A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Do Yenko ao Iroc-Z: estes são os 24 Camaro mais importantes da história do muscle car

Há pouco mais de uma semana a Chevrolet finalmente apresentou a sexta geração do Camaro no Brasil. Como vimos no post de lançamento, ele mantém sua identidade visual, mas ganhou uma nova plataforma mais leve e novos motores V6 e V8, além de um controverso 2.0 turbo de quatro cilindros. Para comemorar a chegada da nova geração, a GM realizou algo inédito até então: ela reuniu as versões mais importantes e marcantes de cada um das cinco gerações anteriores do icônico muscle car para ilustrar a trajetória do modelo em um evento pré-lançamento em Belle Island, nos EUA.

Alguns carros são parte do acervo da própria GM, enquanto outros foram emprestado por colecionadores especialmente para o evento. Todos eles são absolutamente fantásticos e não poderiam contar a história do Camaro de um jeito melhor. Felizmente, a exibição não ficou restrita ao evento de lançamento: a GM foi bacana o suficiente para fotografar todos eles e compartilhar conosco essa coleção, e nós trazemos até vocês todos eles em detalhes.

 

Primeira geração 1967 – 1969

O primeiro Camaro

Para contar a história da primeira geração a GM levou o primeiro de todos os Camaro, de chassi #1000001. Ele foi produzido em 1966 e foi o primeiro dos 49 Camaro construídos à mão na linha-piloto, uma espécie de teste para a linha de montagem que começaria a produzir o Camaro em grande volume dali a alguns meses. Ele também foi o carro que a Chevrolet usou para a apresentação do Camaro ao público em 1966 e em várias fotos e vídeos promocionais.

Curiosamente, ele não foi mantido pela GM, em vez disso foi vendido a um cliente comum por um concessionário de Oklahoma, e teve vários proprietários — um deles chegou a prepará-lo para as drag strips. Em 2009 um colecionador chamado Cory Lawson o comprou e decidiu devolvê-lo à sua forma original com ajuda da GM Heritage Collection.

 

Camaro Z/28 1967

Para homologar o Camaro para a lendária Trans-Am do SCCA, a Chevrolet desenvolveu o pacote Z/28, que incluía componentes especiais no chassi e suspensão, além de uma versão especial do V8 small block com 302 pol³ para se adequar ao limite de 305 pol³ da categoria.

A first-of-its-kind collection of historic Camaro production models and race cars was on display during activities surrounding the introduction of the all-new 2016 Camaro. It included the very first Camaro produced – a 1967 model with VIN #001.

O modelo exposto foi um dos 602 exemplares construídos em 1967, e rodou menos de 50.000 milhas (80.500 km). Sendo um homologation special, ele traz câmbio de quatro marchas com relações mais curtas, diferencial traseiro 3,73:1 e freios a disco maiores e ventilados nas rodas dianteiras. Apesar de ter sido produzido em 1967, ele foi vendido pela primeira vez somente em abril de 1969.

 

Camaro Grumpy’s Toy 1967

A first-of-its-kind collection of historic Camaro production models and race cars was on display during activities surrounding the introduction of the all-new 2016 Camaro. It included the very first Camaro produced – a 1967 model with VIN #001.

Se hoje o Camaro é uma das primeiras opções para acelerar nas drag strips americanas, os créditos são desse cara: o Camaro 396 de Bill “Grumpy” Jenkins. Esse carro foi usado na categoria Super Stock da NHRA na temporada de 1967 e foi um dos carros que levaram à criação da categoria Pro Stock em 1970.

A first-of-its-kind collection of historic Camaro production models and race cars was on display during activities surrounding the introduction of the all-new 2016 Camaro. It included the very first Camaro produced – a 1967 model with VIN #001.

Conhecido como “Grumpy’s Toy, o carro foi desenvolvido em parceria com a Chevrolet Racing e acredita-se que foi o primeiro Camaro equipado com o motor 396 L78, de 380 cv — sim, o primeiro Camaro com motor big block da história.

 

Camaro Z/28 conversível 1968

Como vimos mais acima, o Z/28 foi desenvolvido como um especial de homologação e por isso originalmente não previa uma versão conversível. Contudo, o chefão da Chevrolet na época, Pete Estes, queria um conversível de alto desempenho e, bem, sendo o manda-chuva ele simplesmente pediu que fizessem um para seu uso particular.

Após usar o carro em seu dia-a-dia, ele se convenceu de que o Z/28 deveria permanecer como um modelo de série em 1969. Seu carro tinha acessórios e equipamentos que não eram oferecidos nos Z/28 daquele ano, como a admissão cross-ram, capô com tomada de ar (cowl induction) e freios a disco nas quatro rodas. Em 1991 este Camaro foi o leiloado e tornou-se o primeiro muscle car clássico a quebrar a barreira dos US$ 100.000.

