A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Kharkovchanka: uma casa sobre rodas de 1.000 cv para explorar a Antártida

Você deve lembrar que, há alguns meses, fizemos uma matéria sobre o Snow Cruiser, uma verdadeira fortaleza sobre rodas feita pelos americanos para servir como moradia e transporte durante a exploração do Continente Antártico na década de 1940. Curiosamente, apesar de suas dimensões colossais – 17 metros de comprimento, 6 metros de altura e 34 toneladas, o Snow Cruiser desapareceu após ser abandonado pela equipe – os EUA estavam entrando na Segunda Guerra Mundial e o orçamento para o projeto foi cortado.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Mas os americanos não foram os únicos a construir um veículo absurdamente grande para morar e se locomover na Antártida: os soviéticos também o fizeram. E, ao menos nesta disputa, eles se saíram melhor. Não que tenha sido uma disputa de fato – o Kharkovchanka, como foi chamado o veículo (ele era construído em Karkhov, na Ucrânia), só foi construído em 1958, quase duas décadas depois que o Snow Cruiser desapareceu na Antártida. Mas, diferentemente do veículo americano, que tinha algumas falhas de projeto difíceis de resolver sem uma reformulação completa, o Kharkovchanka fez muito bem seu trabalho. Tanto que mesmo agora, mais de meio século depois, algumas unidades continuam operacionais.

 

A ideia de construir os Kharkovchanka surgiu justamente depois da Segunda Guerra Mundial. Com o fim do conflito, a União Soviética mergulhou de cabeça na ideia de montar uma expedição permanente na Antártida – e, talvez, mostrar aos norte-americanos como se fazia uma fortaleza sobre rodas para viver no gelo.

Para isto, em vez de criar um veículo do zero, usando uma plataforma própria e motores a diesel e elétricos (o que, efetivamente, fazia do Snow Cruiser americano um híbrido), os soviéticos optaram por usar uma base já bem conhecida e de eficácia comprovada: o AT-T, trator de artilharia soviético que, por sua vez, usava como base a plataforma do tanque T-54, que serviu durante a Segunda Guerra Mundial.

O AT-T tinha exatamente o mesmo chassi e o mesmo conjunto mecânico do T-54 – ou seja, ele era movido por um V12 de 39 litros (!) capaz de entregar algo entre 500 cv e 800 cv, dependendo da versão. Diferentemente do tanque, o AT-T tinha motor e câmbio (uma caixa sincronizada de cinco marchas à frente e uma à ré) na dianteira e uma cabine de caminhão. Ele foi o primeiro veículo utilizado na expedição soviética à Antártida, em meados da década de 1950. E ele não se saiu mal – diferentemente do Snow Cruiser, que tinha enorme pneus de borracha lisos, o AT-T movia-se sobre lagartas e possuía uma capacidade de tração muito maior.

Ele só tinha alguns problemas: sua função principal era rebocar trailers e contêineres de carga pela neve da Antártida – e isto era um problema por si só, já que os trailers não tinham tração e frequentemente atolavam na neve. A adoção de lagartas mais largas ajudava parcialmente a reverter esta situação, mas não era o ideal.

O ideal seria construir um veículo que não precisasse puxar nada, armazenando tudo o que a equipe de exploração necessitasse para sua sobrevivência e seu trabalho a bordo. E foi assim que surgiu o Kharkovchanka – um projeto que levou apenas três meses da concepção ao início da fabricação.

O briefing era desafiador: construir uma espécie de ônibus capaz de acomodar com relativo conforto seis pessoas, mais seus equipamentos, uma sala de controle, cozinha, banheiro e uma sala de reuniões. Tudo isto em um único veículo. Pense no Kharkovchanka como um motorhome ultra-especializado.

Por esta razão, optou-se por algo parecido com um ônibus, aproveitando o espaço da melhor forma possível, montada sobre um chassi esticado de AT-T, com cerca de nove metros de comprimento. Tudo isto pesava 35.000 kg, exigindo um motor mais forte – o motor V12 de 39 litros recebeu dois turbocompressores e um supercharger para chegar aos 995 cv. E a sobrealimentação ainda ajudava o propulsor a ter desempenho menos sofrível em altitudes elevadas, onde o oxigênio rarefeito prejudica a combustão.

Com lagartas de um metro de largura, o Kharkovchanka era capaz de atingir os 30 km/h – não era preciso mais do que isto no ambiente Antártico, onde conseguir se locomover já era uma grande conquista. E, na verdade, a velocidade de operação era, em média, de 5 km/h – pouco mais que uma pessoa caminhando.

Por dentro, uma área de 28 m³ (o mesmo que um apartamento pequeno), com tudo interligado – no quarto, por exemplo, havia uma escotilha de acesso ao motor – e era preciso trabalhar nele constantemente, porque as condições severas (a temperatura chegava a baixar de -75°C) as falhas mecânicas eram frequentes. Consumo excessivo de combustível, lubrificação deficiente e também falhas no sistema de aquecimento central tornaram a viagem extremamente difícil – oito camadas de lã de carneiro embutidas na carroceria não eram suficientes.

Por conta disto, do desembarque à Antártida em 10 de janeiro 1959 até o fim da primeira expedição, com a chegada e instalação no Polo Sul, passou-se um ano inteiro viajando inexploradas, que jamais haviam sido sequer sobrevoadas, e que mudavam constantemente – a paisagem e a geografia da Antártida mudam constantemente. A chegada ao Polo Sul geográfico aconteceu só em 26 de dezembro daquele ano.

Uma base dos Estados Unidos havia sido construída recentemente. Ignorando a rivalidade entre EUA e URSS e a Guerra Fria, os exploradores norte-americanos deram as boas vindas aos soviéticos, mostraram a eles o local, e hastearam uma bandeira norte-americana ao lado de uma bandeira soviética – em uma rara demonstração de cooperação entre os dois impérios.

No total, três unidades do Kharkovchanka foram construídas, mas só uma delas sobrevive – o unidade nº 22, identificada pela pintura; enquanto os restantes possivelmente acabaram servindo como doadores de peças para mantê-lo funcionando por mais tempo. Ele foi utilizado pela base russa Vostok na Antártida para exploração por décadas, sendo aposentado apenas em 2010. Depois disto, a Rússia enviou um pedido ao Tratado da Antártida para tornar o Karkhovchanka-22 um monumento histórico à exploração soviética do continente gelado, como um atestado às capacidades dos engenheiros e cientistas da antiga União Soviética e suas contribuições para que a humanidade conhecesse melhor aquela região remota.

Sugestão do leitor Daniel Cruz

Matérias relacionadas

V12 in da haus: a história do Série 8 e do protótipo secreto do primeiro M8

Leonardo Contesini

Esta Kombi 1972 é na verdade um Subaru WRX de 400 cv disfarçado

Dalmo Hernandes

Alfa Romeo 110 anos: uma história em 7 carros