A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #425

Mais uma perua salva: meu Ford Focus Wagon está pronto!

Olá, nobres amigos. Este será o último episódio dessa história, e termino essa série contente por ter documentado o processo de compra, reparo e modificação desse projeto. Por ter focado mais na parte mecânica do projeto até então, não faria sentido postar tantas fotos da estética do carro, mas isso vai mudar no episódio de hoje.

Antes, gostaria de agradecer a todos que acompanharam e apoiaram o projeto ao longo do primeiro e segundo episódios, agradecendo a um ex-colega cuja sem a influência talvez eu não tivesse conhecido o blog e, obviamente, não teria conhecido vocês também. Utzig, thanks bro!

Bem, decidi iniciar a customização do Focus pelo mais simples, pintando os para-barros, lixando, passando primer para base e verniz para finalização. Em mais um sábado normal com agradáveis -10ºC pela manhã fui tirar as rodas do carro para dar início ao processo de reparo e pintura das mesmas, inicialmente fazendo somente as rodas traseiras, podendo assim me concentrar mais em poucas peças ao mesmo tempo.

Com a ajuda da minha genial esposa, consegui isolar os pneus usando sacos plásticos e uma espátula plástica, fotografei e removi os pesos do último balanceamento, lixei tudo, passei a primeira mão de primer e deixei descansar.

01

Aproveitei o tempo disponível, embora o clima não estivesse tão agradável, para instalar os para-barros traseiros e também um pequeno extra.

02

Adquiri uma ponteira dupla para o escapamento por apenas $10, mas foi necessário cortar uma pequena parte do cano original para que este entrasse no lugar. Foi uma instalação rápida e o resultado ficou bem legal.

03

 

Mais algumas aplicações de primer, tinta e verniz ao longo de dois dias proveram uma cobertura final uniforme, resistente e brilhante em ambas as rodas.

04 05

Durante a remoção das rodas traseiras havia notado uma pequena folga no rolamento do lado do passageiro e, depois que o rolamento do lado do motorista explodiu a 120km/h algumas semanas antes, eu sabia que aquilo poderia ser importante. Comprei as peças necessárias efetuei o reparo em menos de uma hora, mas cometi um erro no processo.

06

Ao efetuar o transplante do anel de tom do ABS, apresentado acima com a superfície magnética preta, não o encaixei suficientemente para dentro no centro do tambor, fazendo com que raspasse no sensor de velocidade que fica a poucos milímetros de distância, fazendo assim com que a peça fosse irremediavelmente danificada. O sistema de ABS apresentou mau funcionamento acionando indesejadamente sempre que eu reduzia a velocidade lentamente, o que foi remediado removendo o fusível do mesmo e mantendo o sistema desligado até conseguir um novo anel.

As opções seriam comprar no eBay pagando $30 e esperar uma semana até a chegada ou ir ao junkyard desmontar alguns carros em uma tempestade de neve, torcendo para não cobrarem caro pois nem estava catalogada no sistema deles. Como um incurável gearhead, escolhi a segunda opção. Passei duas horas desmontando três carros até encontrar um anel digno de uso, aproveitando para pegar umas coisas mais. Quando passei no caixa o gerente me olhou, cheio de neve, com frio e sujo de graxa e disse apenas “tenha um bom dia!”. Eu fiquei alguns segundos realizando, na minha cabeça o que havia acontecido enquanto o gerente abria a porta para que eu não precisasse largar o carrinho. Inacreditável, não é mesmo?

Dentre os itens adquiridos estão, claro, o anel de tom do ABS, um estojo com manuais e encartes acompanhados por um CD de apresentação do Focus e ainda a bota em couro do freio de mão.

07

Nos dias seguintes finalizei a pintura das rodas dianteiras e ainda tive um tempo para passar uma noite em Las Vegas visitando a Freemont Street Experience, entre outras atrações.

08 09

A viagem foi muito divertida mas os saldos dela nem tanto. Voltei pra casa sem a ponteira do escapamento e uma roda arranhada, mas é melhor nem me perguntar como isso aconteceu!

