A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Mercedes-Benz W126: este clássico V8 alemão está à venda

A busca por um clássico com motor V8 geralmente começa nos Estados Unidos – afinal, os muscle cars são o primeiro caso de amor de muitos entusiastas (merecidamente, diga-se) e é de lá que vêm Ford Mustang, Chevrolet Camaro e Dodge Charger, só para ficar nos três nomes mais icônicos. Mas existem alternativas interessantes no outro lado do Atlântico: os Mercedes-Benz antigos, movidos por robustos motores V8, sólidos, confortáveis e elegantes.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Nosso Achado meio Perdido de hoje é um representante nobre desta classe: um Mercedes-Benz W126, segunda geração do Classe S, que sempre ocupou o topo da gama. A missão do Classe S, historicamente, é demonstrar o melhor da engenharia automobilística alemã, apresentando soluções inovadoras que os outros modelos da Mercedes só vêm adotar nos anos seguintes e ditando tendências de tecnologia.

O W126 foi lançado em 1979, e tinha a difícil missão de substituir o bem sucedido W116, de 1972 – o primeiro a ser oficialmente chamado Classe S (de Sonderklasse, ou “classe especial” em alemão). A robustez da mecânica, tanto os seis-em-linha quanto os V8, o design extremamente bem resolvido, a qualidade de construção acima da média e a lista generosa de equipamentos fizeram do W116 um grande sucesso ao longo dos oito anos em que foi produzido.

Para garantir que seu sucessor tivesse a mesma aceitação, a Mercedes-Benz deu ao W126 um desenho evolutivo – as mesmas proporções sisudas, os faróis grandes e retangulares, a grade cromada em destaque na frente, a área envidraçada retilínea e generosa, a traseira truncada e as lanternas traseiras horizontais estriadas (uma forma de torná-las mais visíveis mesmo quando sujas, já que a sujeira não se acumulava nas reentrâncias). Ao longo de dois anos, um design mais moderno, com menos cantos vivos para-choques envolventes, foi desenvolvido e aplicado ao W126.

 

 

Apesar do desenho familiar, o W126 era feito sobre uma plataforma nova e trazia diversos recursos inéditos, como zonas de deformação programada, cintos de segurança com pré-tensionador, airbag para o motorista, bancos dianteiros com ajustes elétricos e ar-condicionado quente e frio com acionamento automático (este, opcional). Ao longo dos anos, mais itens inéditos para um Mercedes foram incorporados ao W126, como os airbags frontais em 1981, airbag do carona em 1987 e controle de tração a partir de 1989.

O motor podia ser um seis-em-linha ou V8 (ou ainda um cinco-cilindros a diesel). O V8 era o M116, que estreou em 1969 sob o capô clássicos W108 e W109 e foi usado por todos os Mercedes-Benz maiores até 1991. Um SOHC com duas válvulas por cilindro e cabeçotes de alumínio, o M116 era mais moderno que qualquer V8 americano da mesma época – girava mais alto, aproveitava melhor sua curva de torque e tinha injeção Bosch K-Jetronic. Na época do lançamento do W126, o M116 foi extensivamente revisado, trocando o bloco de ferro fundido por um de alumínio, bem mais leve.

O Mercedes-Benz W126 anunciado no GT40 é um 380SE, o que significa que ele veio com um V8 de 3,8 litros capaz de entregar 158 cv a 4.750 rpm e 27,1 kgfm de torque a 2.750 rpm. No caso deste exemplar, o câmbio é automático de quatro marchas, mas existiram versões com câmbio manual de quatro ou cinco marchas.

De acordo com o anunciante, Bird Clemente Jr., o Mercedes jamais passou por qualquer tipo de restauração – apenas alguns retoques na pintura. Evidentemente há algumas marcas do tempo, completamente compreensíveis em um automóvel fabricado há mais de 40 anos, mas a estrutura está completamente íntegra e todos os itens de acabamento estão presentes, incluindo faróis, lanternas, emblemas e rodas.

O interior também é completamente original de fábrica e está igualmente conservado, com destaque para o bom estado dos revestimentos de couro e também dos detalhes em madeira. Todos os itens de conforto funcionam – incluindo ar-condicionado, vidros elétricos e travas elétricas.

O hodômetro no painel (que também traz relógio, econômetro e nível do óleo) marca pouco mais de 127.000 km e, pelo aspecto geral do carro, a marca tem tudo para ser legítima. Considerando a idade do Mercedes, dá até para dizer que ele é relativamente pouco rodado. O vendedor diz que o sedã alemão funciona perfeitamente e está muito bom de andar, mas uma boa revisão em uma oficina especializada nos Mercedes-Benz nunca pode ser má ideia.

Se você ficou interessado, pode clicar aqui para acessar o anúncio e pegar os contatos.


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Porsche processada, os acidentes de Ímola, leis mais duras para motoristas rachadores e os principais posts da semana

Leonardo Contesini

O Escort Mk2 mais incrível da galáxia, em detalhes

Dalmo Hernandes

Rocky Auto: a oficina dos sonhos para qualquer fã da cultura automotiva japonesa

Dalmo Hernandes