A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

O icônico ônibus 142 de “Na Natureza Selvagem” não está mais lá

Você já pensou em largar tudo, absolutamente tudo para trás e começar uma vida nova viajando pelo mundo? É bem possível que sim, especialmente se for um jovem adulto nos dias de hoje – são tempos de crise, com um prognóstico sombrio pairando sobre a nossa sociedade. A ideia de aproveitar este momento para fugir de tudo e descobrir a si mesmo é tentadora. Talvez, de certa forma, o hábito de pegar o carro e dar umas escapulidas sem destino certo seja uma maneira de satisfazer estes anseios em pequenas doses. Ao menos é assim que eu vejo.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

 

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Mas esta não é uma ideia nova – inúmeras pessoas já decidiram deixar a vida em sociedade para trás em busca de autodescobrimento, ou simplesmente pela aventura. E um dos casos mais famosos certamente é o de Chris McCandless, um jovem de família rica que tinha um bom emprego e possivelmente uma trajetória de sucesso pela frente, mas decidiu ir sozinho até o Alasca com quase nada na mochila para sobreviver além de algumas rações de emergência, roupas e uma espingarda.

A história de McCandless ficou famosa depois que o livro “Into the Wild”, biografia escrita por John Krakauer e publicada em 1996, e mais ainda depois que o filme homônimo, baseado no livro e dirigido por Sean Penn, estreou em 2007 (que tinha uma bela trilha sonora acústica interpretada por Eddie Vedder). McCandless, que também usava o pseudônimo Alexander Supertramp, tornou-se uma inspiração para muitos, que enxergam nele uma figura idealista e de espírito livre – quase um mártir, que deu a vida para mostrar ao mundo os problemas da sociedade moderna. Outros o enxergam como uma figura problemática, ingênua e irresponsável – ele tinha certa experiência com trilhas, mas nada tão arriscado e ambicioso. Sem equipamentos e suprimentos suficientes, talvez não seja exagero dizer que McCandless saiu com destino à morte certa.

Em abril de 1992, Chris McCandless deixou sua casa em Carthage, Dakota do Sul, sem avisar a ninguém, nem família e nem amigos, e partiu em direção ao oeste. Seu objetivo era era ir caminhando até o Estreito de Bering, na borda do Alasca, e ele saiu antes de pensar em como e quando voltaria para casa. Tragicamente, ele passou seus últimos dias sobrevivendo dos animais que caçava e das plantas que encontrava, morando em um ônibus – o Fairbanks City Transit System 142, que estava abandonado havia muitos anos naquele local. Depois de passar 113 dias vivendo no ônibus, Chris McCandless morreu de fome em agosto de 1992.

A última morada de McCandless, desde então, tornou-se um destino popular entre entusiastas da trilha e aventureiros – uma espécie de ponto de perigrinação. Os admiradores de Alex Supertramp buscavam entender melhor como funcionava a mente do homem, muitos deles procurando até mesmo passar pelas mesmas dificuldades de McCandles, como se fosse uma provação. Localizado em uma área remota e perigosa, o ônibus nunca foi vigiado e, tecnicamente, qualquer um poderia utilizá-lo como acampamento.

E era exatamente isto que as pessoas faziam – e acabavam se perdendo ou até mesmo morrendo. Por isso, na última quinta-feira (18), enfim as autoridades do Alasca usaram um helocóptero para remover o Fairbanks City 142. Ele era um ponto turístico perigoso.

Não é difícil encontrar o local onde o ônibus estava – basta ir ao Google e pesquisar por “bus 142” e o buscador já informa as coordenadas do “ônibus mágico”, que é como ele ficou conhecido.  McCandless estava percorrendo a trilha chamada Stampede Trail quando encontrou o ônibus – um International Harvester K-5 fabricado em 1946. Feito sobre um chassi de caminhão e equipado com um seis-em-linha a gasolina, o ônibus era utilizado pela Yutan Construction Company, empresa da cidade de Fairbanks, para abrigar os trabalhadores que estavam construindo as estradas da região.

Por conta disto, o ônibus tinha camas e um forno a lenha em seu interior. Havia outros ônibus no local mas, quando as obras acabaram, o nº 142 ficou para trás porque estava com a transmissão quebrada – não valia a pena rebocá-lo ou consertá-lo.

Quase imediatamente o Fairbanks City 142 foi adotado por caçadores e aventureiros como abrigo. Muitos outros passaram por lá antes de McCandless, e muitos outros depois. O problema era que nem todos se saíram bem – especialmente nos últimos anos. Entre 2009 e 2017, 15 missões de busca e salvamento tiveram de ser realizadas. Mas isto acabou.

Foto: Guarda Nacional do Alasca

O ônibus foi retirado de Stampede Trail pela Guarda Nacional do Exército do Alasca no último 18 de junho, durante uma missão de treinamento – 28 anos depois da morte de McCandless. O ônibus 142 era, sem dúvida, um elemento extremamente simbólico da paisagem do Alasca. Um ônibus parado havia mais de meio século no mesmo lugar – e que, mesmo sem poder transportar pessoas, levou McCandless para seu último destino.

Embora trouxesse muitos visitantes ao Alasca, porém, o ônibus não era visto pelos habitantes locais com o mesmo carinho que pelos peregrinos. Quem vive na região não consegue compreender que levava tantos visitantes a “percorrer o mesmo caminho de um homem que morreu porque estava despreparado”, disse um soldado que trabalhava em missões de resgate a Diana Saverin, jornalista da revista americana Outside, em um artigo de 2013.

O último destino do ônibus 142 ainda é incerto, porém. O Departamento de Recursos Naturais do Alasca disse que considerou muito todas as possibilidades antes de optar por removê-lo, que por ora o “ônibus mágico” ficará guardado em um local seguro antes que decida-se o que será feito com ele.

 

Matérias relacionadas

Os carros de rua dos pilotos de Fórmula 1 – parte 1

Leonardo Contesini

Toyota GR Supra: como ele se compara ao BMW Z4 M40i – e ao seu antecessor?

Leonardo Contesini

Rod Stewart (sim, o cantor) levou 23 anos para construir este diorama gigantesco e absurdamente detalhado

Dalmo Hernandes