FlatOut!
Image default
Car Culture

Você nunca viu uma restauração detalhada como a deste Range Rover


O vídeo que vamos mostrar aqui pode fazer duas coisas: te motivar a restaurar um carro antigo ou te fazer jurar que jamais embarcará em uma empreitada como esta. De um jeito ou de outro, trata-se de uma pequena obra-prima.

Os protagonistas são dois: George Karellas, youtuber, entusiasta e restaurador automotivo; e seu Range Rover 1991. A trama é simples: George pegou o carro das mãos de seu tio, que comprou o Range Rover zero-quilômetro e o utilizou quase diariamente por 25 anos. A ideia era fazer uma reforma simples e documentar tudo em formato de stop motion – dar um jeito em alguns pontos de corrosão, consertar o estofamento e deixar o utilitário com boa aparência. O suficiente para uso constante, como seu tio havia feito. George imaginava que o serviço todo levaria dois ou três meses. Mal sabia ele…

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicos, histórias de carros e pilotos, avaliações e muito mais!

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, participação no nosso grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!). Exponha ou anuncie até sete carros no GT40 e ainda ganhe descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$ 26,90 / mês

ou

Ganhe R$ 53,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura básico. Acesse todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de poder expor ou anunciar até três carros no GT402.

R$ 14,90 / mês

ou

Ganhe R$ 29,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Quanto mais fuçava, mais George percebia que a carroceria estava severamente comprometida pela corrosão – então, o que levaria dois ou três meses acabou se arrastando por quatro anos, incluindo não apenas a restauração, mas a filmagem, a edição e a pós-produção do vídeo.

O resultado é um vídeo longo, de quase 1h30 – mas, acredite: vale a pena você separar este tempo para assistir.

É claro ver o carro tomando forma, com soldas aparecendo e peças se encaixando como se fosse mágica, é algo hipnotizante, mas há muito mais para apreciar neste projeto além do stop motion em si.

Para começar, independentemente da pegada artística do vídeo, é raro que tenhamos uma oportunidade de observar o processo de recuperação de um carro antigo com tantos detalhes. George mostra cada milímetro do carro que está afetado pela corrosão, o processo de remoção das partes deterioradas e o conserto – que invariavelmente envolve cortar as partes afetadas e fabricar, do zero, as partes de metal que faltam. Absolutamente tudo é documentado.

A carroceria não foi removida do chassi, o motor não foi aberto, e nenhum componente foi substituído sem necessidade. Não foi uma restauração completa, com novos revestimentos, motor refeito, nem nada do tipo. A ideia era mesmo montar o Range Rover para uso, deixando-o funcional, confiável e com todos os acabamentos em seus devidos lugares.

Ainda assim, o carro foi desmontado para que se pudesse refazer caixas de ar, assoalho e para-lamas, além de remover quaisquer indícios de corrosão – incluindo lugares de difícil acesso, como a área na base do para-brisa, sob o capô, ou as bordas do teto solar. O interior foi removido para uma limpeza geral e para caçar quaisquer defeitos, mas todos os componentes originais foram mantidos, incluindo as marcas do tempo – que, nesse caso, podem ser exibidas como troféus.

Nos comentários do vídeo, George dá um panorama geral da história do carro. Ele conta que seu tio o comprou novo em 1991 e era um homem muito rigoroso na manutenção – o carro passou por quase todas as manutenções programadas em 25 anos (atrasando apenas duas, uma por 60 km e outra por 800 km), rodou mais de 330.000 km sem jamais ter tido o motor aberto, e estava com a mecânica em ordem. O tio de George nunca economizou na manutenção do SUV, e a recompensa veio depois.

George decidiu ajudar o tio a se livrar do Range Rover quando soube que seu destino era o ferro-velho – o que ele achava muito triste, considerando o quão bem o utilitário havia servido sua família por tanto tempo, incuindo várias viagens de balsa, tendo passado a maior parte do tempo em uma casa no litoral. Ele conta que, na época, o carro havia recebido um novo jogo de freios e novos amortecedores fazia poucos meses, bem como uma revisão mecânica geral.

O problema era mesmo a estrutura. Além do fato de ser um carro de praia, os Range Rover antigos não são exatamente famosos por sua resistência à corrosão. Por mais que a maior parte dos painéis da carroceria fosse de alumínio, a tampa do porta-malas, os para-lamas e partes como as caixas de ar e soleiras eram de aço, bem como assoalho. A corrosão era um problema comum nestes carros – e, para piorar, George explica que, embora a manutenção mecânica estivesse em dia, os funileiros que cuidavam do carro de seu tio “não estavam fazendo um trabalho adequado, sem que ele soubesse.” Em alguns momentos, é possível ver que a corrosão parece superficial – mas só parece.

Como já dissemos, a ideia inicial não era deixar o carro impecável, como novo – mas, ainda assim, foram necessários quatro anos de trabalho do início ao fim. Contudo, George ressalta que se não fosse a produção do stop motion, certamente o tempo da restauração seria cortado pela metade. Alguns procedimentos simples e rápidos, que levariam meia hora para ser feitos normalmente, se arrastavam por três ou quatro horas por causa das fotos.

Esta é a outra coisa que temos a obrigação de admirar neste projeto. A dedicação que George teve de praticar para produzir o filme é absurda. Em outro vídeo, ele conta que o stop motion foi feito em 24 quadros por segundo – ou seja, que foi preciso tirar 24 fotos para produzir cada segundo do vídeo. Calculando de forma grosseira: em 1h30 de vídeo são 5.400 segundos. Se cada segundo tem 24 quadros, foram tiradas quase 130.000 fotos.

Detalhe: cada uma destas fotos foi tratada individualmente para dar uniformidade à luz e à cor do vídeo, até mesmo por causa da mudança de iluminação – alguns segmentos que, no filme, duram apenas cinco ou dez segundos, na verdade foram realizados ao longo de alguns dias. E George fez tudo, absolutamente tudo, sozinho. O carro jamais saiu de sua garagem para ir a uma oficina.

O segundo vídeo, aliás, mostra um Lotus Esprit no qual George está fazendo a mesma coisa. Detalhe: foi postado um ano atrás (sim, só vimos agora…), e desde então não houve mais atualizações sobre o carro no canal. Mas, considerando a atenção aos detalhes que demonstra no Range Rover, certamente o Esprit vai levar ainda mais tempo para ficar pronto.

Sugestão do FlatOuter Rodrigo Leite

Este Uno 1.5R pode ser seu!

Participe!

Clique aqui e veja como

Compartilhe agora