FlatOut!
Image default
Automobilismo

O infernal acidente de Niki Lauda: uma análise médica

Aproveitando este momento em que o Flatout! traz para os leitores as sensações de se encontrar com Nürburgring Nordschleife, o Doctor Gas de hoje irá abordar um dos mais notórios e trágicos acidentes vivenciados no circuito. O dia em que o Inferno Verde justificou seu apelido: 1º de agosto de 1976, dia do “inferno na terra” para Andreas Nikolaus Lauda.

neben-dem-motorsport-entdeckt-lauda-schon-frueh-seine-leidenschaft-zur-fliegerei-hier-ist-er-mit-seinem-privatjet-im-jahr-1973-zu-sehen-

Niki Lauda nasceu em Viena, Áustria, em fevereiro de 1949. Herdeiro de uma família abastada, filho do empresário Hans Lauda e com todo um legado a assumir quando chegasse à maturidade, Niki foi de encontro a todas as expectativas de sua família quando anunciou sua vontade de entrar no universo do automobilismo.

Lauda iniciou sua carreira timidamente com um Mini em 1968 e depois de algumas aventuras em categorias particulares e outras sem muita expressão, fez um empréstimo de £ 30.000 dando como garantia sua apólice de seguro de vida para comprar entrada na equipe March de Fórmula 2, em 1971. Nesse mesmo ano, Niki rompia o contato com os membros da sua família por aquilo que eles consideravam um ato de rebeldia e dava seu primeiro e discreto passo na Fórmula 1 no GP da Áustria pela mesma equipe.

No ano seguinte Niki foi efetivado como piloto da March para a F1, mas ainda disputava provas na F2. Apesar da sua força de vontade os resultados não apareceram da forma esperada e, limitado à única atividade que pensava exercer com qualidade, Lauda se viu obrigado a continuar correndo e conseguiu um lugar na BRM para 1973 após uma complicada negociação e mais um empréstimo.

Naquela temporada ele ainda conseguiu um 5º lugar no GP da Bélgica, mas com a ausência de grandes feitos e dentro de um time em queda restou a Niki o sorriso da sorte quando seu colega de equipe Clay Regazzoni foi contratado pela Ferrari e falou maravilhas suas para o Commendatore.

belgica01ftt5rfg

Graças ao dinheiro de Enzo, Niki pôde sanar suas dívidas com o agora ex-time e teria um lugar na nova Ferrari, montada pelo jovem Luca di Montezemolo. Sem um campeonato mundial desde John Surtees em 1964, a equipe viu um jovem confiante demais — e talvez também franco demais — se referir ao seu carro como “uma merda” após seu primeiro teste em Fiorano. Apesar da petulância de Niki, a aposta se mostrou válida já em sua primeira corrida, com um 2º lugar conquistado na Argentina.

image-747789-galleryV9-amyx

Por conta de alguns erros atribuídos à inexperiência, mas conquistando os GPs da Espanha e Holanda, Lauda terminou 1974 com o quarto lugar geral na classificação atrás de Emerson Fittipaldi, Regazzoni e Jody Scheckter. Dizia que aprender com os erros era a forma mais rápida de melhorar e provou isto com maestria na temporada seguinte, com 5 vitórias e um sonoro título mundial à frente de Emmo. Nesta época já se desenhava a eterna rivalidade com James Hunt, que conseguiria um lugar na McLaren após a saída de Emerson para a Copersucar.

393

O início da temporada de 1976 foi um estrondo para Niki. Contando o GP da Grã-Bretanha realizado em 18 de julho, haviam sido disputadas nove corridas e Lauda ganhou nada menos que cinco delas — as outras quatro foram dois segundos lugares, um terceiro e um abandono. A décima prova seria realizada em Nürburgring, onde Niki tinha conquistado a pole no ano anterior com a volta recorde do circuito até então, completada em 6:58 (vale lembrar que a pista era 2 km mais longa do que é hoje).

