A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Dodge Viper CS: o projeto esquecido de Carroll Shelby

O nome de Carroll Shelby é irremediavelmente associado à Ford. E não é para menos: quando deixou de pilotar para se tornar preparador, Shelby envolveu-se de imediato à marca do Oval Azul. Foi dele a ideia de colocar um V8 Ford no AC Ace, criando o incrível Shelby Cobra. Foi ele que a Ford chamou para transformar o Mustang em um esportivo respeitável, dando origem ao GT350 e ao GT500. E foi ele quem ajudou a fabricante a, finalmente, superar a Ferrari nas 24 Horas de Le Mans por quatro anos consecutivos. Tudo isto em um espaço de apenas oito anos, entre 1962 e 1969.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Shelby manteve sua primeira colaboração com a Ford até 1969 – ele decidiu encerrá-la em setembro daquele ano pois estava insatisfeito com as intrusões da fabricante em seus projetos. Tanto que os Shelby GT350 e GT500 vendidos como modelo 1970 eram, na verdade, carros que haviam sobrado de 1969 e foram remarcados.

A Shelby voltaria a colaborar oficialmente com a Ford em 2005, usando a então recém-lançada quinta geração do Mustang como base para seus projetos – o que eventualmente trouxe de volta o GT350 e o GT500. Nas mais de três décadas que se seguiram, porém, Carroll Shelby trabalhou com outra fabricante: a Dodge. A parceria começou nos anos 1980, a convite do próprio Lee Iacocca (então CEO da Chrysler), e rendeu alguns frutos curiosos – como o Shelby Charger, uma tentativa honesta de transformar um Charger de tração dianteira em algo desejável; e o Shelby GLHS, versão esportiva do Dodge Omni criada em resposta ao Golf GTI.

Os melhores hot hatches do universo: Shelby GLHS

O Charger e o GLHS não estão entre os mais conhecidos de Shelby, mas ainda assim são mais famosos que o Dodge Viper que Carroll Shelby preparou – e, na verdade, foi o último Dodge feito com a supervisão pessoal do texano. É o Viper CS, que teve 50 unidades planejadas, mas acabou com apenas 19.

 

O envolvimento de Shelby com o Dodge Viper já era no mínimo simbólico – isto porque, quando concebeu o Viper, a Dodge teve o próprio Cobra como inspiração, no sentido de que ambos eram carros esportivos relativamente leves com motores enormes na dianteira, tração traseira e nenhum tipo de assistência eletrônica.

O Dodge Viper CS foi desenvolvido em parceria com Dan Fitzgerald, amigo de Carroll Shelby havia mais de 35 anos e fundador da Fitzgerald Motorsports – que existe até hoje como preparadora e equipe de arrancada.

As modificações eram, em sua maioria, estéticas. O Viper ganhava um novo para-choque dianteiro, com uma abertura maior, inspirado no Shelby Cobra; novas saias laterais; um spoiler traseiro que acompanhava o contorno da tampa do porta-malas; rodas do tipo 3-piece com desenho exclusivo e diversos emblemas espalhados pelo carro. O interior recebia bancos de couro com o emblema “CS” bordado no encosto, cintos de quatro pontos Schroth e, de forma curiosamente específica, um novo sistema de alarme. Os carros também vinham com o autógrafo de Carroll Shelby na tampa do porta-luvas, nas saias laterais ou no para-lama dianteiro. O roadster RT/10 também ganhava um novo teto removível feito de fibra de carbono, algo que ainda era bem incomum.

Havia, ainda, modificações simples na mecânica – a relação final do diferencial mudava de 3:1 para 3,75:1, a fim de melhorar a aceleração; o sistema de escape era trocado por outro menos restritivo; e a central do motor V10 de oito litros era reprogramada. O resultado era um aumento de 456 cv para 491 cv.,

A princípio, a ideia era fazer 25 exemplares do Viper RT/10 CS, com carroceria conversível, e mais 25 exemplares do cupê Viper GTS CS. Shelby e Fitzgerald começaram com os conversíveis. A maioria deles tinhaa clássica combinação de pintura branca “Wimbledon White” e faixas azuis “Guardsman Blue” – exatamente as mesmas do primeiro Shelby GT350 – mas um deles tinha as cores invertidas (azul com listras brancas) e outro foi pintado de preto com detalhes dourados.

Acontece que, na época, a saúde de Carroll Shelby já não estava muito boa. Anos antes, em 1990, Shelby havia recebido um transplante de coração – dessa vez, porém, eram problemas renais que o afligiam. Ainda naquele ano ele recebeu um transplante de rim, mas as partes concordaram que o melhor seria cancelar o projeto.

Só houve tempo de concluir 18 dos roadsters RT/10, mais um cupê GTS – 19 carros no total, menos da metade dos 50 planejados. O GTS foi pintado de vermelho com detalhes dourados e recebeu um jogo de rodas diferente mas, fora isto, recebeu exatamente o mesmo tratamento dos conversíveis.

Desde que ficou pronto, o carro teve apenas um dono – que nunca foi revelado. Agora, porém, a Mecum Auctions anunciou que ele será leiloado no próximo mês de janeiro durante um evento em Kissimee, na Flórida. A agência espera arrecadar ao menos US$ 200.000 pelo carro, o que dá por volta de R$ 1 milhão na cotação atual.

Matérias relacionadas

Cinco carros que eu compraria com até R$ 30.000 – e por quê

Dalmo Hernandes

Muscle brothers: os gêmeos da era de ouro dos muscle cars

Leonardo Contesini

Não, a Ferrari não obriga seus clientes a manter os modelos XX na fábrica

Leonardo Contesini