A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Projetos Gringos

Este Honda Civic MkIII tem motor central-traseiro, 260 cv e uma bela história

Em 1984, pouco depois do lançamento da terceira geração do Civic, a Honda pretendia ser a primeira fabricante japonesa a conquistar um título no Campeonato Mundial de Rali, o WRC. Para isto, seguindo as regras do Grupo B, eles criaram uma versão especial do recém-lançado hatchback, com um motor V6 central-traseiro e para-lamas alargados. No entanto, a ideia foi considerada inviável e apenas dois protótipos foram construídos. E um deles está guardado em uma garagem escondida no meio de Tóquio.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

O parágrafo anterior é totalmente falso. Nunca aconteceu. Mas o americano Andy Barcheck costumava contar esta história quando alguém lhe perguntava a respeito de seu project car, do qual ele tinha muito orgulho: um Honda Civic de terceira geração, com um motor V6 vindo do Acura Legend atrás dos bancos dianteiros e carroceria widebody, carinhosamente batizado “Hondura”. Ele dizia que seu carro era o segundo protótipo. E as pessoas acreditavam.

Andy, ex-engenheiro da marinha dos EUA, é um entusiasta de carteirinha – o Hondura estava longe de ser seu primeiro projeto, vindo depois de um BMW E30 restaurado, mas certamente era seu favorito. O carro foi feito com muito capricho, inspirado mesmo nos protótipos do Grupo B (em especial, segundo Barcheck, o Renault 5 Turbo), e execução primorosa. Barcheck queria que o carro parecesse mesmo um projeto secreto da Honda.

Isto já faz tempo: Andy montou o carro nos anos 1990, e o vendeu há mais de duas décadas. A vida é assim mesmo, e às vezes nos obriga a abrir mão de algo que amamos para seguir adiante. Mas Andy, hoje um senhor de cabelos brancos e ar jovial, jamais se esqueceu de seu Civic. E agora, ele reencontrou o carro – que está quase examente como era há duas décadas, para sua satisfação.

Quando estava nas mãos de Andy, o Honda Civic foi radicalmente transformado. O hatch foi desmontado por completo e os para-lamas foram alargados com material metálico, que formou tomadas de ar para o motor na traseira. O monobloco que recebeu uma estrutura tubular construída sob medida para abrigar o motor e os componentes da suspensão. Esta também foi projetada por Andy, que optou por um arranjo MacPherson com amortecedores ajustáveis no lugar do eixo rígido traseiro. Ele empregou o mesmo sistema na dianteira – que originalmente vinha com barras de torção.

Originalmente, o V6 de 2,5 litros usado pelo Acura Legend 1986 entregava 153 cv a 5.800 rpm e 21,7 kgfm de torque a 4.500 rpm, mas Andy deu a ele cabeçotes com maior fluxo e o sistema de injeção mecânica Bosch K-Jetronic de um Porsche 911 – o que deve ter garantido mais alguma potência. O sistema de arrefecimento de um Chevrolet Corvette (que também cedeu os freios) foi adaptado no cofre dianteiro, que também abrigava o estepe. Já o câmbio manual de cinco marchas foi aproveitado exatamente como estava.

O conjunto era suficiente para levar o Civic de zero a 402 metros em 14,9 segundos a mais de 150 km/h, com velocidade máxima de pelo menos 201 km/h. Mas a suspensão bem acertada, a distribuição de peso ligeiramente traseira (43/57) e os borrachudos pneus 205/50 na dianteira e 225/50 na traseira – calçando rodas Enkei de 15×7 e 15×8 polegadas, respectivamente – deixavam o carro mais à vontade em um track day do que em uma pista de arrancada.

Depois de curtir o Hondura por alguns anos e desfazer-se dele, Andy não teve muito mais contato com o carro. Ele sabia que o Civic havia trocado de mãos algumas vezes e que conservava boa parte das modificações que ele havia feito, mas nunca havia conseguido falar com nenhum dos donos anteriores. Até agora.

O pessoal da Turn10 Studios, desenvolvedora de Forza Motorsport, decidiu promover o reencontro entre Andy e seu Civic. O momento foi registrado em vídeo e publicado no Youtube no início do mês, como primeiro episódio de uma série chama da Along for the Ride (algo como “De Carona” em tradução livre). A ideia é justamente mostrar alguns project cars interessantes, tanto tecnicamente quanto por sua história.

No vídeo, o atual dono do carro conta que realmente não havia muito o que melhorar no Civic. Eric Schmidit comprou o carro há dez anos, e diz que Andy fez um excelente trabalho no acerto dinâmico do hot hatch – ele diz que é um carro neutro e fácil de conduzir, e que solta a traseira com facilidade em uma condução mais animada.

Andy e Eric trocam ideias sobre o Civic em frente à casa de Andy – com um de seus projetos mais recentes ao fundo

Isto posto, Eric fez uma mudança importante: removeu o motor C25A colocado por Andy e colocou em seu lugar outro V6, de 3,2 litro e 260 cv, vindo de um Acura CL Type S – uma versão rebatizada do Honda Accord.

Andy ficou satisfeito em saber disso, dizendo que havia mesmo acertado o carro para lidar com 100 cv a mais. Ele só não teve meios de fazê-lo. Mas, felizmente, este Honda Civic único no mundo encontrou um dono disposto a manter a essência do projeto intacta. Nem todo project car tem esta sorte.

Matérias relacionadas

No dia em que Senna morreu, eu…

Gustavo Henrique Ruffo

A importância real de se obter o recorde de Nürburgring – e como este feito ficou tão relevante

Juliano Barata

O Voyage de Leo Ceregatti é mais que parte da família: é parte de seu dono

Dalmo Hernandes