A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture História Projetos Gringos Zero a 300

Devil Z da vida real: conheça o carro que inspirou o Nissan 240Z de Wangan Midnight – e o carro que foi inspirado por ele

Embora sejam muito comuns, comparações entre Initial DWangan Midnight não fazem lá muito sentido. A primeira franquia, mais famosa, conta a história de um entregador de tofu que, entre uma viagem e outra, encontra tempo para disputar corridas ilegais de dorifuto nas estradas nas montanhas (as famosas touges) da província de Gunma, no Japão. Já Wangan Midnight conta a história de Akio Asakura, que também disputa corridas ilegais – porém com um Nissan S30 preparado e “endiabrado”. E o cenário não são as touges, mas sim a rodovia Wangan, que liga as cidades de Tóquio e Yokohama e, com asfalto de qualidade, pista larga e muitos túneis, é um cenário mais que propício para se passar dos 300 km/h.

As duas franquias também têm outras coisas em comum: ambas surgiram nos mangás (os quadrinhos japoneses) e depois foram transformadas em animações, filmes e games. Ao contrário do que se possa imaginar, Wangan na verdade começou a ser publicado antes, em 1990, enquanto Initial D estreou em 1995. Dito isto, talvez a saga de Takumi Fujiwara e seu Toyota AE86 seja mais famosa simplesmente porque o anime foi produzido antes, em 1998, enquanto Wangan só virou uma série animada em 2007.

O primeiro episódio legendado, só para dar uma palhinha

A inspiração de Initial D é bem conhecida, como mostramos aqui mesmo no FlatOut – existia uma tofu shop, ou melhor, tofu den de verdade, e de fato seu dono corria de Subaru Impreza nos anos 1990. No caso de Wangan Midnight a maior inspiração é o Mid Night Club, lendária gangue de pilotos de rua que participavam de rachas a Wangan e rotineiramente chegavam aos 300 km/h com seus carros preparados. Mas não há tanta certeza quanto à existência de versões “do mundo real” para os personagens e carros da franquia, como acontece com Initial D.

Por outro lado, o Nissan Fairlady Z S30 pilotado por Akio Asakura foi transformado, em 1991, em um carro de verdade para uma série de filmes live action lançados diretamente para a televisão. E, meus amigos, que carro animal.

Antes de falar qualquer coisa, veja abaixo o vídeo que nos inspirou a abordar este assunto hoje: 23 minutos de ação com o carro. Assista primeiro, e depois continue lendo. Ou assista um pouco, deixe a bela trilha sonora proporcionada pelo seis-em-linha preparado rolando e siga com a leitura.

Talvez você conheça o filme de Wangan Midnight que foi lançado em 2009. Embora seja melhor produzido, a verdade é que aquele filme deixou a desejar por tentar contar em 90 minutos uma história que, originalmente, teve 42 volumes publicados entre 1990 e 2008. Embora a rivalidade clássica entre o Devil Z e o Porsche 911 Turbo “Blackbird” esteja presente, muitos personagens importantes na trama original não foram inclusos no filme e diversos elementos do enredo foram alterados para melhor se adaptar à telona.

Por outro lado, o filme lançado em 1991 deu origem a nada menos que outros 12 filmes lançados entre 1993 e 2001. Como curiosidade, estes filmes foram lançados todos diretamente em VHS, sem exibição na TV ou nos cinemas, e no Japão isto tem um significado bem diferente do que no ocidente: por aqui, os chamados direct-to-video são produções cinematográficas que não tinham qualidade ou orçamento suficientes para serem exibidos ao público na telona ou na telinha. Já no mercado japonês era o oposto: lançar produções diretamente em VHS era uma questão de atender a uma demanda altíssima por este tipo de conteúdo.

