A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História Zero a 300

Mercedes-Benz T80: o carro de seis rodas de 3.000 cv que quase foi recordista de velocidade em 1939

Sobrealimentação, injeção direta de combustível, reprogramação eletrônica, componentes internos reforçados, mais deslocamento, combustível de competição de alta octanagem... hoje em dia, quem quiser fazer um motor absurdamente potente tem opções de sobra. Não é uma empreitada para qualquer um e não é barato, claro, mas veja os carros de arrancada Top Fuel, por exemplo: eles têm em média 10.000 cv e usam motores em V8 de mais de oito litros com supercharger, bloco usinado de uma única peça de alumínio, bielas gigantescas e válvulas de titânio para entregar mais de 1.200 cv por litro. E existe toda uma indústria dedicada a fornecer peças para estes motores, que afinal precisam ser refeitos quase por completo a cada puxada. Agora, vamos voltar algumas décadas no tempo, quando não havia nada disso. Mais precisamente para 1939, quando a Mercedes-Benz decidiu fazer mais um carro para disputar recordes de velocidade em linha reta: o T80, que ti

Matérias relacionadas

Novo Volkswagen Passat no Brasil, Citroën AirCross de cara nova, Porsche já está desenvolvendo o próximo 911 e mais!

Leonardo Contesini

Solvitur ambulando: como usar seu carro de um jeito melhor simplesmente caminhando mais

Leonardo Contesini

510 cv, 8.000 rpm e o piloto sentado no meio: o Honda Civic Type-R “center-drive” da Spoon Sports

Dalmo Hernandes