A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Mercedes AMG GT R Black Series revelado, o novo Lamborghini Sián Roadster, o novo Corolla Cross e mais!

Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco.

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

Este é o Mercedes-AMG GT R Black Series

É claro que isso iria acontecer. O lançamento está se aproximando, o carro começou a aparecer com menos disfarces, alguns sites mais obscuros já têm informações relativamente bem detalhadas. Só faltava o teaser e o vazamento. Desta vez a ordem se inverteu: o vazamento veio antes do teaser. E ele revela que o AMG GT R Black Series é exatamente como imaginávamos que seria.

A série especial de despedida do AMG GT pega o bastão com o AMG GT R Pro e leva a receita um passo além. O Black Series ganha um capô com uma tomada de ar central e dois respiros laterais, uma grade ainda maior que a do GT R Pro, e um splitter pronunciado, além de respiros no topo das caixas de rodas dianteiras (um arranjo semelhante ao do Porsche 911 GT2 RS) e pequenas aletas nas extremidades dos para-choques.

Na traseira nenhuma surpresa: um imenso difusor de fibra de carbono e talvez aquela que seja a maior asa já instalada em um Mercedes de rua desde o CLK GTR.

Ainda não há detalhes técnicos, mas uma das empresas de “Ring Taxi” de Nürburgring divulgou na tarde de ontem detalhes um tanto precisos do modelo, que, aparentemente, será um dos “táxis” oferecidos por eles. De acordo com a empresa, o modelo terá 720 cv, irá do zero aos 100 km/h em 3,3 segundos e chegará à máxima de 320 km/h. Os números são próximos dos que sugerimos no final de junho com base em declarações anteriores de Tobias Moers (o ex-chefe da AMG), que afirmou que o limite viável deste motor está na casa dos 700 cv.

A empresa do “Ring Taxi” também afirmou que o carro será capaz de completar uma volta ao redor do Nordschleife em 6:58, mas não deu detalhes sobre como obteve este número. O tempo está longe de ser o mais rápido no circuito, e não chega sequer ao “top 5”, mas, caso confirmado, fará dele o carro de motor dianteiro mais rápido em Nürbugring. (Leo Contesini)

 

Toyota revela novo Corolla Cross, sua resposta ao Jeep Compass

A Toyota revelou nesta última quarta-feira (8) o Corolla Cross. Sim, eu sei que você deve estar se perguntando se não é o RAV4 o crossover do Corolla, mas, pelo jeito a Toyota decidiu fazer outro. Como o RAV4 ele também é um modelo global, porém parece ser voltado apenas à parte menos desenvolvida do globo, visto que foi lançado na Tailândia e será vendido em outros países do Leste da Ásia e, claro, no Brasil.

Por aqui ele deverá ser produzido na fábrica da Toyota em Sorocaba a partir de 2021 ou 2021. Como o Corolla, ele é produzido sobre a mesma plataforma modular TNGA-C, porém tem entre-eixos pouco menor que o sedã, além de ter suspensão traseira por eixo de torção em vez de arranjo multilink. No Brasil é provável que ele ganhe o mesmo entre-eixos do Corolla e a mesma suspensão independente do sedã.

A oferta de motores também deverá ser diferente da Tailândia, onde é oferecido com um 1.8 de 142 cv e com o powertrain híbrido de 122 cv do Prius/Corolla. Por aqui, o 1.8 deverá ser substituído pelo 2.0 aspirado de injeção dupla e 177 cv, tornando-o ainda mais próximo do irmão sedã. (Leo Contesini)

 

Chevrolet revela teaser da S10 renovada

Você talvez lembre da notícia de que a S10 ganharia um novo visual, inspirado no facelift da Colorado americana (que não é a mesma Colorado tailandesa, a versão local da nossa S10). Pois a Chevrolet acaba de lançar a primeira imagem do modelo renovado: um teaser que mostra uma grade mais agressiva e bem mais interessante que a atual com a gravata dourada.