Os filmes live action de Wangan Midnight são muito bem vistos pelos fãs japoneses por sua adaptação precisa dos mangás e também por mostrar com fidelidade e realismo os carros preparados correndo na famosa rodovia japonesa, com ênfase nos dados técnicos sobre os motores e receitas de preparação usadas. Há cenas de puxadas no dinamômetro, detalhes praticamente pornográficos das partes mecânicas dos carros e muita ação no asfalto. E, uma notícia boa e ruim ao mesmo tempo: não é difícil encontrar os filmes na íntegra no Youtube, mas eles são em japonês (obviamente) e geralmente não têm legendas, nem em inglês.

Wangan Midnight, de 1991, na íntegra

De todo modo, onde queremos chegar: no capricho que os produtores tiveram em descolar um Nissan S30 preparado e customizado de verdade para representar o Devil Z nas telas.

Como você deve saber, o Devil Z é um carro “amaldiçoado”. Na história de Wangan Midnight, todos os donos anteriores do Nissan morreram em acidentes, e seu último proprietário o vendeu a um ferro-velho para que ele fosse destruído. Acontece que, ao procurar um carro para derrotar nas noites da Wangan um Porsche 911 Turbo preto (o Blackbird), Akio Asakura – que até então dirigia um Nissan 300ZX vermelho da geração Z31, chega à conclusão de que um S30 amaldiçoado é exatamente o que ele precisa, e por isso decide comprar o carro e salvá-lo da destruição.

Não exatamente pela maldição, claro, mas pelo motor: um seis-cilindros L28 com deslocamento ampliado de 2,8 para 3,1 litros, dois turbos e para lá de 600 cv.  O carro é leve e tão forte que chega a ser difícil controlá-lo, mas este é meio que o grande atrativo do Devil Z para Akio.

mid-night-club (1)

Plot twist: o carro de Wangan Midnight foi inspirado por um Z da vida real – um 280ZX fabricado em 1978 cujo dono fazia parte do Mid Night Club. O carro vermelho foi preparado por uma oficina chamada Air Breathing Research, ou simplesmente ABR.

mid-night-club (5)

O carro tinha o motor L28 com deslocamento ampliado para 3,1 litros; pistões forjados; bielas virabrequim e comandos de válvulas ABR e dois turbos IHI 3P-13. Alimentado por um sistema de injeção eletrônica GReddy com ECU de 16 bits, o motor do “Devil Z de verdade” chegava aos 680 cv e usava o câmbio manual de cinco marchas de um 300ZX turbo. A força era levada para as rodas traseiras através de um diferencial de deslizamento limitado construído pela própria ABR.

Os freios usavam discos de Toyota Supra e as pinças vinham do Nissan Skyline GT-R R32 (o que significa que o projeto não pode ter sido feito antes de 1989, quando o GT-R R32 foi lançado). Já a suspensão tinha molas TRD (divisão esportiva da Toyota) e amortecedores ajustáveis Bilstein. as rodas eram um jogo de Panasport C5R de 16×8 polegadas na frente e 16×9 polegadas atrás, com pneus 225/50 e 245/45, respectivamente.

mid-night-club (2)

mid-night-club (3)

O body kit completo era fabricado pela própria ABR e incluía novos para-choques, para-lamas dianteiro e traseiro, spoilers dianteiro e traseiro, saias laterais, difusor traseiro e capô. Por dentro havia mostradores extras (temperatura do óleo, temperatura do fluido de arrefecimento, pressão do óleo e pressão do turbo), gaiola de proteção, bancos Recaro, cincos Sabelt de quatro pontos e volante Nismo.

mid-night-club (6)

Foto: Japanese Nostalgic Car

O Devil Z para o filme de 1991, por sua vez, foi montado por uma oficina chamada Speed Shop Shinohara, ou SSS – que se tornou uma espécie de lenda por si só, e há quem acredite que ela sequer existiu.

Veja bem, estamos lidando com um assunto delicado – são muitas informações desencontradas, dados que não batem e histórias que não podem ser confirmadas. No entanto, quem curte esse tipo de coisa geralmente se dedica com muito afinco a descobrir a verdade. Então, de acordo com os entusiastas na página Auto Team Retro no Facebook – que pesquisaram em revistas e mídia da época, além de conversar com pessoas que estavam envolvidas na cena – a SSS existiu mesmo, ainda que não tenha conseguido o mesmo sucesso e reconhecimento de outras preparadoras japonesas daquele tempo, como a Top Secret ou a própria ABR.

