A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Automobilismo Carros Antigos

O lendário Plymouth Superbird de Richard Petty está à venda (junto com seu Road Runner!)

Uma das figuras mais emblemáticas da Nascar é tão simbólica para o automobilismo dos EUA quanto a própria competição: Richard Petty. O senhor alto, magro, sempre de chapéu, óculos escuros e com um sorriso impecável no rosto, foi um dos pilotos mais bem sucedidos em toda a história da Nascar. Em seus 35 anos de carreira, entre 1958 e 1992, Petty disputou 1.184 corridas, conquistou sete títulos (1964, 1967, 1971, 1972, 1974, 1975 e 1979) e estabeleceu diversos recordes – entre eles, o de maior vencedor na categoria principal da Nascar, a Grand National Series, com 200 vitórias; e de maior número de vitórias em uma única temporada, chegando em primeiro lugar 27 vezes em 1967.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Richard Petty transformou sua imagem e seu nome em uma marca, tornou-se garoto propaganda de diversos produtos, abriu sua própria oficina – a Richard Petty Motorsports – e ainda inaugurou um museu dedicado a sua própria carreira na cidade de Level Cross, na Carolina do Norte, onde estão expostos alguns de seus carros, troféus e outros objetos históricos relacionados ao ex-piloto.

O próprio Petty andou leiloando alguns itens do museu no ano passado, incluindo o Dodge Charger vermelho e azul com o qual o piloto competiu em 1974. Agora, porém, é a vez de seu carro mais icônico: o Plymouth Superbird azul de nº 43 com o qual a Chrysler convenceu o piloto a retornar para o time – e com o qual o próprio Petty conquistou seu título de 1970 na Grand National. Como se não bastasse, o Plymouth Road Runner que Petty usou no ano seguinte também será vendido, no mesmo leilão. Será uma venda histórica, por várias razões.

Primeiro, pelo carro em si. O Plymouth Superbird, ao lado do Dodge Charger Daytona, é um dos Winged Warriors (“Guerreiros Alados”, em tradução literal) – carros que, com seus bicos aerodinâmicos e suas enormes asas traseiras de quase 60 cm de altura, eram tão velozes nos ovais que acabaram banidos pela organização da Nascar. Ambos eram feitos sobre a plataforma B-Body da Nascar, e ambos usavam o motor V8 Hemi 426 preparado para entregar cerca de 600 cv. Monstros, de fato.

 

Richard Petty começou sua carreira profissional na Chrysler, e manteve-se fiel à fabricante até mesmo em 1965, quando a Chrysler boicotou a Nascar, em protesto a uma mudança o regulamento que baniu o motor Hemi. No entanto, em 1969, a Dodge apresentou o Charger Daytona,  o primeiro dos Winged Warriors – e Petty ficou louco para colocar as mãos nele.

No entanto, a Chrysler insistiu para que ele continuasse com o Plymouth Road Runner, que era feito sobre a mesma plataforma, mas não trazia a mesma carroceria aerodinâmica. Petty acreditava que o Road Runner jamais seria tão competitivo quanto o Charger Daytona e, insatisfeito, deixou a equipe no meio da temporada de 1969, mudando-se para a Ford – que havia acabado de apresentar o icônico Torino Talladega.

 

A Chrysler não queria perdê-lo e, por isso, tratou de criar uma versão Plymouth do Charger Daytona – foi assim que nasceu o Superbird. Quando o carro ficou pronto, Petty foi chamado para dar uma olhada… e foi conquistado na hora. Ele voltou para a Chrysler e, com o Plymouth Superbird, conquistou o título de 1970.

De acordo com a Mecum Auction, que é a responsável pelo leilão, o Superbird é o mesmo carro que a Chrysler usou para convencer Petty a voltar para a equipe. A informação já foi confirmada pelo próprio Petty, e o carro foi restaurado na oficina da Richard Petty Racing da forma mais fiel possível à original – incluindo o motor Hemi, o câmbio manual de quatro marchas, o diferencial Dana e a pintura azul com o nº 436 nas laterais.

Com as restrições aos Winged Warriors entrando em vigor para a temporada de 1971, o Superbird deixou de ser vantajoso: a Nascar estipulava que tanto ele quanto o Charger Daytona deveriam usar motores de, no máximo, 305 pol³ (cinco litros), o que eliminava a possibilidade de equipá-los com o motor Hemi. Assim, na temporada seguinte, Petty voltou a correr com um Plymouth Roadrunner normal – um exemplar da nova geração, que usava uma carroceria completamente diferente, mas ainda era um B-Body.

Embora não tenha o mesmo visual emblemático do Superbird, o carro Plymouth Road Runner também é um carro marcante: com ele, Petty venceu 21 provas das 46 que disputou em 1971, abocanhando seu terceiro título na Nascar Grand National.

Não é preciso observar por muito tempo para notar que ambos os carros têm a mesma base e as mesmas modificações para as pistas, incluindo o subchassi tubular na dianteira, o interior aliviado. E os dois carros também usam o mesmo sistema de suspensão, com barras de torção na dianteira e molas semi-elípticas na traseira.

O Road Runner também foi restaurado pela oficina de Petty e, assim como o Superbird, parece ter saído de uma máquina do tempo, direto de 1971. Vale observar que ele foi o último carro patrocinado pela Plymouth que o piloto conduziu na Nascar – depois disto, ele foi convidado à Casa Branca pelo próprio Richard Nixon, presidente dos EUA na época, para receber uma homenagem por sua conquista.

No ano seguinte, 1972, Richard Petty abriu sua própria equipe, a Petty Enterprises, e competiu por mais duas décadas com carros de diferentes fabricantes.

Nenhum dos carros tem valor estimado pela Mecum Auctions mas, se o histórico do mercado para ícones da Nascar for algum indicativo, estamos falando de algo entre US$ 1 milhão e US$ 1,5 milhões por cada um deles. O leilão começa hoje, 2 de agosto.

Matérias relacionadas

Golden Sahara II: o conceito de 1956 que previu o futuro reaparece depois de meio século

Dalmo Hernandes

Uma viagem de oito cilindros: de Brasília a Florianópolis com um Dodge Dart 1973 – Parte 1

Leonardo Contesini

Phantom Z Sport Wagon: o único Nissan 240Z perua que existe no mundo é um sonho JDM

Dalmo Hernandes