A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Games

Ford Simulator: o bizarro game de corrida que a Ford fez nos anos 1980

Uma tendência que vem ganhando popularidade nos últimos tempo são as “concessionárias virtuais”. No Salão do Automóvel de 2018, por exemplo, Fiat e VW estavam entre as fabricantes que anunciaram sistemas eletrônicos para comprar carros. No começo de 2019, a Ford anunciou seu plano para usar óculos de realidade aumentada em suas autorizadas – o mecânico colocará os óculos para examinar o carro do cliente e, com isto, um engenheiro na fábrica poderá ver exatamente o que o mecânico está vendo, e o ajudará a encontrar o problema e resolvê-lo. E isto é só um exemplo de como a tecnologia poderá ser utilizada. Isto sem falar na quantidade crescente de lançamentos online, feitos por streaming na internet.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

É natural que estes desenvolvimentos ocorram – os carros estão ficando cada vez mais avançados tecnologicamente, e a infraestrutura de vendas e atendimento deve mesmo acompanhá-los. Além disso, nos EUA, desde 2017 há planos para incorporar a realidade virtual nos test drives, indo um passo além no emprego de simuladores. A ideia é que o cliente possa experimentar o carro antes mesmo de pisar em uma concessionária, facilitando o trabalho do vendedor e evitando que todos percam tempo.

Estamos falando disto porque, recentemente, o pessoal do site The Drive trouxe à tona um curiosíssimo “simulador” que, começando em 1987, foi usado pela Ford exatamente com este intuito: ajudar o cliente a conhecer o portfólio da marca, carro por carro, e proporcionar um test drive virtual. Na medida do possível, claro – é impressionante o quanto os simuladores evoluíram nos últimos trinta anos.

Vamos dar um pouco de contexto: no final da década de 1980, boa parte dos computadores doméstico rodava o Microsoft DOS, o precursor do Windows. Eles estavam começando a ficar mais acessíveis e, com mais computadores nas casas das pessoas, a Ford decidiu aproveitar esta oportunidade e criar uma forma interativa de vender carros, usando o que havia de mais avançado na época em termos de simulação. Quer dizer… quase isto.

Alguns dos games de corrida clássicos daquela época são Super Monaco GP, de 1989; e Stunts, de 1990. Ambos estão entre os pioneiros no uso de gráficos poligonais, e eram dois bons exemplos de como explorar ao máximo a capacidade de processamento limitada da época. Isto não se aplicava, porém, ao simulador da Ford.

 

O “game”, chamado simplesmente Ford Simulator, era distribuído gratuitamente nas concessionárias – ou você podia encomendá-lo escrevendo ou telefonando para a Ford. A ideia era que o game fosse capaz de rodar em qualquer PC, e por isso os gráficos foram bastante simplificados, com uma paleta de cores limitada (porque muitos computadores tinham telas monocromáticas, mesmo) e uma engine física muito rudimentar.

No game, você só podia controlar um carro – que possivelmente era uma representação não muito fiel do Ford Thunderbird Super Coupe de 1989. O objetivo era ir de um ponto a outro no mapa, através de ruas e estradas dos EUA. Teoricamente era preciso desviar dos (vários) carros que apareciam no caminho e não bater em nada – mas não havia sistema de colisão, então era meio difícil perceber que você havia batido em alguma coisa.

Certamente era o maior chamariz do Ford Simulator era o simulator, mas ele não era a única coisa que vinha naqueles dois disquetes de 5″1/4.

O programa incluía uma “concessionária virtual”, onde se podia ver imagens pixeladas de todos os carros vendidos na época – incluindo as outras marcas do grupo, como Mercury e Lincoln. Todos os carros acompanhavam a ficha técnica completa, incluindo todas as especificações mecânicas e medidas – e até o preço na época.

 

Os outros dois itens inclusos eram uma mini-enciclopédia com alguns dos recursos e equipamentos oferecidos pela Ford na época – tudo com gráficos pixelados quase monocromáticos, bastante rudimentares; e um canal para “dar feedback”, que no caso era apenas uma caixa de texto. Você tinha de imprimir a mensagem e mandar para a Ford pelo correio. A internet moderna sequer havia sido inaugurada ainda.

O canal Lazy Game Reviews fez um tour bem abrangente pelo Ford Simulator 2.0 no vídeo abaixo – se você é do tipo que curte essas coisas nerds retrô obscuras e manja um pouco de inglês, vale a pena assistir na íntegra (como eu fiz). Mesmo que você nunca tenha conhecido esta pérola, a estética pré-anos 90 do game é nostálgica.

A Ford lançou, no total, sete versões de seu simulador entre 1987 – o último foi o Ford Simulator 7.0, de 1996, que já rodava no Windows 95. Único título da “franquia” a ser distribuído em um CD-Rom, o jogo vinha com vídeos em FMV para cada carro, narração, e um simulador em cores que tinha até colisões e cenários que simulavam 3D. A física, contudo, era péssima – apesar de a desenvolvedora Code to Go ter trabalhado no clássico Turbo OutRun, de 1989, cuja jogabilidade era bastante elogiada.

De lá para cá, obviamente os games evoluíram muito, e as fabricantes encontraram novas formas de utilizá-los para divulgar seus produtos – especialmente os games licenciados, como a série Ford Racing, que teve títulos lançados para várias plataformas entre 2000 e 2018; ou F355 Challenge, que foi lançado para arcade em 1999, e para Dreamcast e PS2 no começo dos anos 2000.

No entanto, os games licenciados são uma forma muito mais natural de demonstrar carros – o que não torna a série Ford Simulator menos interessante, por seu contexto histórico.

Houve, também, outras ações especiais envolvendo games. Em 2004, pouco antes do lançamento de Gran Turismo 4, a BMW presenteou os compradores do BMW Série 1 com uma demo do game, com o subtítulo “BMW Virtual Drive Dealership”. No game, era possível pilotar o 120d ou o 120i nos circuitos de Nürburgring, New York ou Amalfi. O vídeo também mostrava algumas filmagens do hatchback, e continha um texto promocional exaltando suas qualidades. Hoje em dia, o disco é um item de colecionador bastante raro.

Em 2007, a Toyota disponibilizou para download gratuito no XBOX 360 o game Yaris, que era uma espécie de Twisted Metal futurista, onde o único carro disponível era o Yaris com um tentáculo segurando uma arma a futurista saindo do capô (sim, era isto mesmo). Os gráficos eram ruins e a jogabilidade, extremamente confusa. Mas, bem, era um game grátis.

Por fim, o conceito de “concessionária virtual” nunca desapareceu – ao contrário: à medida em que a os computadores e a internet foram evoluindo, tornaram-se viáveis os populares configuradores online, que estão cada vez mais interativos mas, em essência, têm a mesma função que o catálogo interativo da Ford.

Matérias relacionadas

A história da Ferrari Dino 246 GTS que foi enterrada em um quintal nos anos 70

Dalmo Hernandes

Nomes iguais, carros diferentes: os xarás do mundo automotivo – Parte 1

Leonardo Contesini

Adamastor P003RL é o Lotus Elise português | Lasanhas sem Fronteiras

Dalmo Hernandes