 

Camaro ZL1 1969

Quem acompanha o FlatOut desde o início certamente já conhece a história (você pode ler aqui se ainda não conhece). O Camaro ZL1 foi uma versão criada por um concessionário chamado Fred Gibb, que aproveitou o serviço de encomendas especiais (o “COPO”, destinado a veículos comerciais e de serviços) para produzir 69 unidades do Camaro com o motor ZL1, um big block de corrida 427 feito de alumínio.

O ZL1 das fotos é o 66º, construído em 1969 e além do raríssimo motor ele é um dos únicos 12 construídos com o câmbio M22 “Rock Crusher” manual de quatro marchas e um dos seis equipados com as rodas Rally. É possivelmente um dos Camaro mais valiosos produzidos em série.

 

Camaro Yenko 1969

O Yenko também teve sua história contada por aqui e, tal como o ZL1, foi fruto de uma encomenda feita pelo concessionário Don Yenko ao escritório de encomendas especiais da Chevrolet (COPO). O empresário encomendou 200 carros com o motor 427 com bloco de ferro e mostrou à Chevrolet que o Camaro poderia ser um esportivo tão radical quanto o Corvette.

A first-of-its-kind collection of historic Camaro production models and race cars was on display during activities surrounding the introduction of the all-new 2016 Camaro. It included the very first Camaro produced – a 1967 model with VIN #001.

O modelo exibido é todo original e nunca teve seu motor removido. Além disso, ele é um dos 30 Yenko equipados com o câmbio automático de três marchas Turbo 400.

 

Camaro Z/28 Penske/Sunoco 1967/1968

Em 1967 Roger Penske estava iniciando sua carreira como dono de equipe. Ele se juntou a Mark Donohue e se inscreveu em duas categorias do SCCA: a US Road Racing Championship e a Trans-Am usando carros da Lola com motor Chevrolet e o então recém-lançado Chevrolet Camaro.

Para aliviar o peso do carro a equipe usou banho de ácido para afinar as chapas da carroceria. Em 1968, ele foi atualizado com componentes da carroceria do modelo daquele ano e participou das 12 Horas de Sebring e venceu na categoria Trans-Am e terminou em terceiro lugar geral. O carro foi restaurado e hoje ostenta as especificações da corrida de Sebring em 1968.

 

Segunda geração

Camaro Z28 ‘Hurst Sunshine Special’ 1970

Em 1970 o Camaro ganhou uma segunda geração e também chegou a um novo patamar de desempenho com o motor LT-1 de 365 cv do Camaro Z28 “Hurst Sunshine Special”, que usava tuchos sólidos no comando de válvulas e taxa de compressão de 11:1. Foram construídos apenas três carros desta versão com teto-solar deslizante, e este é o único conhecido atualmente.

Além de ser uma base de testes para o teto-solar, a Chevrolet colocou este protótipo no túnel de vento para testar os spoilers dianteiro e traseiro que seriam usados na Trans-Am.

 

Camaro Z28 1974

A segunda geração do Camaro teve um facelift forçado em seu quarto ano de vida. Foi quando o governo americano aprovou novos padrões de para-choques — o que resultou em muitos carros maculados por para-choque imensos. Este exemplar é um representante comum desta safra, o primeiro Z28 com a nova dianteira mais pronunciada e equipado com para-choques de alumínio polido que aumentaram o comprimento do carro em quase 18 cm.

O V8 5.7 de 250 cv sob o capô, e os spoilers dianteiro e traseiro identificam a versão mais esportiva do modelo. O carro das fotos é só mais um dos 13.802 Z28 vendidos em 1974. Depois desses, a GM deixou de oferecer temporariamente o Camaro Z28 pelos dois anos seguintes.

 

Camaro Z28 1977

Depois de 1974 o próximo Camaro Z28 só chegou às lojas em 1977. A crise do petróleo levou a GM a estrangular o motor e o V8 de 5.7 litros produzia modestos 187 cv. Ao menos o motor trabalhava com um câmbio manual de quatro marchas de relações curtas feito pela Borg-Warner.

Ele também compensava a falta de potência com molas mais rígidas, amortecedores exclusivos e barras estabilizadoras mais espessas. Por fora, nada de cromados: os detalhes eram pintados na cor do carro ou em preto. O carro da foto também é um Camaro comum da linha de produção, um dos 14.349 vendidos naquele ano. Aliás, em 1977 o Camaro superou o Mustang pela primeira vez desde seu lançamento, dez anos antes.

