FlatOut!
Image default
Car Culture

O carro da capa: Lotus 72D / Marcos Valle e Azymuth – “O Fabuloso Fittipaldi” (1973)

Todo fã brasileiro de Fórmula 1 conhece esse carro: o Lotus 72D de Emerson Fittipaldi. O número é o 32,  o que significa que a pintura retrata o carro no Grande Prêmio da Bélgica de 1972, realizado no extinto autódromo de Nouvelles-Baulers – um circuito que, considerado perigoso demais para corridas de automóveis, fechou as portas em 1991. Foi lá que Emerson Fittipaldi venceu a segunda corrida naquele ano (a primeira havia sido em Jarama, na Espanha).

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, participação no nosso grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!). Exponha ou anuncie até sete carros no GT40 e ainda ganhe descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$ 26,90 / mês

ou

Ganhe R$ 53,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura básico. Acesse todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de poder expor ou anunciar até três carros no GT402.

R$ 14,90 / mês

ou

Ganhe R$ 29,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

O pessoal que acompanhava a Fórmula 1 na década de 1970, certamente lembra com carinho do ano de 1972. Afinal, foi o primeiro título do jovem Emerson Fittipaldi – e o primeiro de um piloto brasileiro. Não por acaso, Emmo ganhou uma série de homenagens (como o samba-rock “Lotus 72D”, a pérola desconhecida de Zé Roberto) por ser a revelação da Fórmula 1 naquele tempo. E uma destas homenagens foi o documentário O Fabuloso Fittipaldi, documentário lançado em 1973 que mostrava um pouco mais sobre a vida do primeiro brasileiro a conseguir chegar ao topo na maior categoria do automobilismo.

Escrito e dirigido por Roberto Farias e Hector Babenco, o documentário traça o perfil do “Rato” em 1973: um piloto ainda jovem,  mas cheio de talento e com mais experiência que seus 27 anos de idade sugeriam. O filme traz depoimentos do próprio Emerson, de seu irmão Wilsinho, seus pais Wilson e Jozéfa, e até sua avó Maria Wojciechowska, nascida na Polônia. Além de várias outras pessoas envolvidas no início da trajetória de Emerson nas pistas, como Jackie Stewart e Ronnie Peterson.

Trata-se de um registro interessantíssimo por uma série de razões. Primeiro, porque se trata de um documento detalhado e contemporâneo dos primeiros anos de Emmo como piloto da Lotus – e, de forma geral, dificilmente se encontra informações completas e confiáveis do automobilismo setentista, ainda mais um brasileiro. Há depoimentos da família, falando sobre como Emerson e Wilsinho começaram correndo de moto, depois fabricando seu próprio protótipo (o “Fittiporsche”), e a forma como os familiares lidavam com a paixão dos meninos pelas corridas de motos: o medo que dona Maria e dona Jozéfa sentiam e, ao mesmo tempo, o orgulho ao ver que ambos levavam jeito para acelerar.

É muito interessante ver o hoje lendário Emerson Fittipaldi falando sobre os tempos difíceis do automobilismo no Brasil, sobre como mudar-se para a Europa parecia a única chance de seguir carreira, e sobre o começo na Fórmula 3 britânica e seu primeiro título – que chamou a atenção de Colin Chapman e fez o chefão da Lotus ir conhecê-lo pessoalmente.

Mas o documentário também é interessante por causa da produção em si. Tudo exala “anos 70”, e não só as costeletas do Emmo: a narração, o português elaborado e absolutamente correto e elaborado do narrador e mesmo dos depoimentos, e as cenas cuidadosamente produzidas para parecerem espontâneas – como o encontro entre Emerson e sua primeira esposa, Maria Helena, andando em um carrossel. E, claro, temos a trilha sonora.

A trilha sonora de “O Fabuloso Fittipaldi” foi lançada em um álbum com o mesmo nome ainda em 1973. As composições ficaram a cargo de dois grandes nomes da música brasileira: o compositor e instrumentista Marcos Valle e a banda Azymuth, então recém-formada pelos músicos José Roberto Bertrami, Alex Malheiros e Ivan Conti.

