A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Mercedes-AMG GT Black Series em julho, a versão “básica” do Porsche Taycan, o Ford GT Roadster de Le Mans à venda e mais!

Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco.

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

Mercedes-AMG GT Black Series pode ser lançado em julho

Já faz mais de um ano que os protótipos do Mercedes-AMG GT R Black Series são vistos em testes nas ruas e na pista. Os carros foram tão fotografados que não restaram muitos segredos além de seus dados técnicos. Ah, e de sua data de lançamento também. Mas esta, ao menos, parece ter alguma pista a respeito.

Segundo o site MercedesBenzPassion, o modelo será apresentado no final de julho, mais precisamente no Salão de Chengdu, na China — isso, claro, se nenhuma outra pandemia aparecer no próximo mês. Caso a informação se confirme, o modelo deverá chegar às lojas ainda no fim deste ano, marcando a despedida desta geração do AMG GT, que completa sete anos em 2021.

Até agora os flagras indicaram que ele terá um novo capô, com respiros mais destacados, um para-choques dianteiro mais agressivo e, claro, a grade Panamericana de todos os modelos AMG. As saias laterais e o para-choques traseiro também serão redesenhados e, como os demais Black Series, ele também terá uma asa fixa na traseira.

O motor certamente será o V8 biturbo de quatro litros, com algo próximo dos 700 cv, que é o limite viável deste motor, conforme as palavras do próprio chefe da AMG, ou melhor, ex-chefe da AMG, Tobias Moers. Mais que isso seria realmente surpreendente, mas talvez seja possibilitado somente com o uso de um sistema híbrido leve de 48 volts, como o aguardado no AMG GT 73. Independentemente do powertrain e da potência, ele certamente irá ultrapassar os 320 km/h do AMG GT R pro e chegará mais rapidamente aos 100 km/h, possivelmente abaixo dos 3,5 segundos. (Leo Contesini)

 

O Ford GT Roadster de Le Mans está a venda

Um dos modelos mais raros do Ford GT está a venda: o protótipo Roadster que correu a 24 Horas de Le Mans de 1965 será leiloado em julho, e deve se tornar o Ford mais caro de todos os tempos com um valor estimado entre US$ 7,5 e US$ 10 milhões — o posto atualmente é ocupado pelo Mustang usado no filme Bullitt de 1968, que foi vendido recentemente por US$ 3,74 milhões.

 

Como contamos anteriormente na história de Ford vs. Ferrari, este exemplar do Ford GT foi construído pela Ford Advanced Vehicles, a divisão esportiva criada provisoriamente na Inglaterra para produzir o carro que venceria a Ferrari em Le Mans. Foram feitos apenas cinco roadsters, mas somente este competiu na 24 Horas de Le Mans.

Identificado pelo chassi GT/109, ele foi um pedido especial enviado à Shelby em 1965 e inscrito na prova pela Ford da França. O carro é equipado com o motor 289 e o câmbio ZF de cinco marchas, e foi pilotado por Maurice Trintignant e Guy Ligier por apenas 11 voltas antes de abandonar a prova por quebra no câmbio.

Depois disso, o carro foi encostado e comprado em 1986 pelo dublê e construtor de carros Dean Jeffries, que o manteve até o fim de sua vida, em 2013. Seu filho herdou o carro e o vendeu a Dana Mecum, da Mecum Auctions, que o restaurou e agora o está leiloando. (Leo Contesini)

 

Porsche revela versão de entrada do Taycan

A Porsche decidiu apresentar na China a versão “de entrada” do Porsche Taycan. O carro difere das demais versões, 4S, Turbo e Turbo S, por ter apenas tração traseira. Segundo a Porsche, os chineses não fazem tanta questão assim da tração nas quatro rodas em seus carros de luxo, e faz sentido atender as demandas de um mercado grande e em expansão.

Em vez de dois motores, ele só tem um, posicionado no eixo traseiro. Com 476 cv (350 kW), ele é capaz de levar o Taycan de zero a 100 km/h em 5,4 segundos, com máxima de 230 km/h. A autonomia, depende do conjunto de baterias escolhido: 412 km para as baterias de 72,9 kWh; e 489 km com as baterias de 93,4 kWh – o chamado Performance Battery Plus, opcional que acrescenta as mesmas baterias usadas pela dupla Turbo e Turbo S.

O Taycan “básico” é equipado com a mesma transmissão de duas velocidades das demais variantes. Ele vem de série com suspensão por molas de aço (o sistema pneumático é opcional) e rodas de 19 polegadas (com jogos de 20 e 21 polegadas também oferecidos como opcionais). (Dalmo Hernandes)

 

Ducati Monster 1200 S Black é lançada no Brasil por R$ 90.000

A Ducati passa a ofertar sua naked Monster 1200 S na cor preta – em essência, é este o chamariz da nova versão, batizada Black, que vem se juntar à conhecida Red.

É a mesma moto, o que definitivamente não é ruim: a Monster 1200 S é equipada com o motor L-twin Testastretta da Ducati, com 1.198 cm³, 150 cv a 9.250 rpm e 12,8 kgfm a 7.750 rpm. Acoplado a uma caixa de seis marchas com sistema quickshift, o motor é capaz de levar a moto de zero a 100 km/h em menos de três segundos.

A Monster 1200 S usa um quadro tubular com treliças, suspensão Öhlins com garfo dianteiro invertido e monoamortecedor na traseira, e pesa 185 kg. Ela é equipada com quadro de instrumentos digital colorido, freios ABS com atuação em curvas, controle eletrônico de tração, controle de wheelie e trê modos de condução – Sport, Touring e Urban. Este último limita a potência da motocicleta a “só” 100 cv.

A Ducati Monster 1200 S Black já está à venda nas concessionárias da Ducati. (Dalmo Hernandes)

 

BMW Motorrad trabalha em cruise control ativo em motos

Embora o sistema de cruise control seja comum nos carros, em motocicletas ele é extremamente raro – o custo de incorporação do sistema em uma motocicleta não é justificado pela demanda. Atualmente existem travas de acelerador que podem cumprir a função de controlar a velocidade da moto de forma mecânica. Mas a BMW Motorrad decidiu se juntar com a Bosch para desenvolver um novo sistema de controle de cruzeiro ativo que deve ser implementado nos próximos anos.

Atualmente pensado para as motocicletas maiores, voltadas ao turismo, e mais caras, o sistema funciona exatamente como em um carro, permitindo que se escolha a velocidade constante e a distância do veículo da frente. As empresas dizem que o sistema reduz a velocidade automaticamente nas curvas, controlando tanto o acelerador quanto os freios para contornar a virada com conforto e segurança.

Evidentemente, o sistema permite que o condutor tome o controle imediatamente a qualquer momento – a BMW ressalta que o cruise control ignora veículos parados, e não vai frear automaticamente para evitar uma colisão. (Dalmo Hernandes)

Matérias relacionadas

Como o antigo motor de pistões opostos pode se tornar uma alternativa eficiente para o futuro

Leonardo Contesini

222D: o Toyota MR2 de rali que nunca competiu

Dalmo Hernandes

Ferrari 225S de R$ 10 milhões e outros clássicos atemporais: FlatOut em Águas de Lindóia 2017, parte 1

Juliano Barata