O Nordschleife já era temido naquela época — tanto que Jackie Stewart já o chamava de Inferno Verde — e já havia tirado a vida de três pilotos da F1 e outros 48 em provas de diversas categorias. Segundo uma contagem da Autosport, 131 pessoas já haviam falecido no circuito por motivos diversos ao longo de 49 anos. Toda essa insegurança somada à previsão de chuva motivou o pedido de Niki para boicotar a corrida, apesar de ser o piloto mais rápido daquela prova. Infelizmente o boicote não foi levado à frente, já que numa reunião entre os pilotos a proposta perdeu por apenas um voto. Aquele que viria a ser o último GP da Fórmula 1 no Nordschleife estava confirmado.

Crowded Field After Start of German Grand Prix

James Hunt, que tinha pouco mais da metade dos pontos de Lauda, ficou com a pole graças a uma volta completada em 7:06,5 na sexta-feira, pois a chuva no sábado impediu uma nova classificação. Niki largaria ao seu lado, em segundo lugar. Quase todos os pilotos iniciaram a corrida com pneus de chuva por conta de uma súbita mudança no clima e a alternância de posições foi intensa na primeira volta, com Hunt tentando se manter entre os ponteiros enquanto Lauda caía na classificação. Com nova mudança no tempo e cessação da chuva, boa parte dos carros foram ao pit para colocar pneus secos e tentar compensar a desvantagem.

Entre aqueles que tinham feito a parada estava Niki, pressionado para voltar às primeiras posições. Seguido por Guy Edwards, ele passou a Exmühle e vinha em direção à Bergwerk atrás de Carlos Pace quando inexplicavelmente tocou a zebra interna da pequena curva cega à esquerda que a antecede. Segundo relatos a suspensão do seu carro se quebrou neste momento, fazendo com que Niki perdesse o controle do veículo a mais de 200km/h, para rodar e se chocar violentamente com o muro de pedras à direita. O carro voltaria para a pista já incendiado. Edwards conseguiu se desvencilhar dos destroços, mas Brett Lunger e Harald Ertl ainda colidiriam com Lauda.

Algumas cenas da corrida, resgate e o acidente em si, com sequência iniciando em 2:10.

Consciente e vendo sua Ferrari consumida por chamas cada vez maiores, Niki tinha perdido seu capacete já no primeiro choque e sentia a pele do seu rosto queimar enquanto lutava para sair do cockpit. Felizmente os dois pilotos envolvidos no acidente se juntaram a Arturo Merzario e Edwards na retirada de Niki das chamas, com o veículo de resgate chegando 40 segundos depois do evento. Lauda ainda conseguiu sair em pé do carro, mas logo perdeu a consciência e cinco minutos depois foi removido para o hospital de Mannheim.

download-1413917359835

Diagrama da colisão. Créditos: Ary Morais/Fred Sabino

 

Onboard de um acidente na mesma curva. Reparem na altura da zebra interna e como a visão é limitada neste ponto.

Niki sofreu extensas queimaduras após a exposição ao fogo por cerca de 50 segundos, notadamente na sua face, com escalpo, lado direito, sobrancelhas e pálpebras como maiores alvos. Não há dificuldade em imaginar qual teria sido seu destino caso os colegas de pista não o tivessem socorrido, mas isso não significa que a sua recuperação seria fácil. Depois de chegar a receber a extrema unção (um tipo de benção dado aos católicos “a ponto de morrer”), as primeiras cirurgias de Niki envolveram a construção de novas pálpebras e cobertura da pele queimada com enxertos. A grande quantidade de fumaça inalada ainda foi um problema, contornado com seguidas e dolorosas aspirações.

download-1413917359835

A primeira conferência presencial após o acidente.

