A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Carros Antigos

Este raríssimo Dodge Charger Daytona passou 40 anos esquecido em uma fazenda e agora está à venda!

Se 2014 foi o ano dos barnfinds, em 2015 parece que ninguém saiu à procura de preciosidades sobre rodas perdidas pelo mundo. Foram somente três achados, mas ao menos a qualidade compensou a escassez. No começo do ano foi um Bugatti Brescia, que ficou guardado por 40 anos. Depois, em outubro, foram dois esportivos Ford: um XR3 brasileiro quase zero km e o primeiro protótipo do Mustang Boss 302!

O outro grande achado de 2015 é nada menos que este raríssimo Dodge Charger Daytona 1969 — uma das 503 unidades produzidas para homologar a carroceria aerodinâmica na NASCAR. Ele rodou só 33.000 km antes de acabar esquecido em uma fazenda nos anos 1970.

fl0116-229950_2-1

A história do Daytona começou em 1969, quando os carros da NASCAR eram realmente “stock” — sem estruturas tubulares sob bolhas de fibra movidas por motores padronizados. Sendo muscle cars enormes dos anos 1960, eles eram tão aerodinâmicos quanto um container, e apesar do motor sobrar nas pistas, a resistência ao vento era um problema. Assim, naquele distante 1969 algum engenheiro da Dodge tentou resolver o problema instalando um cone na dianteira do Charger e uma enorme asa na traseira, e rebatizou o carro de Dodge Daytona. Eles então produziram 503 unidades para homologar o carro e o colocaram nas pistas já naquele ano.

O mítico piloto Richard Petty, na época contratado pela Plymouth, percebeu as vantagens e solicitou à Plymouth que fizesse algo semelhante. O pedido foi inicialmente rejeitado, mas em algum momento da história os engenheiros da Plymouth começaram a trabalhar no Superbird e acabaram produzindo as unidades necessárias para homologação. Os “aero-cars” conquistaram a maioria das vitórias em 1969 e 1970, até que os comissários da NASCAR mudaram o regulamento, preocupados com as velocidades perigosamente altas — eles passavam de 320 km/h em ovais rápidos, como Talladega — e com o fato de os carros não se parecerem com nada muito popular nas ruas, banindo-os das pistas da temporada de 1971.

Outra versão da história, diz que a Ford teve influência nesse banimento, pois não conseguiu fazer um carro para rivalizar com o Daytona e o Superbird, contudo, a marca do oval azul chegou a produzir uma versão aerodinâmica do Torino, que nunca se tornou realidade justamente por conta do banimento dos aero cars (contamos a história deste Torino neste post).

Unknown-1

Este exemplar coberto de ferrugem e esquecimento foi produzido em 1969 e comprado por um juiz como presente para sua esposa (seria um presente de grego ou uma esposa petrolhead?). Ela usou o carro até 1974, quando o vendeu para um fazendeiro do Alabama, que acabou esquecendo o carro em um galpão de sua propriedade.

Unknown

Quatro décadas depois, ele se convenceu que talvez seja melhor vender o carro para alguém que possa trazê-lo de volta à vida. Apesar do estado de conservação não ser dos melhores, este é um legítimo Dodge Charger Daytona 1969 praticamente todo original: o bodykit aerodinâmico  — cone dianteiro, bolhas dos para-lamas, acabamento mais largo na coluna A e asa traseira — saíram da fábrica exatamente onde estão, assim como a alavanca de câmbio cromada, o console central, bancos com encosto de cabeça e o rádio.

fl0116-229950_4

Até mesmo a pintura vermelha e branca foi feita no setor de pintura da Dodge há exatos 46 anos. Em algum momento da história ele foi ligeiramente personalizado com uma nose art de chamas “hot rod”. O motor 440 também é original (matching numbers), assim como o câmbio TorqueFlite automático e o diferencial de 8 ¾.

fl0116-229950_8

 

Tudo isso faz dele um carro extremamente valioso mesmo no estado em que se encontra — afinal estamos falando de um dos únicos 503 Daytonas construídos, e sua restauração não é trabalho para iniciantes ou aventureiros. Assim, a casa de leilões Mecum Auctions espera faturar algo entre US$ 150.000 e US$ 180.000.

Para se ter uma ideia do potencial deste muscle car aerodinâmico, a própria Mecum Auctions tem um exemplar com 10.000 km e câmbio automático de quatro marchas anunciado por US$ 1.000.000. Então é realista dizer que este Daytona de R$ 180.000 pode passar facilmente dos US$ 800.000 depois de uma restauração cuidadosa.

Quer mais fotos do potencial desse carro? Segura essa:

 

Matérias relacionadas

Puma Al Fassi: a história desconhecida do Puma árabe de Muhammad Ali

Dalmo Hernandes

Este Chevrolet Corvette competiu pela Ferrari nas 24 Horas de Le Mans de 1972

Dalmo Hernandes

Como dirigir um carro antigo sem se matar, morrer de medo ou fazer cagada

Juliano Barata