A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Motos

Guia FlatOut: as diferentes competições de motociclismo

Rali, turismo, arrancada, fórmula, protótipos-esporte, time attack, subida de montanha (ou hillclimb), drift… você provavelmente conhece bem as diferentes modalidades e categorias do automobilismo. Mas você pode dizer o mesmo das competições de moto?

Sim, é claro que existem fãs que acompanham e entendem de tudo. Mas percebo que muitos entusiastas dos carros não estão tão por dentro assim do mundo das duas rodas – e, de fato, são universos diferentes. Gostamos de tudo que tem motor e faz barulho, mas é normal ter preferências e manjar mais de uma coisa do que de outra.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Pensando assim – e na nossa intenção de incluir as motos com mais frequência em nossa linha editorial –, decidimos fazer mais um guia sobre duas rodas. Depois de falar dos tipos de motocicletas que existem, vamos explicar as diferentes competições motociclísticas, que são tão variadas e interessantes quanto as disputas de automóveis.

De acordo com a FIM (Fédération Internationale de Motocyclisme, órgão sediado na França análogo à FIA), existem quatro categorias principais de motociclismo: Asfalto, Motocross, Enduro e cross-country, e Oval. Cada uma destas categorias é dividida em diversas subcategorias. É nelas que vamos nos focar neste post.

 

Asfalto

Road racing

 

Em inglês, atualmente todas as formas de motociclismo no asfalto são chamadas de road racing, como um termo guarda-chuva. Entretanto, o conceito original de road racing referia-se a corridas disputadas em vias públicas demarcadas. Com o alto risco envolvido, tais circuitos hoje em dia fazem parte do passado, com pouquíssimos exemplos sobreviventes. O mais conhecido deles com certeza é o Snaeffel Mountain Course, em Isle of Man, onde desde 1907 é realizado o Tourist Trophy.

Com seus mais de 60 km de extensão e longos trechos onde é possível chegar aos 340 km/h, o Snaeffel Mountain Course é reconhecidamente um dos mais desafiadores e perigosos do planeta. A prova só sobrevive por sua importância histórica e econômica para a Isle of Man – e, ainda assim, bem diferente do que era há décadas. Em vez de uma corrida propriamente dita, como era antigamente, atualmente o TT é um time trial, com os competidores disputando o contra o relógio e não diretamente entre si.

Outras corridas importantes na modalidade são a Ulster GP e a North West 200, ambas de 200 milhas (320 km), e ambas na Irlanda do Norte.

 

Grand Prix

As provas de Grand Prix são extremamente populares – competições feitas em circuitos fechados, equivalentes às provas de monopostos dos automóveis. Atualmente a categoria é dividida em três classes: Moto3, para motores monocilíndricos de 250 cm³; Moto2, que atualmente usa um três-cilindros de 765 cm³ fornecido pela Triumph; e MotoGP, que permite motores de até 1000 cm³.

 

Superbike

A Superbike é a categoria mais próxima das corridas de Turismo quando se trata de motocicletas. Enquanto as motos de Grand Prix são basicamente protótipos, as Superbikes são baseadas em modelos de produção, e a carenagem deve manter o mesmo projeto básico dos especiais de homologação. Existem subdivisões, de forma semelhante ao que ocorre nos Grand Prix.

Atualmente são admitidos motores bicilíndricos de 800 cm³ a 1.200 cm³, e quatro-cilindros de 750 cm³ a 1.000 cm³, sempre com quatro tempos.

 

Supersport

A categoria Supersport pode ser entendida como a classe imediatamente abaixo da Superbike. Os motores admitidos têm menor deslocamento – de 400 cm³ a 600 cm³ para os quatro-cilindros, e entre 600 cm³ e 750 cm³ para os bicilíndricos. Em ambos os casos, as motocicletas são bem mais próximas de suas equivalentes de rua, tanto na configuração da carenagem quanto na preparação mecânica. Considera-se a Supersport como a categoria de acesso à elite do motociclismo, com os pilotos migrando para as Superbikes e, depois, para os Grand Prix.

 

Longa-duração

As provas de longa duração (endurance) funcionam da mesma forma que as corridas de protótipos-esporte: seu objetivo é testar a durabilidade do conjunto mecânico e a resistência dos pilotos, que revezam-se ao guidão. Da mesma forma que acontece com os carros, as 24 Horas de Le Mans do motociclismo são a corrida mais importante do ano.

 

Sidecars

Sim, existem corridas de motos com sidecars – ainda que, hoje em dia, os veículos utilizados sejam bem diferentes de uma motocicleta com um sidecar. Eles estão mais para protótipos aerodinâmicos feitos sob medida. Mas a ideia é a mesma: aumentar o desafio da corrida ao exigir que piloto e “carona” façam movimentos sincronizados e precisos nas curvas.

