A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História Zero a 300

Hispano Suiza, parte 2: o auge do luxo, os veículos militares e o fim da história

Há cerca de uma semana, começamos a contar aqui no FlatOut a história da Hispano-Suiza, a fabricante com um dos nomes mais marcantes de todos os tempos. Porém, mais do que isto, a Hispano-Suiza foi uma das grandes companhias que produziram carros de luxo na primeira metade do Século XX. Mais do que isto, eles o fizeram na França, na Espanha e até na Argentina. Sem sombra de dúvida o Hispano-Suiza mais famoso é o H6, que era anunciado pela marca como o melhor carro do planeta. E, de fato, era um carro extremamente avançado para seu tempo, especialmente no departamento mecânico: seu motor era um seis-em-linha com comando no cabeçote com algo entre 115 e 135 cv, sendo mais potente que os motores usados pelos Rolls-Royce e Bentley da época. No fim do post anterior, dissemos que o H6 foi o carro-chefe (literalmente) da Hispano-Suiza durante a década de 1930. Só que ele não foi o único veículo memorável feito por eles naquele tempo. Em 1931, um novo modelo, com o dobro dos cilindros, f

Matérias relacionadas

Brabham BT62: o novo carro da lendária equipe tem um V8 de 5,4 litros e 710 cv

Dalmo Hernandes

Governo cancela instalação de 8.000 radares, T-Cross e Yaris vão bem no NCAP, o interior do novo Prisma e mais!

Fast five: a história do clássico motor cinco-cilindros da Audi

Dalmo Hernandes