A Shinohara Speed Shop foi fundada por um mecânico e piloto conhecido apenas como Mr. Shinohara em algum momento entre 1980 e 1982. Além de manter um perfil mais discreto que outras oficinas de preparação, a SSS preparava carros para um tipo diferente de corrida, que não era tão popular no Japão: provas de arrancada. Geralmente os eventos eram realizados pela revista Carboy (que também fazia vídeos de drift, como mostramos neste post) no circuito de Fuji Speedway, e os Nissan S30 preparados por Mr. Shinohara eram capazes de virar o quarto-de-milha nos 12 segundos baixos, por vezes chegando à casa dos 11 segundos. Em poucos anos a SSS estava relativamente famosa na cena japonesa de arrancadas.

22730290_127811667936254_8312588942417807672_n

Foi o bastante para que um certo diretor de cinema chamado Hisashi Watanabe procurasse Mr. Shinohara com uma missão: ele iria começar a produzir o filme de Wangan Midnight e precisava de alguns carros preparados para as gravações, incluindo uma réplica fiel do Nissan S30 dos animes. Ele queria que a SSS cuidasse da montagem dos carros, e Mr. Shinohara aceitou prontamente.

Não se sabe exatamente quando aconteceu, mas o carro ficou pronto no prazo, e saiu exatamente como Watanabe queria. O motor original, assim como no 280ZX da ABR, teve o deslocamento ampliado para 3,1 litros e recebeu componentes internos forjados. E também era biturbo, porém usava um par de Garrett T3/T04. A alimentação ficava por conta de três carburadores Mikuni de corpo duplo, e a potência ficava entre 600 e 630 cv.

22814116_127811671269587_2020464333611255459_n

A pintura azul metálico, os para-lamas alargados e a entrada de ar maior na dianteira eram fiéis à imagem do Devil Z dos mangás. O toque pessoal de Me. Shinohara ficou por conta dos pequenos emblemas da SSS, que com o sucesso do filme se tornaram uma coqueluche entre os donos de Nissan S30 do Japão e ajudaram a Speed Shop Shinohara a ficar relativamente conhecida no país.

22730320_127811664602921_3063085148716795082_n

Outros detalhes do carro começaram a surgir pela internet nos anos seguintes, e hoje há uma ficha técnica que circula pela Internet cuja precisão não pode ser confirmada, mas dá uma ideia do nível do projeto.

2mzk2di

Além do motor de 600-630 cv, o Devil Z do primeiro filme tinha um câmbio BorgWarner T5 de cinco marchas, embreagem Ogura, suspensão com amortecedores coilover de fabricação própria da SSS – que também fabricou as barras estabilizadoras e a gaiola de proteção –, cintos Takata de cinco pontos e bancos concha Bride. Os dreios usavam o kit completo do Nissan Skyline GT-R R32, com discos de 296 mm na dianteira e na traseira e pinças de quatro pistões.

O paradeiro do carro hoje é desconhecido, e mesmo imagens que não seja screenshots do filme são difíceis de encontrar. E mesmo todas estas informações aqui reproduzidas são fruto de pesquisas de entusiastas, discussões em fóruns e relatos da época que dificilmente poderão ser verificados, ainda mais por quem não domina o idioma japonês, mas esta aura de mistério até que combina com um carro chamado “Devil Z”.

O que se sabe é que Mr. Shinohara morreu em meados dos anos 2000 e não deixou indicações sobre quem deveria continuar tocando SSS, que acabou fechando as portas pouco depois.

Matérias relacionadas

Indy volta ao Brasil em 2015, todos os ângulos do novo Batmóvel, Ferrari Speciale terá versão Spider e mais!

Leonardo Contesini

Sob o signo do escorpião: a história da Abarth e de seu fundador

Leonardo Contesini

Os carros perdidos que a Ford quase fabricou no Brasil

Leonardo Contesini