Vendo por um lado positivo, ganhei uma nova ponteira, presente da minha adorável esposa que adquiriu uma Spectre Performance 25105 pelo eBay. O inverno também aparentava terminar mais cedo, possibilitando reparos no carro sem se preocupar em morrer de frio.

Adquiri uma nova roda por $15 no Junk Yard e pedi para montarem os pneus nela. Aproveitei o tempo enquanto a nova roda estava sendo pintada para encontrar uma pequena solução para outro problema. Se tem uma coisa que eu odeio é aquele seletor de marchas do câmbio automático, ainda mais quando ele está arranhado ou descascando como o meu estava. Tentei algumas soluções para melhorar a aparência dele que não convém citar aqui, mas a grande sacada veio no dia seguinte, depois de uma noite pensando nisso.

10

Vi alguns gearheads usando a coifa de couro da transmissão manual para cobrir o seletor de marchas do automático, tirando aquela aparência meio feia dele, mas eu não tinha nem tempo e nem grana pra gastar com isso, então tive a ideia de usar a coifa em couro do freio de mão que eu havia substituído. O problema daquela peça era a armação plástica que fixa a mesma no console central, mas o couro estava em perfeito estado e adivinhem só, encaixava exatamente do jeito que eu precisava, sem alterar nada.

No fim das contas, a experiência ter fotografado esse carro foi nostálgica pois me lembrava de tudo que aprendi. As raivas e frustrações ao longo do projeto haviam se transformado em autoestima por ter resolvido problemas que nunca jamais imaginei e agora gostava mais de mim dessa forma.

Poderia ter fotografado em várias locais bonitos no estado de Utah, mas o local foi escolhido pelo momento em que olhei pra para o Focus e pensei “esse é o meu carro, e hoje eu sou uma pessoa melhor por causa dele”.

Também resolvi trazer uma imagem em 360º navegável, a fim de proporcionar uma experiência diferenciada para vocês, basta clicar e arrastar.

Gostaria de fechar esse projeto compartilhando alguns pensamentos.

Eu nunca fui satisfeito com a vida que eu levava até vir para os Estados Unidos. Eu me preocupava demais, vivia no limite e cheguei a ter crises graves de estresse e isso tudo só acabou quando eu me demiti. Eu assumi os riscos das minhas escolhas pois entendi que ninguém poderia me impedir de ser feliz, nem mesmo um governo inteiro. Eu fiz o que eu queria e não o que queriam que eu fizesse, então parei de viver para trabalhar e passei a trabalhar para viver. Hoje eu vivo plenamente e visito lugares que tiram meu fôlego sempre que possível e, se fosse necessário, faria tudo novamente sem mudar nada. Ao final da minha história eu sei que serei rico, mesmo que de experiências.

Meu nome é Daniel Rashid, moro nos Estados Unidos e sou o orgulhoso proprietário deste Ford Focus Wagon Mk1.

19

Um grande abraço e #savethewagons

Por Daniel Rashid, Project Cars #425

0pcdisclaimer2

Uma mensagem do FlatOut!

Daniel, lendo e relendo sua história ficou claro que este carro simboliza mais que um companheiro motorizado em um país distante do seu, e se tornou uma representação de tudo o que você passou, cresceu e aprendeu nesse período após a mudança para os EUA. Curiosamente, trata-se de uma versão americana de um modelo vendido por aqui também, como se estivesse dizendo que é igual, mas um pouco diferente, um pouco melhor. Agora com a renovação, ele está pronto para continuar sua jornada. Parabéns pelo projeto e curta muito as estradas e cenários a bordo da sua wagon!

Matérias relacionadas

Facelift na garagem: o Project Cars #423 ganha a cara do Jetta GLI

Leonardo Contesini

Kadett GSi 16V: a instalação do sistema Megasquirt no motor 2.0

Leonardo Contesini

Project Cars #380: os últimos acertos e a conclusão do meu Fusca 1974 retrofit

Leonardo Contesini