A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História

A história do Shelby feito para derrotar a Ferrari nos anos 60

Dizem que Carroll Shelby costumava colocar uma nota de US$ 100 no painel do Cobra quando o demonstrava a possíveis compradores. Se o cliente conseguisse se inclinar para frente e pegar a nota antes do Cobra atingir 160 km/h, ele podia ficar com a grana. Dizem que ninguém jamais ganhou os US$ 100 nessa brincadeira. Mas não estamos aqui para falar do Cobra. Na verdade até estamos, já que além de o Daytona Coupe ser praticamente um Cobra de roupa nova, a única razão de sua existência foi compensar as falhas do Cobra. Sacrilégio? Sim, nós sabemos que é. Acredite você que nós gostamos dos Shelby Cobras tanto quanto qualquer outro fanático. E pela enésima vez estamos cultuando o roadster, mas dessa vez as atenções serão voltadas ao carro que fez o impossível; o carro de corridas que derrotou Enzo e suas belas Ferrari em seu próprio jogo. No começo dos anos 60 Carroll Shelby retornou de uma triunfal conquista da Europa. Pilotando para David Brown e para a Aston Martin o criador de galinhas

Matérias relacionadas

Volante, pedais e alavancas: uma breve história de como dirigimos hoje

Dalmo Hernandes

Grande Prêmio de Mônaco de 1988: quando Senna errou e não se perdoou por isso

Dalmo Hernandes

BMW M5: 30 anos e cinco gerações do carro que definiu o sedã esportivo moderno

Dalmo Hernandes