A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Lançamentos

Novo Mercedes-Benz Classe C W206 é revelado com mais tecnologia – e menos cilindros

A Mercedes apresentou hoje o novo Classe C, código W206. O sedã rival do BMW Série 3 e do Audi A4 chega a sua nova geração com visual e recursos de modelos mais caros – leia-se Classe E e Classe S. Mas ele também perde os motores de seis cilindros: a partir de agora, todo Classe C terá motor de quatro cilindros. Isto vale até para as inevitáveis versões AMG, que até agora eram conhecidas pelo V8. Isto acabou.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.


O carro foi apresentado como sedã ou perua. Esteticamente, não há muita revolução: o novo Classe C não veio para lançar tendências ou surpreender, e sim para dar continuidade à importante função do modelo – globalmente, ele ainda tem muita importância para a Mercedes, ainda que o Classe A tenha assumido com louvor a posição de baby Benz.

Assim, a dianteira recebeu novos faróis, menores e mais afilados, que agora são acompanhados de uma grade em formato de trapézio com a orientação oposta – mais estreito em cima do que embaixo. Já a entrada de ar no para-choque dianteiro tem quase exatamente o mesmo formato que se vê no Classe E. Com isto, estabelece-se definitivamente uma nova family face nos carros de passeio da Mercedes.

O perfil do carro não mudou praticamente nada – ele traz exatamente as mesmas proporções da geração W205, com capô longo, traseira alta e curta, e uma linha de cintura reta, quase sem inclinação. Até mesmo os ângulos do para-brisa e do vigia traseiro parecem iguais. E o mesmo vale para a perua, que também preservou a silhueta do modelo antigo.

 

 

A traseira, porém, trouxe maiores novidades: as lanternas, que acompanham o Classe E e o Classe S assumindo um desenho horizontal, com contorno triangular.

Há quem aprecie esta semelhança entre modelos de diferentes segmentos – e a possibilidade de que um leigo confunda seu Classe C com um Classe E no meio do trânsito. Por outro lado, um pouco mais de personalidade a cada família de modelos da Mercedes não seria ruim. Claro, há algumas mudanças interessantes, como a adoção de vincos laterais ligeiramente mais marcados e os dois ressaltos no capô, que sugerem um estilo mais esportivo.

As formas e proporções relativamente conservadoras têm a ver com a plataforma: o W206 usa uma versão bastante atualizada da arquitetura modular MRA (Mercedes Rear Architecture), já empregada no W205 e também nos Classe E e S. Com isto, o novo Classe C ficou 6 cm mais longo, chegando aos 4,75 metros. A largura aumentou 1 cm, passando a 1,82 m, e a altura permaneceu em 1,44 m, aumentando apenas alguns milímetros.

Da mesma forma, o entre-eixos também ficou mais generoso: 2,86 m contra 2,84 m da geração passada. Parece pouca coisa, mas a Mercedes-Benz é possível sentir a diferença no espaço para os joelhos, ombros e cotovelos dos ocupantes do banco traseiro. No sedã, o porta-malas tem 455 litros; já a perua pode ter entre 490 e 1.510 litros, dependendo da posição do banco traseiro.

O interior, aliás, é onde a Mercedes-Benz quer que prestemos mais atenção – a mudança em relação à geração antiga foi bem mais sensível. A ideia foi, explicitamente, colocar o design e os recursos do Classe S no Classe C. Ou seja: um painel mais limpo e esbelto, abrindo mão das saídas de ar em destaque no console central, e dando espaço a duas telas de alta definição: uma para o quadro de instrumentos, que pode ter 10,25 ou 12,3 polegadas; e outra, vertical, para a central multimídia, que agora domina o console e pode ter 9,5 ou 11,9 polegadas. O quadro de instrumentos pode incluir exibição com efeito tridimensional e um HUD com realidade aumentada.