Seguindo a tendência de tantos outros carros da GM, a S10 terá a grade mais ampla, com o nome da marca escrito por extenso na parte superior e a gravata deslocada na lateral inferior da grade. O modelo já foi apresentado na Tailândia, então não há muita novidade. A única questão é que, nesta versão ZR2, ela parece ter perdido uma parte da dianteira na trilha. A versão brasileira, com sorte, não será tão agressiva.

Como foi atualizada mecanicamente há alguns meses, a S10 não terá novidades sob o capô. Ela mantém o 2.5 flex de 206 cv e o 2.8 turbodiesel de 200 cv. (Leo Contesini)

 

Honda lança CB 650R e CBR 650R no Brasil

Depois de terem a pré-venda iniciada em janeiro, as Honda CB 650R e CBR 650R foram lançadas na última quarta-feira (8) oficialmente no Brasil. As duas ficaram mais caras em relação ao preço praticado no começo do ano: a CB 650R foi de R$ 37.900 para R$ 39.416, e a CBR 650R foi de R$ 39.500 para R$ 41.080.

De acordo com a Honda, o aumento nos preços se deve principalmente à variação do dólar nos últimos meses, e também à situação econômica em que o País se encontra por conta da pandemia.

As duas motos usam a mesma base e a mesma mecânica, mas têm pegadas diferentes: a CB 650R é uma naked com farol circular e pegada levemente retrô, inspirada nas cafe racers de antigamente; já a CBR 650R é uma esportiva carenada de visual mais moderno.

Ambas usam um quatro-cilindros de 649 cm³ com 88,4 cv a 11.500 rpm e 6,13 kgfm de torque a 8.000 rpm, moderados por um câmbio de seis marchas. O quadro é do tipo diamond, a suspensão usa garfo telescópico invertido na dianteira e a traseira conta com sistema mono-shock. Além disso, contam com controle de tração, embreagem deslizante e novo quadro de instrumentos digital.

A Honda CB 650R será vendida em azul, vermelho e prata. Já a CBR 650R serpa oferecida em vermelho e cinza. (Dalmo Hernandes)

 

M8 Gran Coupé Competition é o novo BMW mais caro do Brasil por R$ 1,13 milhão

A BMW anunciou ontem (8) a chegada de seu novo flagship no Brasil: o M8 Gran Coupé Competition. A versão mais potente do esportivo de topo é equipada com um V8 biturbo de 4,4 litros com 625 cv e 76,5 kgfm de torque. O câmbio é o ZF automático de oito marchas e leva a força para as quatro rodas. É o bastante para que ele vá de zero a 100 km/h em 3,3 segundos, com velocidade máxima de 305 km/h.

O preço no Brasil é de R$ 1.136.950, fazendo do M8 Gran Coupé Competition o BMW mais caro do Brasil. Segundo a fabricante, somando as 81 opções de cores externas, as sete opções de revestimento de couro Merino, e as três opções de rodas, o que se tem são 5.103 possibilidades diferentes de combinação.

Ele também possui uma lista generosa de equipamentos. Entre eles, cruise control adaptativo, assistente semiautônomo de estacionamento, câmera de 360°, visão noturna, Reverse Assist (que refaz em marcha à ré os últimos 50 metros percorridos) head-up display, faróis de laser, ar-condicionado de três zonas e sistema de som Bowers & Wilkins. (Dalmo Hernandes)

 

Lamborghini Sián Roadster é revelado com 819 cv

Como não era mais segredo para ninguém, a Lamborghini revelou enfim seu novo carro: o Sián Roadster, seu primeiro roadster híbrido. E, como divide o avançado powertrain com o Sián fechado, ele também é o mais potente roadster já produzido pela Lamborghini.

Com um V12 naturalmente aspirado de 6,5 litros e 785 cv, mais motor elétrico entre integrado ao câmbio e ligado ao eixo traseiro para chegar aos 819 cv. O destaque do sistema híbrido leve de 48V se encontra no supercapacitor, que transforma a energia cinética das frenagens em eletricidade e substitui as baterias. A Lamborghini diz que o supercapacitor é três vezes mais leve que uma bateria com a mesma capacidade, e armazena três vezes mais eletricidade que uma bateria com o mesmo peso.

