A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Vídeos

Esse cara faz carros ultradetalhados de massinha e os destrói em crash tests

É impossível não admirar pessoas que utilizam todo seu talento e habilidade para criar coisas incríveis, que a maioria de nós julgaria impossível. É o caso do entusiasta russo Slava Petruchenko, mente criativa por trás do canal Handmade no Youtube.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Enquanto todos nós babamos em miniaturas ultradetalhadas de carros, como as produzidas pela AutoART e afins, Slava constrói suas próprias miniaturas usando massa de modelar – e, considerando sua abordagem totalmente artesanal, depois de prontos os carros não ficam devendo muito às melhores fabricantes de miniaturas em nível de detalhes. Claro que o acabamento não é impecável, mas isto é o que dá charme ao trabalho.

A questão é que, depois que os carros ficam prontos, Slava… os destrói em crash tests. Não todos eles, felizmente, mas boa parte. E o resultado, apesar de doer na alma, também não deixa de ser impressionante.

Case in point: o Toyota AE86 que foi uma das criações mais recentes de Slava. No vídeo, ele resume todo o processo de construção da miniatura, que leva cerca de 90 horas, em um time-lapse de 15 minutos. Vale a pena assistir tudo – é fascinante a forma como Slava utiliza a massa em absolutamente todos os componentes do carro. (Dica: a experiência fica melhor se você trocar a música animada do Youtube no vídeo por algum som relaxante que você curta – vá por mim.)

Tudo começa com plasticina artesanal – uma massa de modelar mais firme que aquela que usávamos na pré-escola. Slava começa moldando o assoalho e as rodas, e vai construindo o carro de cima para a baixo. Ele se preocupa com cada detalhe – o desenho das chapas do assoalho, o sistema de escape (que é feito separadamente), o tanque de combustível e o diferencial.

No caso das rodas, os pneus são feitos primeiro, e depois as rodas em si – incluindo, no caso do AE86, o fato de serem 2-piece. Depois, ele esculpe o monobloco e a carroceria, usando blueprints em escala exata como referência. Apenas ferramentas manuais são utilizadas – um rolo para deixar a massa na espessura desejada, estiletes para cortar as peças e espátulas para dar acabamento.

A superfície é raspada para ficar perfeita, de uma forma não muito diferente do que fazem os designers de automóveis com suas maquetes de argila. Tudo, absolutamente tudo é feito de massa com exceção das janelas, que usam plástico transparente.

O capricho também vale para o motor, que também é uma réplica fiel, e para o interior. Slava se dá ao trabalho de modelar o painel de instrumentos, os bancos e os revestimentos de porta individualmente – o que, aliás, também vale para o capô, para-choques e, no caso do AE86, os faróis escamoteáveis que abrem e fecham.

Por fim, vem a pintura em spray – uma vez que a plasticina é lixada, o acabamento da pintura é muito parecido com metal. Vendo o carro pronto é difícil saber do que ele foi feito.

Porém, se você pensa que Slava tem uma estante cheia de miniaturas de massinha extremamente detalhadas, está enganado. Ele até guarda algumas delas, mas a descrição do seu canal deixa claro: “faço miniaturas de massinha para colecionar, e também para destruir.”

De acordo com Slava, a questão é que a massa se deforma de forma muito parecida com o metal – e, para ele, isto faz com que a ideia de simular acidentes com os carrinhos seja quase irresistível. Além de reproduzir acidentes de vídeos da Internet e crash tests, ele também cria suas próprias situações no simulador de colisões BeamNG, que utiliza uma engine física extremamente realista, e depois reencená-los usando as miniaturas que ele mesmo constrói.

É por isso que Slava faz questão de fazer cada carro com a maior quantidade possível de componentes individuais, e também de construir a estrutura e depois colocar a carroceria por cima dela – para que, quando a colisão acontecer, o carro se comporte da forma mais realista concebível para uma miniatura de massinha. Ou seja: o AE86 de massa não durou muito tempo antes de encontrar um fim muito triste. E o mesmo acontece com quase todos os carros que Slava esculpe.

As miniaturas são tão bem feitas que muitos comentários no Youtube pedem encarecidamente para que Slava não as destrua – afinal, é visível sua dedicação aos detalhes de cada uma delas. Talvez seja até revoltante, mas ao menos ele não destrói todas elas.

Sugestão do flatouter Kenji Ashimi

Matérias relacionadas

Conheça as lojas de Nürburgring: de torradeiras a sapatilhas do Nordschleife!

Juliano Barata

Ford Sierra XR8: V8 de Mustang sob o cofre, passaporte da África do Sul

Milton Rubinho

Acredite: as pessoas estão jogando Pokémon Go enquanto dirigem

Dalmo Hernandes