A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Este é o último Fiat Mille produzido no mundo

Em 1984, a Fiat lançou a primeira geração do Uno no Brasil. Trinta anos depois — exatamente  na época em que os primeiros modelos se tornarão aptos a receber a placa preta —, a última unidade saiu da fábrica em Betim, Minas Gerais.

Ao lado da VW Kombi e do Gol “G4”, o Mille — versão com motor de 999 cm³ lançada em 1990 — sai de linha devido à obrigatoriedade da instalação de airbags dianteiros e freios ABS válida a partir de 1° de janeiro de 2014. O Uno já usava freios ABS desde a década de 80 na Itália, e o Fiorino brasileiro já ofereceu airbags para o motorista nos anos 90 e 2000, o que indica que a decisão de tirá-los de linha pode ter sido motivada por uma questão de viabilidade econômica e competitividade no mercado.

mille adeus (1)

De qualquer forma, foram mais de 3,7 mihões de unidades produzidas, que ainda rodarão por aí por muito tempo. De 2010 para cá, o Mille conviveu com sua segunda geração, o “Novo” Uno, e as vendas dos dois modelos eram contadas em conjunto. Para se ter uma ideia, somados, os Mille e Uno emplacaram mais de 187 mil unidades.

Em meu post de despedida do Jalopnik, contei o quando o Uno faz parte da minha vida — meu pai teve três seguidos e um deles está comigo — um ELX 1995, branco, de quatro portas. O ELX era o modelo “de luxo” na época, com bancos confortáveis e vidros e travas elétricos, com ar-condicionado e direção hidráulica como opcionais. E ele foi o último Uno carburado — a partir do EP, todo Uno teve injeção eletrônica. Em compensação, o acabamento foi ficando cada vez mais espartano — ao longo dos anos, o console central de plástico foi substituído por um de carpete, as forrações internas foram reduzidas até restar apenas a parte central dos revestimentos de porta, e até os trilhos dos bancos foram ficando mais curtos.

mille adeus (3)

O resultado foi o carro mais barato do mercado, que trazia apenas o essencial para o ato de dirigir — e, para quem sabe que potência não é tudo, se divertir ao volante. O primeiro modelo, com motor de 994 cm³ carburado, tinha apenas 48 cv de potência, mas o Mille se despede com o motor Fire de 66 cv flex, com injeção eletrônica multiponto.

mille adeus (2)

O último Mille fabricado pela Fiat é um exemplar Verde Saquarema, provavelmente a unidade de nº 2000 da edição limitada Grazie Mille, que conta com painel exclusivo com conta-giros, forrações diferenciadas nos bancos, som com MP3 e USB e trio elétrico.

Nas próximas semanas a Fiat lançará o Palio “Mille”, com a missão de segurar as pontas como carro mais barato da marca até a chegada do sucessor definitivo do Uno Mille, que por enquanto atende por Projeto X3C. Só assim o Palio, criado em 1996 para substituir o Uno, finalmente poderá cumprir com êxito sua missão.

Matérias relacionadas

Uma retrospectiva dos esportivos da Fiat em seus 40 anos de Brasil – Parte 1

Dalmo Hernandes

O incrível Chevrolet Corvair com um V8 de corrida atrás dos bancos dianteiros

Dalmo Hernandes

Land Rover Defender: seus quase 70 anos de história chegaram ao fim

Dalmo Hernandes