A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Automobilismo

Grande Prêmio do Vietnã: tudo o que sabemos até agora sobre o mais novo circuito da F1

Confirmado em novembro passado, o Grande Prêmio do Vietnã será parte da temporada 2020 da Fórmula 1.  O país será o mais novo destino “exótico” da categoria, depois de Rússia, Cingapura, Bahrein, Abu Dhabi, Azerbaijão, China e Malásia. Felizmente, desta vez nenhum circuito tradicional foi riscado do calendário para dar lugar ao GP do Vietnã: ele será o 22º GP do calendário, substituindo o GP da Malásia, que deixou de ser realizado em 2017.

A inclusão de um país sem nenhuma tradição no automobilismo — ou mesmo em automóveis, visto que o transporte individual no Vietnã é feito majoritariamente por motos — também causa apreensão nos fãs: será que vem por aí mais um dos maçantes, profiláticos e inócuos Tilkódromos? Ou há uma pequena possibilidade de que ele seja divertido e interessante também pelo traçado, e não apenas pelo exotismo tropical-oriental? É justamente o que vamos analisar neste post.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

 

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Os primeiros boatos de que o país asiático receberia a Fórmula 1 começaram a surgir em 2016, quando Bernie Ecclestone ainda comandava o circo. Na época, porém, Ecclestone vetou pessoalmente a possibilidade, alegando que já havia corridas suficientes na Ásia – na ocasião, faziam parte do calendário os Grandes Prêmios do Japão, da China, de Cingapura e da Malásia.

Depois da compra da Fórmula 1 pelo grupo Liberty Media – e da extinção do GP da Malásia, que teve sua derradeira edição em 2017 – o panorama começou a mudar. Nos meses seguintes, os rumores começaram a tomar mais força, especialmente depois que o diretor da Fórmula 1, Charlie Whiting, falecido em março, visitou a capital vietnamita para avaliar a locação.

As obras para a construção do circuito começaram logo após a confirmação e seguem aceleradas: a corrida ainda não tem data marcada, mas sabe-se que, por questão de logística, a prova vai acontecer no mês de abril – perto do Grande Prêmio da China. A inauguração do circuito deverá acontecer nas semanas que antecederão a corrida.

O Circuito de Rua de Hanoi (Hanoi Street Circuit), como vem sendo chamado por enquanto, foi desenhado por Hermann Tilke – o projetista responsável por todos os circuitos adicionados ao calendário da Fórmula 1 desde 1999. Em duas décadas de contribuição na F1, Tilke não construiu a melhor das reputações entre os fãs do automobilismo, e os chamados “Tilkódromos” são vistos, geralmente, como traçados insossos e pouco inspirados.

Não demorou muito para que a Fórmula 1 divulgasse as primeiras imagens do traçado, entre fotos e vídeos. Munidos da apresentação oficial, decidimos analisar rapidamente o Circuito de Rua de Hanoi. O que podemos esperar?

Para começar, um esclarecimento: embora seja tratado como um circuito de rua, apenas parte do traçado é localizado em vias públicas de Hanoi – o restante será um complexo permanente, construído especificamente para a Fórmula 1. Aí está inclusa a reta dos boxes e a estrutura da pit lane, que tem o projeto inspirado na arquitetura clássica vietnamita. Na prática, a divisão entre trechos de rua e trechos permanentes é de 50:50.

O traçado tem 5.565 metros de extensão e é dividido em duas seções básicas, com 22 curvas e três longas retas. A reta dos boxes é a terceira mais longa, com 650 metros, seguida da reta oposta, com 800 metros. A reta principal é a mais longa, com 1,5 km de extensão – nela, espera-se que os carros atinjam até 335 km/h antes da curva.

Aliás, boa parte dos pontos de ultrapassagem do traçado consiste justamente em um trecho reto seguido de uma curva de baixa velocidade – um recurso eficaz, de fato, porém bastante óbvio, e usado em excesso nos últimos projetos de Tilke. As ultrapassagens ficam fáceis demais, quase forçadas, especialmente com o uso do sistema de redução de arrasto (DRS).

O miolo do circuito, onde está concentrada a maior parte das curvas, possui diversas ideias interessantes, com um trecho de “esses” e uma rotatória onde ficam as arquibancadas. No entanto, estas curvas estão todas em sequências, posicionadas de forma excessivamente condensada, em sequência – o que acaba reduzindo as oportunidades para ultrapassagens mais ousadas, enquanto os pilotos são obrigados a negociar com as curvas.

O vídeo acima foi divulgado por Herman Tilke, e mostra uma volta onboard no circuito de Hanoi em um simulador virtual. É a melhor maneira de visualizar o traçado que se tem até agora – e também escancara outra questão preocupante a respeito do circuito: aparentemente há pouca variação topográfica, e um circuito plano demais acaba ficando automaticamente mais previsível e menos desafiador. A geometria do terreno urbano não colabora para isto.

Mas nem tudo são críticas. Repare no trecho que compreende as curvas que vão de 6 a 9 (na parte inferior do mapa abaixo, ligando as duas retas mais longas). A longa curva aberta lembra bastante a curva sul do lendário circuito de Avus, e deverá ser uma das seções mais interessantes do traçado.

Falando nisso, há curvas do Circuito de Hanoi foram assumidamente inspiradas em outros traçados. As curvas 1 e 2, por exemplo, imitam as duas primeiras curvas do circuito de Nürburgring:

Já as curvas 12 a 15, no miolo do circuito, foram inspiradas em Mônaco – mais precisamente, da primeira curva até a subida para a Massenet:

As curvas 16 a 19, por sua vez, são evidentemente inspiradas pelos icônicos Esses de Suzuka:

Um detalhe interessante é que a reta dos boxes, localizada neste trecho, corta duas curvas – a última e a primeira (22 e 1). De acordo com Herman Tilke, a ideia é estimular as equipes a variar a estratégia das paradas. É possível que, em vez de fazer uma única parada, os pilotos parem mais vezes e aproveitem a passagem pela pit lane (que é mais curta que de custume) para ganhar algumas frações de segundo nas voltas. É um dos aspectos mais criativos do traçado… o que, honestamente, não soa muito animador.

É claro que, antes de ver um carro de Fórmula 1 de verdade acelerando no Circuito de Hanoi, é difícil saber exatamente como ficará o espetáculo. Por enquanto, só podemos especular. O que você achou?

Matérias relacionadas

A história da Audi no DTM – através de seus carros

Dalmo Hernandes

Marlboro: o “cigarro saudável” que ajudou a escrever a história do automobilismo

Leonardo Contesini

Targa Tasmania: a história do mais famoso rali de velocidade da Austrália

Dalmo Hernandes