Marcos Valle, de formação erudita, começou a estudar piano clássico aos seis nos de idade e, começando em 1970, foi compositor das trilhas originais de uma série de novelas e filmes brasileiros e transitou por vários estilos ao longo de quase 60 anos de carreira. Em O Fabuloso Fittipaldi, Valle investiu no jazz fusion, estilo que mistura as harmonias complexas e improvisação do jazz com elementos de rock, funk e rhythm and blues – o que, não por acaso, coloca o jazz fusion perigosamente próximo do rock progressivo, porém com uma exploração musical mais ampla e atmosférica.

A carreira da banda Azymuth também passa por Marcos Valle. Foi com ele que o trio gravou seus dois primeiros álbuns, tão obscuros que nem trazem créditos – Som Ambiente e Brazil by Music Fly Cruzeiro, ambos de 1972. Este último, aliás, foi feito pelo dono da extinta companhia aérea Cruzeiro do Sul, que era pai de Marcos Valle e de seu irmão, o compositor Paulo Sérgio Valle. Com O Fabuloso Fittipaldi, o Azymuth teve seu primeiro trabalho com grande projeção nacional, algo que garantiu uma longa e diversificada carreira galgada no jazz fusion com elementos de samba e outros ritmos brasileiros.

A música em si é a cara do automobilismo da década de 1970 – na época, o jazz fusion era que embalava as transmissões da Fórmula 1 e outras categorias do automobilismo, e a temática foi explorada por grupos como Casiopea e T-Square (ambos do Japão). A complexidade técnica das composições, as levadas frenéticas das músicas mais rápidas e o virtuosismo dos músicos costumavam ser associadas ao alto nível de habilidade e à velocidade das corridas. Ao mesmo tempo, por serem canções em sua maioria instrumentais, o jazz fusion serve perfeitamente como plano de fundo – tanto para uma corrida quanto para um documentário sobre um piloto de corridas. Ou melhor, um “corredor de automóvel”, como o Emerson diz várias vezes na película.

As canções foram compostas de acordo com o momento do filme (que, claro, é o mínimo que uma trilha sonora pode fazer). Todas elas trazem elementos em comum, como o baixo marcado, as melodias no piano de Marcos Valle e guitarras funkeadas, limpas e com bastante wah.

O tema de abertura, por exemplo, “Fittipaldi Show”, é uma canção acelerada, com efeitos sonoros de ronco de motor e um interlúdio de piano com acordes de bossa nova, permeado pela orquestração característica de Marcos Valle. “Vitória” é usada exatamente quando Emerson fala a respeito de sua primeira vitória na Fórmula 3, e também toca quando Emmo leva um Ford Maverick para Interlagos, onde vai mostrar o traçado.

“Tema de Maria Helena”, uma canção mais romântica – e a única com vozes – toca sempre que a primeira esposa de Emerson aparece e fala sobre a relação dos dois. Há também momentos tristes – Rindt é a composição que entra em cena quando o documentário aborda o acidente com o piloto Jochen Rindt, em 1970, que Emerson Fittipaldi lamentou profundamente apesar de o ocorrido ter lhe dado a chance de ocupar um posto na Lotus.

Esta duplicidade foi explorada na canção, que começa triste e tensa, com acordes menores e uma cadência mais melancólica mas, a partir do solo de sintetizador Moog rumo ao final, ganha um tom mais sereno, de esperança e paz.

São músicas que você pode ouvir e curtir mesmo se não for fã de Fórmula 1 ou de automobilismo. Quando se assiste ao filme e se tem o contexto, porém, é perceptível a capacidade de Marcos Valle, Paulo Sérgio Valle e do Azymuth em evocar sentimentos com suas performances e composições. Mas muitas músicas têm trechos falados que usam áudio do filme – tornando irresistível a ideia de assistir para entender o contexto de tudo o que ocorre. Marcos Valle, aliás, tornaram-se amigos depois da produção, e há algum tempo Valle compartilhou nas redes sociais uma foto dos dois “jogando tênis em Long Beach”.

O maior problema de O Fabuloso Fittipaldi é sua disponibilidade. Como se não não bastasse ser difícil encontrar registros de automobilismo brasileiro na década de 70, também é impossível assistir ao documentário ou ouvir sua trilha sonora de forma legal.

O filme foi publicado na íntegra em uma página do Facebook e a trilha sonora está no Youtube mas, se você quiser cópias físicas, terá de contar com o mercado de usados – e um CD lacrado, de época, custa pelo menos R$ 400.