplesmente Fucking Quick, ou “Rápido pra C*ralho” em bom português. Nem a Mitsubishi e nem a Ralliart chegaram a confirmar o significado da sigla, mas os entusiastas da marca acreditam que é isto mesmo. E o FQ-300 era rápido mesmo, para a época: cumpria o zero a 100 km/h em 5,1 segundos, e chegava aos 252 km/h.

Todas as versões FQ do Evo foram desenvolvidas no Reino Unido pela Ralliart Europe. A divisão de rali da Mit foi a responsável pela maior parte de suas incursões no WRC desde que foi fundada, em 1983, pelo piloto e engenheiro escocês Andrew Cowen – este, responsável pela primeira vitória da Mitsubishi em um rali fora do Japão, o Southern Cross Rally, em 1972.

Depois do Evo VII FQ-300, as gerações seguintes do sedã esportivo também ganharam versões Fucking Quick – várias delas, na verdade, sempre batizadas de acordo com a potência em hp. Foi assim com o Evo VIII (FQ-260, a FQ-300, FQ-320, FQ-340 e FQ-400); com o Evo IX (FQ-300, FQ-320, FQ-340 e FQ-360); e, claro, com o Evo X (FQ-300, FQ-330, FQ-360, FQ-400 e FQ-440). Na prática, a Mitsubishi passou mais de uma década se dedicando a extrair quantidades enormes de potência de seus motores 2.0 turbo.

Mas vamos falar do FQ-440, afinal. Ou melhor, chamando-o por seu nome completo, do Mitsubishi Lancer Evolution X FQ-440 MR.

 

O último grande Evo?

Lancer Evolution X FQ-400

O ponto de partida era o FQ-400, lançado em 2009 com motor de 410 cv e 55,2 mkgf, câmbio manual de cinco marchas, pinças de freio de seis pistões, roda de 18 polegadas com pneus Toyo Proxes R1R e um novo kit aerodinâmico com dutos de arrefecimento adicionais, e tomada de ar maior no capô.

Com 115 cv a mais que o Evo X normal (que, na época, vinha com 295 cv), o FQ-400 tinha desempenho absurdo para um esportivo feito com base em um sedã de família: zero a 100 km/h em 3,8 segundos e máxima limitada eletronicamente a 250 km/h.

A receita era relativamente simples: pegar o motor 4B11T e dar a ele um jogo de injetores mais parrudos, um novo turbocompressor, mais resistente e capaz de girar mais rápido, um intercooler redimensionado e uma reprogramação na ECU para aproveitar tudo ao máximo. E o conjunto era robusto o bastante para que o carro ainda fosse coberto pela garantia de três anos ou 60.000 km que a Mit oferecia na época.

A versão FQ-440 MR veio cinco anos depois – como já dito, em comemoração aos 40 anos da Mitsubishi UK, celebrados em 2014. De certa forma, ele era uma “série especial da série especial”, sendo baseado no FQ-400, porém com novas modificações.

Foto: Autogespot

Com um turbocompressor HKS, sistema de escape Janspeed com catalisador de alto fluxo, coletores de admissão e escape Janspeed, um intercooler ainda mais eficaz, injetores iguais aos usados pelos Evo de competição e uma nova ECU, o 4B11T do Evo X FQ-440 chegava aos 446 cv a 6.800 rpm e 57 kgfm de torque a 3.100 rpm.

Assim como o FQ-400, o FQ-440 tinha outras modificações além do aumento de potência: freios Alcon na dianteira e na traseira; amortecedores retrabalhados e molas Eibach à frente e atrás, reduzindo a altura da suspensão em 35 mm e 30 mm, respectivamente; e detalhes estéticos como rodas BBS forjadas de 18 polegadas, faróis de xenônio com ajuste automático, geradores de vórtice na traseira e um capô de fibra de carbono mais leve, com respiros adicionais.

Por dentro, o FQ-440 vinha com partida keyless, bancos Recaro revestidos com couro e microfibra, som Rockford Fosgate com oito alto-falantes e subwoofer, e uma central multimídia com navegador por GPS, conexão Bluetooth e tela sensível ao toque de 7 polegadas. Todos os carros foram feitos com câmbio de dupla embreagem e seis marchas.

Disponível apenas na cor branco Frost White, o Evo X FQ-440 MR custava £ 50.000 – o equivalente a R$ 246.000 em conversão direta.

Mesmo com apenas 40 unidades fabricadas, o Evo FQ-440 pode ser considerado, sim, um modelo produzido em série – afinal, se a FIA estabelece que, para a homologação em provas de turismo, um carro precisa ter pelo menos 25 exemplares fabricados para ser considerado um modelo produzido em série, quem somos nós para discordar?

O FQ-440 certamente foi um ponto alto na carreira do Lancer Evolution, não apenas na décima geração, mas em toda a sua história – e falar dele significa, automaticamente, lembrar que a Mitsubishi decidiu não fabricar novos modelos esportivos daqui para a frente.

Por outro lado, a Mercedes-AMG segue firme e forte – eles podem não ter criado, tecnicamente, o 2.0 turbo produzido em série mais potente da história, mas o futuro A45/CLA45 ainda terá o 2.0 turbo mais potente da era contemporânea, e o mais potente fabricado em grande volume – o que não deixa de ser um mérito, especialmente nestes tempos de restrições de emissões e consumo de combustível.

Além disso, os alemães ao menos estão mantendo a chama acesa. Já a Mitsubishi…

Matérias relacionadas

Guerreiros sobre rodas: os carros que duraram (ou ainda duram) décadas com o mesmo projeto – Parte 1

Dalmo Hernandes

Este holandês dirigiu dos EUA até o Brasil só para assistir à Copa do Mundo

Dalmo Hernandes

São Paulo, 1988: lembre como eram as ruas e o trânsito da cidade (e do Brasil) há três décadas

Leonardo Contesini