Apesar das dificuldades em enxergar pelo piscar falho de seus olhos, das dores lancinantes ao tentar colocar seu capacete adaptado e do medo que vivenciava cada vez que contemplava o asfalto Niki voltaria a correr em Monza apenas seis semanas — ou duas corridas — após seu acidente. Hunt se aproximava na classificação do campeonato, mas com um quarto lugar Lauda se firmou novamente na disputa pelo título. Após mais duas corridas com vitórias do inglês os dois chegavam para a última prova em Fuji a apenas três pontos de distância.

Na classificação para esta corrida Mario Andretti se punha à frente de Hunt e Lauda. O clima castigava a pista com uma chuva intensa e novamente se deram discussões sobre a possibilidade de levar o evento a cabo. Com o início da prova James Hunt logo saltou à frente, seguido de John Watson e Andretti. Após Watson sair da pista já na segunda volta Niki decidiu se dirigir aos boxes e abandonar a prova, justificando mais tarde que “sua vida valia mais que um título”. Hunt continuaria na prova guiando de forma emocionante, brigando por toda a corrida com seus pneus para receber a bandeirada em terceiro lugar e conquistar o título de 1976 com apenas um ponto de vantagem.

download-1413917359835

Hunt, Lauda e Ronnie Peterson no Japão em 1976.

Na temporada seguinte Niki ganharia o título sem muita dificuldade, mas o fato de ter largado o GP do Japão no ano anterior corroeu sua relação com a Ferrari. Contratado pela Brabham, passou duas temporadas sem muito brilho na equipe e decidiu se aposentar após 1979 para fundar uma companhia aérea. Em 82 voltaria pela McLaren para disputar mais 4 temporadas e conquistar um título e 8 vitórias, finalmente encerrando sua salutar carreira.

download-1413917359835

Niki e Alain Prost, seu companheiro de McLaren durante a temporada do último título, em 1984.

 

As consequências

Alguns dos acontecimentos descritos acima foram demonstrados de forma brilhante ano passado no filme Rush – No Limite da Emoção, uma película obrigatória para todo gearhead. Nas inúmeras entrevistas que concedeu no período que circundou o lançamento, Niki relembrou o acidente e reiterou o fato de que se tivesse passado mais alguns segundos preso no cockpit teria falecido. Segundo ele, só após assistir ao longa pôde compreender todo o choque que o público demonstrou ao ver seu rosto desfigurado pela primeira vez após as queimaduras.

Seu acidente motivou mudanças importantes nos veículos, com reforços no cockpit, tanque de combustível, capacetes e macacões. Seus clamores por mais segurança nas pistas finalmente foram atendidos, com o aumento das áreas de escape e revisão de alguns traçados.

download-1413917359835

Após o incidente em Nürburgring, o circuito foi banido da Formula 1 e só voltaria a receber provas da categoria com a conclusão das obras do GP-Strecke em 1984. O evento de lançamento envolveu uma brilhante apresentação de um desconhecido Ayrton Senna, na qual Lauda partiu da última fila e ultrapassou todos os outros pilotos em Mercedes 190E 2.3-16 Cosworth à exceção do brasileiro. Após mais uma corrida em 1985, Nürburgring só voltaria ao calendário em 95 graças ao sucesso do alemão Michael Schumacher.

 

Classificando as queimaduras

As grandes queimaduras são um grande desafio para qualquer profissional de saúde que se preste a atender pacientes graves. Ela pode ser classificada em três graus, de acordo com a sua profundidade e as estruturas lesadas: o primeiro tem como protótipo a queimadura solar, na qual apenas a porção superior da pele, a epiderme, é afetada. Nestes casos o observado é dor e vermelhidão com posterior descamação das áreas. Não trazem risco de morte e devem receber como cuidados apenas a higienização com água corrente e proteção.

download-1413917359835

Nas queimaduras de segundo grau a derme também é atingida e entre as suas principais características estão as bolhas, usadas para dividir estas lesões em superficiais, quando elas são úmidas e dolorosas, e profundas, com bolhas secas, brancas e que não doem. Como “penetram” mais que as de primeiro grau as terminações nervosas da pele acabam expostas e até mesmo a corrente de ar pode provocar dores intensas. Por isto, após a lavagem inicial podem ser posicionados panos úmidos sobre elas e aplicados agentes antibacterianos na tentativa de evitar infecções, com o cuidado para evitar romper as bolhas.