A nova central multimídia com o sistema de assistente virtual MBUX de segunda geração agora interpreta melhor os comandos e consegue reconhecer os usuários pela voz. Além disso, possui integração com aparelhos domésticos inteligentes fabricados pela Bosch e pela Samsung –  é possível perguntar ao carro sobre a temperatura e a iluminação dos ambientes, ou até mesmo descobrir se há alguém dentro de casa: o MBUX usa os sensores dos eletrodomésticos para obter estas informações, que são transmitidas via internet.

Abaixo da tela central, há apenas uma régua de botões com comandos básicos – pisca-alerta, volume do sistema de som e outras funções simples. O botão giratório e o touchpad do console central viraram história – como já está virando padrão, a maior parte dos comandos é feita pela tela sensível ao toque ou por comandos de voz.

Mas o Classe C, apesar de toda a tecnologia, ainda é um carro – então, vamos falar da mecânica. Como já dito, todas as versões do Classe C, do mais barato ao mais caro, terão motores de quatro cilindros – que, além de reduzir emissões, também diminuem a carga sobre o eixo dianteiro e, consequentemente, melhoram a distribuição de peso.

A princípio, foram divulgadas as informações sobre o C180, o C200 e o C300. Os dois primeiros usam um motor 1.5 turbo de 170 cv e 204 cv, respectivamente. O C300, por sua vez, traz debaixo do capô o motor M254, 2.0 turbo de 258 cv. Todas elas trazem, em comum, o sistema híbrido leve EQ Boost de 48 volts, que usa um motor elétrico e uma bateria compacta de íon de lítio para armazenar energia recuperada durante as frenagens – e, caso necessário, garantir 20 cv extras. O câmbio é sempre automático de nove marchas, com tração traseira (ou integral 4Matic nas versões C200 e C300). Vale lembrar que, na Europa, ainda haverá as variantes a diesel C200d (163 cv), C220d (200 cv) e C300d (265 cv).

A Mercedes-Benz adianta que o Classe C terá uma versão mais potente com conjunto híbrido plug-in – possivelmente o novo C350, mas a nomenclatura ainda não foi confirmada. Serão 313 cv e 56 kgfm de torque, sendo que 44,8 kgfm estarão disponíveis desde a largada graças ao motor elétrico. O Classe C híbrido plug-in será capaz de rodar por até 100 km no modo elétrico, com velocidade máxima de 140 km/h. Uma carga completa na bateria de 25,4 kWh poderá ser feita em 30 minutos usando um carregador rápido.

A fabricante alemã garante que o comportamento dinâmico do Classe C está mais afiado que nunca graças à adoção do eixo traseiro direcional – que funciona como de praxe: a até 60 km/h, as rodas traseiras viram em até 2,5° na direção oposta às dianteiras, a fim de reduzir o diâmetro de giro e garantir mais agilidade em manobras. Já em velocidades mais altas o movimento das rodas traseiras acompanha a direção das dianteiras, tornando o carro mais estável em curvas.

 

Evidentemente a Mercedes-Benz ainda não comentou nada a respeito das versões AMG, mas apostamos que, em números brutos, elas não ficarão devendo em nada aos modelos com motor V8. A experiência sensorial, porém, com certeza será muito distante do que estamos acostumados.

O novo Mercedes-Benz Classe C W206 será fabricado em Bremen, na Alemanha, e em East London, na África do Sul, e a distribuição aos mercados globais acontecerá ao longo de 2021. Isto quer dizer que a versão brasileira virá importada, já que a fábrica de Iracemápolis (SP), de onde saíam o GLA e o Classe C W205, fechou as portas em dezembro.

Matérias relacionadas

Não se vê um Porsche 911 “Safari” 4×4 com supercharger e 450 cv arrepiando no gelo assim todos os dias

Dalmo Hernandes

Kharkovchanka: uma casa sobre rodas de 1.000 cv para explorar a Antártida

Dalmo Hernandes

Inferno verde: quando o Camel Trophy ousou cruzar a Amazônia na pior época possível

Dalmo Hernandes