 

Camaro Z28 1978

Em 1978 o Camaro ganhou um novo facelift. A dianteira e a traseira passaram a ser de uretano injetado pintado na cor da carroceria. A novidade agradou o público e bateu o recorde de vendas da versão, com 54.907 unidades. Destas, somente 5.907 foram para o Canadá — e um deles voltou para a exibição. Os modelos canadenses usavam o mesmo V8 de 5,7 litros adotado em 1977, mas tinham a potência ainda mais reduzida, chegando a módicos 172 cv, e usavam câmbio automático de três marchas.

Outra diferença é que em vez do velocímetro em milhas e o termômetro do óleo na escala Fahrenheit, o modelo canadense usava o sistema métrico, em quilômetros por hora e graus Celsius. Além disso, o modelo das fotos tem somente 9.600 km rodados.

 

Terceira geração

Camaro Z28 Indy Pace Car 1982

Em 1982 o Camaro chegou à sua terceira geração e foi “selecionado” para ser o Pace Car das 500 Milhas de Indianapolis daquele ano. Para a tarefa foram usados dois Z28, que também foi o primeiro Camaro a usar injeção eletrônica. Os carros usavam uma versão de alumínio do V8 small-block de 5,7 litros, que produzia 260 cv.

Belle Isle Camaro Museum

A Chevrolet produziu 6.360 réplicas do Pace Car, e todos usavam o sistema de injeção eletrônica — batizado Cross-Fire. Este carro das fotos é um dos dois construídos para andar na frente de todos em Indianapolis, mas não é o carro que entrou na pista, e sim o carro reserva. A diferença dele para as réplicas são os farois cobertos e, claro, as luzes de segurança.

 

Camaro IROC-Z 1985

A sonoridade do nome é estranha em português, mas trata-se de uma sigla para “International Race of Champions”, uma corrida realizada anualmente com pilotos de diferentes categorias a bordo de Camaros idênticos com preparação especial. Aproveitando a publicidade da corrida, a Chevrolet decidiu transformá-lo em uma versão de rua e, de quebra, levou o Camaro a um novo nível de desempenho — tanto nas retas quanto nas curvas.

O motor V8 de cinco litros tinha a famosa “tuned port injection”, o nome comercial da injeção eletrônica multiponto no coletor de admissão, e produzia 220 cv. Além disso, ele tinha rodas de 16 polegadas com freios a disco, modificações na suspensão e acabamento exclusivo (veja fotos detalhadas neste post). Logo no primeiro ano ele vendeu 21.177 unidades. O modelo das fotos é um deles, e tem apenas 93.400 km.

 

Camaro IROC-Z conversível 1987

Em 1987 a Chevrolet voltou a oferecer o Camaro conversível, algo que não acontecia desde 1969. Uma curiosidade é que os modelos conversíveis de 1987 eram versões targa (T-top) transformados pela ASC International.

Sendo assim, o IROC-Z conversível tinha exatamente as mesmas especificações do cupê: um V8 5.0 de 220 cv e câmbio automático de quatro marchas, além de um pacote aerodinâmico exclusivo. O exemplar das fotos tem menos de 6.500 km.

 

Camaro Z28 25th Anniversary 1992

Belle Isle Camaro Museum

Em 1992 o Camaro comemorou seu 25º aniversário e encerrou sua terceira geração. Para comemorar os 25 anos de vida, a Chevrolet lançou uma edição especial com emblemas 25th Anniversary no painel de instrumentos.

Belle Isle Camaro Museum

Os modelos com o Heritage Package tinham outro emblema na traseira e também faixas no capô e traseira, recortes do farol pintados de preto e grade na cor do carro. Somente 705 carros foram feitos com essa configuração do carro da foto.

 

Quarta geração

Camaro Z28 Indy Pace Car 1993

Novamente a Chevrolet fez a estreia da nova geração do Camaro colocando-o a serviço da Indy como Pace Car. Na quarta geração o Z28 ganhou o novo V8 LT1 de segunda geração (diferente do atual) com injeção eletrônica e 280 cv — a maior potência do Camaro desde 1971.

Foram feitos três Pace Cars para as 500 Milhas de Indianápolis de 1993 e outras 645 réplicas vendidas ao público. Todas elas eram identificadas pelos grafismos dos carros usados na pista. O carro das fotos é o primeiro deles, e o que de fato acelerou à frente dos monopostos.

 

Camaro SS 1996

Em 1996 o Camaro SS voltou ao mercado. Diferenciado das demais versões por um scoop ousado, spoiler traseiro elevado e rodas de 17 polegadas, ele era equipado com o mesmo LT1 do Z28, mas a admissão pelo scoop do capô ajudou a potência a subir para 310 cv.

