A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Papo de Garagem Técnica Zero a 300

Fluxo, dutos e válvulas: a arte da preparação de cabeçotes

Vamos começar com números impactantes: 75% num motor naturalmente aspirado e 65% num motor turbo alimentado. São os valores aproximados de restrição causada pelo cabeçote — e não dá para ser diferente devido ao seu design e suas funções inerentes, como o controle de fluxo e a vedação da câmara de combustão. O ar encontrará dificuldades para passar pelo cabeçote sempre. Mas essa condição não significa o fim do caminho — pelo contrário. A dificuldade sempre cria bons inventores, nesse caso específico artífices que usam ferramentas manuais, pneumáticas e alguma pajelança para extrair mais dessa peça tão intrincada. Hoje vou revelar para vocês alguns segredos básicos da preparação de um cabeçote.   A síndrome do “ão” "Motores não bebem, eles respiram" - Aurelio Lampredi Sob um certo ponto de vista, os motores podem ser interpretados como bombas de ar. Tire o combustível e a centelha e teremos uma máquina que suga o ar por uma extremidade e o expulsa pel

Matérias relacionadas

Gol GT: como o esportivo salvou o próprio Gol de ser o grande fiasco da VW

Juliano Barata

Chevrolet Omega: o herdeiro do Opala e sua história | FlatOut 56

Juliano Barata

Como as marcas britânicas desapareceram do mapa – ou acabaram vendidas a estrangeiros

Leonardo Contesini