A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História

Hayabusa Sports Prototype: quando a Suzuki fez um project car de fábrica com motor de supermoto

Entre os motores de moto que acabam indo parar em veículos de quatro rodas, talvez o quatro-cilindros da Suzuki GSX1300R Hayabusa seja o mais popular. Não é difícil entender o motivo: com 1,3 litro de deslocamento e 175 cv a 9.800 rpm, ele é mais potente que o também emblemático Honda B16 – que, com 160 cv, já foi o motor naturalmente aspirado de maior potência específica do planeta. Ah, o B16 tem 100 cv por litro? O motor da ‘Busa tinha 135 cv por litro.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicos, histórias de carros e pilotos, avaliações e muito mais!

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Isto em 1999, quando a Hayabusa de primeira geração foi lançada. Em sua configuração mais recente, o motor de 1.340 cm³ entregava 200 cv a 10.100 rpm. São 154 cv por litro!

Mas você sabia que a própria Suzuki já colocou, em mais de uma ocasião, o motor da Hayabusa em um carro? Se não sabia, agora sabe. Eis o que aconteceu.

O motor da Hayabusa foi projetado levando em consideração um veículo bem mais leve que dos Civic Type R, que pesava 1.073 kg. Isto quer dizer que a capacidade de subir de giro rápido era uma prioridade muito maior do que o torque em baixa. Mas, em carros realmente leves – digamos, menos de 700 kg – ele é mais do que capaz de garantir diversão ao volante. Que o digam os poloneses, que adoram colocar o motor da Hayabusa no minúsculo Fiat 126P e correr com eles, seja em arrancadas ou subidas de montanha.

Tanto é que, já em 2001, a própria Suzuki tratou de inaugurar uma categoria de monopostos com o motor da Hayabusa. Era a Formula Suzuki Hayabusa (bem literal, não), na qual corriam carros idênticos, todos pesando os mesmos 430 kg. Hoje em dia boa, parte dos carros é utilizada em corridas, track days e exibições – conforme demonstrado abaixo. De nada!

 

Mais do que isto: em 2002, a fabricante decidiu provocar os entusiastas japoneses com a possibilidade de colocar em produção um carro esportivo inspirado nos Formula Suzuki. Seu nome era simples e objetivo como ele: Suzuki Hayabusa Sport Prototype – literalmente, um protótipo de esportivo com a mecânica da Hayabusa.

Apresentado no Tokyo Auto Salon de 2002, o Hayabusa Sports Prototype, ou simplesmente HSP, trazia a mescla perfeita de filosofia old school e engenharia contemporânea: um cupê de motor dianteiro com a clássica proporção dos grand tourers (capô longo, teto fastback e traseira curta), câmbio manual e tração traseira; porém com estrutura do tipo spaceframe de alumínio, suspensão por braços triangulares sobrepostos nas quatro rodas e carroceria de fibra de carbono, com aerodinâmica acertada em túnel de vento.

O Suzuki HSP era referido pela companhia como “o esportivo de baixo peso definitivo”, e fez questão de fazê-lo totalmente funcional e muito bem acabado, quase como se estivesse pronto para as concessionárias. A cor amarelo-cítrico não favorecia muito o visual da carroceria mas, francamente: este carro tinha todo o direito de ser muito mais feio, se quisesse!

Ele pesava só 550 kg com fluidos – e, mesmo com o câmbio montado junto do motor, conseguia obter uma distribuição de peso perfeita, com 50% sobre cada eixo. O conjunto motriz ficava todo atrás do eixo dianteiro, e até mesmo o sistema de escape foi posicionado de modo a tornar o centro de gravidade do Suzuki HSP mais baixo. O assoalho era plano para melhor eficiência aerodinâmica, enquanto a traseira era “arrebitada” para aumentar a downforce na região. E ele tinha até portas do tipo asa-de-gaivota, que facilitavam (nem que fosse um pouco) o acesso ao interior – que a Suzuki chamava de cockpit.

O interior, aliás, era extremamente básico, contando apenas com o necessário para uma boa e pura experiência de pilotagem – volante de diâmetro na medida e com boa pegada, bancos concha com cintos de competição, a alavanca do câmbio sequencial de seis marchas bem próxima da mão e pedais bem posicionados. O quadro de instrumentos era o mesmo da Hayabusa, adaptado com uma nova moldura, e trazia o essencial: velocímetro, conta-giros, nível do combustível e temperatura, além de algumas luzes espia e do hodômetro.

Mas o fato de ser básico não queria dizer que o interior do conceito fosse mal executado: o acabamento era simples, porém muito bem feito, transparecendo funcionalidade de forma muito elegante. Minimalismo de alto nível.

Todo o capricho culminou com a Suzuki realizando todos os testes necessários para homologação do carro – incluindo simulações de crash tests. Era como se eles estivessem prontos para surpreender o mundo com um project car de fábrica.

O que, obviamente – porque certas coisas são mesmo boas demais para ser verdade – a Suzuki tratou de informar logo de cara, de modo a não deixar dúvidas. Citando a própria fabricante, em comunicado oficial da época:

O protótipo que foi apresentado no Salão ainda não está pronto para rodar em vias públicas. No momento, não há nada planejado em termos de desenvolvimento, produção e vendas.

Assim, sem ao menos pedir desculpas, ou mesmo fazer alguma brincadeira para descontrair. Nem um “Quem sabe, não é? A gente adoraria fazer um carro assim!”, nada disto. Só um sincero “não”.

A Suzuki é uma das fabricantes japonesas que preferem atender ao público que precisa de um carro barato, compacto e econômico. Vez ou outra eles resolvem fazer um agrado aos entusiastas e colocam nas ruas carros mais do que interessantes, como o Suzuki Swift GTI dos anos 1990 ou o Swift Sport R, mais recentemente; ou o Capuccino, kei car com motor dianteiro, tração traseira e jeito de mini-Dodge Viper. Atualmente a Suzuki só anda recebendo elogios ao novo Jimny, que manteve a capacidade off-road surpreendente da geração anterior, mas apostou em um design mais divertido e retrô.


Mas eles não são conhecidos por carros esportivos com tecnologia de ponta, com pedigree de competição – como é o caso do Toyota Supra, do Mazda RX-7, do Subaru WRX ou do Mitsubishi Evo. Talvez seja exagero pensar no Hayabusa Sport Prototype como o responsável por uma hipotética mudança nesta percepção. De qualquer forma, nunca saberemos.

Matérias relacionadas

Uma breve história de (quase) todos os hot hatches da Volkswagen – parte 1

Dalmo Hernandes

A incrível e trágica história do IBAP Democrata

Dalmo Hernandes

Não. Não foi a Mercedes quem inventou as portas asa-de-gaivota

Leonardo Contesini