A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Carros Antigos História

Este Fusca fabricado em 1939 é um Porsche – e é o último de sua espécie

É uma piada recorrente entre os entusiastas: “o Porsche 911 é um Fusca melhorado”. Há um fundo de verdade nisso (tanto que os Porsche inspiram preparações de Fusca), mas de forma bem exagerada. O Fusca foi mesmo projetado por Ferdinand Porsche. Mas só entre sua primeira versão, de 1938, e o primeiro 911, de 1963, há 25 anos de diferença e evolução.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até três carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Em comum, os dois só tinham o motor boxer arrefecido a ar na traseira – de resto, o método de construção era totalmente diferente (o Fusca usava um chassi plataforma, enquanto o 911 já empregava o monobloco), bem como a finalidade do projeto, obviamente. Hoje, com o 911 em sua oitava geração, a comparação com o Besouro não faz sentido e, correndo o risco de soar rabugento, nem tem tanta graça.

Não queremos dizer que dizer que os carros não sejam relacionados – afinal, tudo começou com o projeto do Dr. Ferdinand Porsche para o Fusca; seu filho, Ferry Porsche, criou o 356; e seu neto, Alexander “Butzi” Porsche, projetou o 911. Mas o Fusca jamais foi, de fato, um Porsche. Ou será que foi?

 

Você deve lembrar do post que fizemos recentemente sobre o Type 64 – o primeiro de todos os Porsche, que usava a plataforma do Fusca e um motor 1100 de 33 cv, além de uma carroceria aerodinâmica, totalmente diferente do que se via no Besouro. Sua história é relativamente conhecida e, apesar das entranhas de Fusca, seu design deixa claro que se trata de algo especial.

O que poucos sabem é que, paralelamente ao Type 64, Ferdinand e Ferry Porsche trabalharam em um projeto ainda mais ousado: um Fusca com motor de competição, feito para vencer uma corrida entre Berlim, na Alemanha, e Roma, na Itália. Eis o VW 39 1-00003 , 80 anos depois.

Aproveitando que o Volkswagen estava em seu estágio final de desenvolvimento, pai e filho decidiram aproveitar para transformá-lo em um carro de corrida para participar do evento. Para isto, eles usaram como ponto de partida o motor do Type 64, com deslocamento reduzido para um litro (para economizar combustível, possivelmente) e potência de 32 cv. O que não parece muito mas, com cerca de 700 kg para empurrar, o flat-4 era capaz de levar o VW 39 até os 145 km/h – marca respeitabilíssima oito décadas atrás.

Sendo um modelo pré-série, o VW 39 também possui outra característica curiosa: ele foi o primeiro Fusca a ter peças da carroceria feitas em metal prensado – os para-lamas e a tampa traseira, que por conta dos vincos e do vigia bipartido, rendeu ao carro o apelido “Pretzel Beetle”. O método de fabricação foi aperfeiçoado depois daquilo, e usado permanentemente na fabricação em série do Fusca.

Segundo a Porsche, Ferdinand e Ferry Porsche tinha a intenção de construir 50 exemplares do VW 39 – bem mais do que o necessário para participar da corrida entre Berlim e Roma. A companhia não diz quais eram as intenções do Dr. Porsche com tantos carros, mas sabe-se que, com o início da Segunda Guerra Mundial naquele ano, só houve tempo de concluir 14 unidades. E a corrida nunca aconteceu.

O VW 39 1-00003 ainda teve tempo de ser usado com certa frequência, até, por Ferdinand e Ferry durante aguns meses, geralmente no trajeto de 600 km entre a sede da Porsche, em Zuffenhausen, e a capital Berlim – aonde, algum tempo depois, o carro foi levado de forma permanente, a fim de ficar exposto e atrair possíveis compradores.

Pode ter sido justamente por conta disto que, das 14 unidades construídas, apenas o carro 1-00003 sobreviveu – os restantes, presume-se, foram destruídos no bombardeio dos Aliados sobre Stuttgart, ocorrido em 25 de agosto de 1940. Com o ataque, 17 prédios foram arruinados, incluindo a sede da Porsche.

Em 1948, com o conflito já terminado, a Porsche vendeu o carro a um colecionador da cidade de Hamburgo. Ele recuperou o carro usando componentes mais modernos e mandou pintá-lo de cinza, utilizando o carro por alguns anos.

Pouco se sabe sobre a trajetória do VW 39 1-00003 depois disto. O que a Porsche conta: há cerca de cinco anos, o carro foi comprado por Thomas König e Oliver Schmidt, fundadores do Hamburg Prototyp Museum – uma mostra permanente de carros alemães criados antes da Segunda Guerra Mundial.

Depois de um incêndio no local onde estava guardado, o carro estava em estado deplorável, e foram necessários três anos de trabalho – incluindo a fabricação artesanal de componentes novos para a carroceria, usando moldes originais como referência – para trazê-lo de volta a sua forma original, incluindo a pintura preta com verniz de nitrocelulose. Agora, o VW 39 ficará permanentemente exposto no museu de Hamburgo.

Matérias relacionadas

Grand Luxury Injection: uma retrospectiva do VW Jetta GLI ao longo das gerações

Dalmo Hernandes

O lado utilitário da Alfa Romeo

Dalmo Hernandes

De onde surgiu o revestimento xadrez do Golf GTI (e de um monte de outros esportivos)?

Dalmo Hernandes