 

Off-road

Motocross

O motocross tradicional é disputado em circuitos fechados não-pavimentados, com diferentes tipos de superfície – terra, lama, cascalho ou grama. A maior parte dos circuitos possui elevações para possibilitar saltos.

Uma diferença importante em relação às provas no asfalto é que, no motocross, as motos estão muito mais próximas entre si – e são muitas em um pequeno espaço. As largadas geralmente são paradas, e não é raro ver mais de 40 motos no grid. Geralmente o primeiro motociclista a se livrar da “bagunça” recebe um prêmio em separado, mesmo que não vença a corrida.

 

Supercross

As provas de supercross (SX) são, basicamente, corridas de motocross em circuitos indoor, como galpões ou (de forma mais comum) estádios. Os percursos são menores e há menos motos no grid, mas a densidade de obstáculos por metro é maior – o que torna a pilotagem mais técnica e desafiadora, ainda que a velocidade seja menor.

 

Supermoto

As corridas de supermoto são disputadas em circuitos mistos de asfalto e terra/lama/grama que podem ser dedicados e permanentes, ou temporários – usando trechos urbanos e rurais, por exemplo, com a proporção entre pavimentação e ausência de pavimentação variando de acordo com os projetistas. Os pneus utilizados são os de asfalto, o que aumenta bastante o desafio nos trechos de terra e exige uma adaptação rápida do piloto (e um bom acerto de suspensão da moto).

 

Enduro e Cross-Country

Enduro

As provas de enduro (não confundir com endurance) são realizadas em circuitos naturais, com áreas de floresta e extensão relativamente grande – 10 milhas (16 km) são o padrão. O foco do enduro é testar a resistência do piloto, mais do que da moto. Os percursos são divididos em vários estágios, com diferentes propósitos – em alguns, o desafio é chegar exatamente no tempo previsto, com penalidades para chegar atrasado ou cedo demais; enquanto outros exigem que se chegue o mais rápido possível. Tipicamente uma prova de enduro dura algo entre três e quatro horas.

 

Rally cross-country

O cross-country pode ser encarado como uma versão extendida do enduro, com regras muito parecidas – exceto que podem durar vários dias, e são disputados em ambientes mais variados. Um exemplo conhecido é o Rally Dakar, que conta com uma categoria exclusiva para motocicletas, mas existem outras provas, como o Rali do Marrocos, o Desafio de Abu Dhabi e o Silk Way Rally.

 

Trial (ou MotoTrial)

As provas de trial são uma variação do enduro que foca na habilidade de controle do piloto sobre a moto. Uma competição de baixa velocidade, o MotoTrial costuma ser realizado em circuitos de obstáculos, como escadarias e pedreiras (ou seja, obstáculos construídos e naturais), e o objetivo principal é percorrer todo o trajeto sem colocar os pés no chão. As motos são extremamente leves, possuem suspensão com pouco curso, e não têm bancos – o piloto simplesmente não se senta, usando a força das pernas e o equilíbrio para manter-se em cima do veículo. A vitória é definida por pontos, através de um observador que conta quantas vezes o piloto tocou o chão com os pés.

https://www.youtube.com/watch?v=Z23tmRNld-4

Embora seja mais popular na Europa, o MotoTrial tem praticantes no mundo todo – e muitos pilotos de asfalto e terra utilizam a modalidade como um método de cross-training.

 

Oval

Os ovais também são chamados de track racing em inglês, e consistem exatamente em corridas em circuitos ovais. O que difere entre suas diferentes subcategorias é, na verdade, o tipo de superfície.

No início do século 20, o piso mais comum eram as pistas de madeira, material que mais tarde deu lugar ao concreto queimado e polido e ao chão batido. Existem, também, ovais de gelo ou piso natural, outdoor ou indoor. Um elemento que não muda tanto é a extensão do circuito, que costuma ter ser de meia milha (804 metros) ou uma milha (1.602 metros).

A AMA (American Motorcyclist Association) dita outras regras no caso dos EUA: as motos devem usar pneus “classe C”, bem próximos de pneus de rua; as curvas são sempre feitas para a esquerda (ou seja, a pista é percorrida no sentido anti-horário) e apenas o uso do freio traseiro é permitido.

Matérias relacionadas

The Otto: a incrível moto de corrida com motor V8 da Moto Guzzi

Dalmo Hernandes

Britten V1000: quando um desconhecido da Nova Zelândia ensinou ao mundo como fazer uma moto de corridas

Leonardo Contesini

Divindades nas máquinas: as incríveis motos customizadas Deus Ex Machina

Dalmo Hernandes