O câmbio é automático de sete marchas, e a Lamborghini diz que o motor elétrico não deixa de girar durante as trocas – o que, em tese, permitiria economizar algumas frações de segundo ao passar as marchas. O sistema de tração nas quatro rodas é um Haldex, com diferencial traseiro autoblocante mecânico.

Colocando em números, o Sián Roadster vai de zero a 100 km/h em menos de 2,9 segundos, de acordo com a Lamborghini – e segue até os 350 km/h de velocidade máxima. Para freá-lo, discos de carbono-cerâmica e pinças de seis pistões na frente e quatro pistões atrás.

Visualmente o carro não se afasta muito do Sián cupê, com exceção da falta de teto – ao que parece, ele fica aberto 100% do tempo e não possui um teto removível. Ele utiliza a mesma identidade visual com faróis em forma de “Y”, lanternas com elementos hexagonais, uma linha praticamente reta entre o bico e o topo do para-brisa, e interior com elementos impressos em 3D. Da mesma forma, os componentes aerodinâmicos ativos são iguais – incluindo a asa traseira ativa.

Assim como o recém revelado SCV12, o Lamborghini Sián Roadster é baseado no Aventador, ainda que radicalmente modificado. Mas os que realmente são clientes não se importam: cada um dos 19 exemplares que a Lamborghini vai fabricar já está reservado, e as entregas devem começar em setembro. (Dalmo Hernandes)

 

Mitsubishi Eclipse Cross ganha séries especiais Sport e Outdoor

O Mitsubishi Eclipse Cross, crossover que herdou (injustamente, para muitos) o nome do clássico esportivo dos anos 1980 e 1990, ganhou duas séries especiais no Brasil: Sport e Outdoor. A primeira, como o nome diz, tem visual mais esportivo, e é limitada em 200 unidades. Já a segunda aposta em uma pegada mais off-road e, ao que parece, não será limitada.

Ambas são baseadas no Eclipse Cross HPE-S S-AWC, topo de linha do crossover, que custa R$ 168.990 e é equipado com um motor de 1,5 litro com turbo e 165 cv, câmbio CVT e tração nas quatro rodas. O Sport sai por R$ 170.990, enquanto o Outdoor custa R$ 171.990 – respectivamente, R$ 2.000 e R$ 3.000 a mais que a versão que lhes serve como base.

A diferença entre Eclipse Cross Sport e Outdoor é estética, basicamente. Ambas contam com molduras nos para-lamas, mas no Sport elas são pintadas na cor da carroceria, enquanto o Outdoor têm as molduras pretas e para-fusos aparentes. No Sport, a grade e o spoiler traseiro são pintados de preto brilhante. No Outdoor, as peças são em preto fosco. É verdade, porém, que o Eclipse Cross Outdoor traz ganchos no para-choque dianteiro e pneus de uso misto com perfil mais alto (235/60).

Sendo baseados na versão de topo, tanto o Eclipse Cross Sport quanto o Outdoor trazem uma boa lista de equipamentos de série: central multimídia de sete polegadas, sensores de chuva e crespuscular, bancos de couro (sendo os dianteiros com aquecimento e o do motorista, com regulagem elétrica), chave presencial para abrir as portas e dar a partida, ar-condicionado digital, alertas de ponto cego e tráfego traseiro, cruise control adaptativo, aviso de mudança de faixa e frenagem autônoma de emergência. (Dalmo Hernandes)

Matérias relacionadas

Volkswagen lança Golf nacional, Pagani Huayra BC revelado, Porsche 911 terá versão especial R e mais!

Leonardo Contesini

Nissan GT-R chega oficialmente ao Brasil, Jeremy Clarkson pode ser condenado na Argentina, VW levará up! TSI duas portas ao BG Treffen e mais!

Leonardo Contesini

Toyota Supra poderá ser diferente do que todos esperam, The Grand Tour volta em outubro, todas as quebras da McLaren-Honda em um só vídeo e mais!

Leonardo Contesini