Nas queimaduras de terceiro grau a pele costuma se apresentar com aparência de couro, escura ou esbranquiçada e indolor por conta da perda das terminações nervosas. Nestes casos a intervenção médica especializada é crucial para evitar deformidades e tentar restabelecer a barreira garantida pela pele, pois infelizmente estas lesões não podem ser recobertas adequadamente pelo próprio corpo e precisam de enxertos.

 

O que fazer?

Como em todos os outros acidentes, nos casos de incêndio a primeira ação a ser tomada é garantir a segurança de todos os indivíduos envolvidos. As chamas trazem por natureza um componente de imprevisibilidade e toda cautela na aproximação deve ser adotada. Todos os veículos no Brasil hoje carregam obrigatoriamente um extintor de incêndio, imprescindível nestas situações. Eles devem ser utilizados apontando a descarga para a base do fogo, a fim de combater a sua origem.

download-1413917359835

Mnemônico para lembrar: PASS. Puxar a trava, mirar na base, apertar o gatilho e espalhar a descarga.

Assim que os riscos forem minimizados e, se possível, o fogo extinguido, o paciente e a equipe devem ser afastados da fonte das chamas por conta do risco de explosões. A sequência ABCDE deve ser novamente respeitada e um ponto crucial será a avaliação da qualidade da respiração, já que nas queimaduras que envolvem a face ou quando ocorre inalação de grandes quantidades de fumaça este processo pode estar dificultado e o risco de o inchaço das vias aéreas levar ao seu fechamento deve ser sempre levado em consideração.

As queimaduras em si devem ser abordadas na seção E e os cuidados se iniciam com a remoção das roupas que não estiverem aderidas à pele e quaisquer substâncias que possam estar presentes e causar danos posteriores, como pós químicos. Segue-se o enxágue com água corrente em abundância e cobertura do paciente com panos quentes e secos, além da instalação de acessos às veias para introduzir soro a depender das características das queimaduras sofridas se um profissional capacitado e a aparelhagem estiverem disponíveis.

download-1413917359835

Para o socorrista um dos dados importantes é saber quanto do corpo foi atingido para basear a reposição do sangue que é “perdido” por conta das queimaduras.

Vale lembrar também da retirada de objetos que o paciente possa estar utilizando, como relógios, anéis e joias. O transporte para um hospital com capacidade de cuidar dos queimados é importantíssimo, principalmente nos casos onde há queimaduras de terceiro grau ou de grande parte da superfície corporal. Neste serviço os cuidados direcionados para a pele lesionada serão mais bem instituídos e o processo de garantia da respiração e da circulação – etapa mais importante da terapia – se darão de acordo com as orientações adequadas.

Após suas últimas voltas na F1 Niki passou a tomar conta de suas empresas de aviação, contribuir com transmissões televisivas de competições e participar na consultoria e direção de equipes, como fez pela Jaguar em 2001 e 2002. Durante os anos pudemos observar sucessivas negativas suas em realizar grandes cirurgias plásticas, ao passo que as rugas passavam a amenizar a aparência das cicatrizes ganhas em um dia nada saudoso.

download-1413917359835

Depois de receber um transplante renal, Niki ainda vivenciou o nascimento de seus quarto e quinto filhos em 2009 no casamento com Birgit Wetzinger, ex-funcionária de uma de suas companhias. Hoje vem atuando de forma forte e visível na Mercedes de Hamilton e Rosberg, tentando acalmar o ânimo de dois jovens e ambiciosos pilotos como ele um dia também fora.