Ele também tinha alavanca de marchas com curso mais curto, escape “cat-back”, diferencial Torsen e suspensão de pista. O SS era transformado a partir do Z28 por uma empresa terceirizada chamada SLP Engineering. Somente 2.269 exemplares foram feitos naquele ano e este das fotos é o número 240, um dos 115 pintados de Arctic White e um dos 73 equipados com câmbio manual de seis marchas.

 

Camaro Z28 2002

Em 27 de agosto de 2002 a Chevrolet suspendeu a produção do Camaro. Este Z28 vermelho foi o último carro a sair da linha de produção naquele dia, o que também faz dele o último Camaro à moda antiga, com eixo traseiro rígido e baseado na clássica (para não dizer antiquada) plataforma F-Body.

Não fosse isso ele seria um Camaro comum, com a cor mais popular da época — Bright Rally Red —, o motor mais vendido (o LS1 V8), porém com o câmbio menos solicitado, o manual de seis marchas. Depois dele o Camaro só voltaria a aparecer em 2010, com visual retrô e uma plataforma bem mais moderna — e melhor acertada.

 

Quinta geração

Camaro concept coupe

A first-of-its-kind collection of historic Camaro production models and race cars was on display during activities surrounding the introduction of the all-new 2016 Camaro. It included the very first Camaro produced – a 1967 model with VIN #001.

Embora pareça um Camaro prata comum, este é o conceito apresentado no Salão de Detroit de 2006. Totalmente inspirado na primeira geração do carro, ele surgiu no auge da onda retrô que rolava no mercado automotivo — e fora dele.

A first-of-its-kind collection of historic Camaro production models and race cars was on display during activities surrounding the introduction of the all-new 2016 Camaro. It included the very first Camaro produced – a 1967 model with VIN #001.

Como se nota, praticamente todos os elementos de estilo foram adotados na versão de produção, lançada em 2010. O exemplar está junto ao seu irmão conversível no acervo histórico da GM.

A first-of-its-kind collection of historic Camaro production models and race cars was on display during activities surrounding the introduction of the all-new 2016 Camaro. It included the very first Camaro produced – a 1967 model with VIN #001.

 

Camaro SS 2010

Seria um Camaro SS comum, como aquele que vemos nas ruas brasileiras, mas trata-se do primeiro Camaro de quinta geração a sair da linha de produção, ostentando o número 001. Como sabemos, ele é equipado com um V8 LS3 de 6,2 litros e 432 cv.

 

COPO Camaro 2012

Mantendo a tradição dos especiais de pista, a Chevrolet projetou em 2012 um modelo especial para pilotos de arrancada que quisessem disputar as categorias Stock e Super Stock da NHRA. Foram feitos apenas 69 exemplares do COPO Camaro naquele ano, todos usando a carroceria do modelo de produção em série, mas podendo ser equipados com vários motores de corrida diferentes, gaiola de proteção, instrumentos de corrida e eixo rígido traseiro no lugar do multilink original.

 

Camaro Z/28 Nürburgring test car

Trata-se de um protótipo usado pelos engenheiros da Chevrolet para completar a volta em Nürburgring Nordschleife em 7:37,40 com a pista úmida.

Com exceção dos equipamentos de segurança para a pista e da camuflagem na carroceria, ele usa exatamente a mesma especificação do Camaro Z/28, incluindo os amortecedores, o diferencial traseiro de deslizamento limitado e o motor LS7 de sete litros e 512 cv com lubrificação por cárter seco.

 

Z28.R race car

Após o lançamento do Z/28 a Chevrolet usou o modelo para desenvolver o Z/28.R, a versão de corrida do carro. Segundo a fabricante ele é basicamente um Z/28 de rua — incluindo pacote aerodinâmico, suspensão e diferencial — com equipamentos de segurança obrigatórios para competições. Até mesmo o motor LS7 de sete litros é o mesmo. A GM só não divulgou quanto a potência aumentou e o peso diminuiu.

Agora que você acompanhou a evolução do Camaro pelas fotos das versões mais especiais do modelo, conte para a gente o seu favorito (e aproveite para baixar a foto em 1300 px para usar como wallpaper!).

 

 

Matérias relacionadas

Chrysler Phaeton: o conceito com dois para-brisas e motor V12 que só acelerou em Gran Turismo 2

Dalmo Hernandes

Audi 200 Quattro Trans-Am: o carro que provou que tração integral não era só para ralis

Dalmo Hernandes

AE86 Sprinter Trueno: como a Toyota transformou um Corolla em um carro tão divertido?

Dalmo Hernandes