FlatOut!
Image default
Zero a 300

O lento (e interminável) fim do Nissan GT-R | o novo Pagani C10 | o último Lotus V6 de corrida e mais!


Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco.

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

Pagani C10 dá as caras em testes

Lembra do novo Pagani, do qual falamos aqui mesmo no Zero a 300 há uns dias? Pois aí está ele sem os enquadramentos misteriosos e luz ausente dos teasers. Bem, ele substitui o mistério de estúdio pelo mistério da camuflagem, mas ao menos podemos ver as proporções e mais ângulos do supercarro de Horacio Pagani.

E o que vemos é um design evolutivo (segura esse clichê!) do Zonda e do Huayra, com a mesma frente curta e “chapada”, com os faróis à frente da caixa de rodas, cabine avançada e traseira longa, a proporção mais parecida com a de um caça do que um supercarro. Atrás, mais elementos-padrão da Pagani: lanternas verticais e saídas de escape reunidas na parte central da traseira. O para-choques traseiro e o difusor, por outro lado, parecem mais próximos do Huayra.

Ali na traseira a Pagani já confirmou que veremos um V12 biturbo de seis litros fornecido pela Mercedes-AMG, sem nenhum tipo de assistência elétrica, que será combinado a uma transmissão manual ou automática. Horacio Pagani também disse que a meta do carro é a redução de peso — lembra quando dissemos isso no podcast sobre o T.50? De que a nova onda dos hipercarros seria a redução de peso? —, então o C10 não terá mais de 900 cv.

Apesar de estar em testes e de já estarmos na metade de 2022, o carro será apresentado ainda neste ano e as entregas começam em 2023. Um documento vazado da Pagani revelou que a reserva na lista de encomendas custa nada menos que 300.000 euros (R$ 1.500.000 em conversão direta.

 

Ducati fará motos na fábrica argentina da Volkswagen

Sim: uma fábrica de carros irá fabricar motos. Você deve lembrar que, há dez anos, a Volkswagen comprou a Ducati, não? Na verdade foi a Audi que comprou a Ducati, e como a Audi é uma das subsidiárias do grupo Volkswagen…

Agora, para surpresa geral, ao anunciar sua nova rodada de investimentos na fábrica argentina de General Pacheco, onde será feita a nova geração da Amarok, a Volkswagen também anunciou que a fábrica irá produzir, além da picape, as motos italianas — um caminho inverso de DeTomaso e Pagani, que saíram da Argentina para produzir na Itália.

A Volkswagen ainda não mencionou quais modelos serão produzidos ali, mas na ocasião do anuncio, a fábrica tinha uma Amarok e uma Ducati pintadas com as cores da bandeira argentina. Se a Amarok estava lá porque será o modelo produzido na fábrica, a Scrambler só podia estar lá porque será a moto produzida localmente. Ou será que ela foi a única moto que a Ducati encontrou na hora de montar a apresentação?

O anúncio da produção na Argentina pode impactar a operação da Ducati no Brasil. Atualmente a Scrambler é montada em Manaus com componentes italianos.

 

Nissan encerra pedidos do GT-R no Japão

Há pouco mais de um mês, em 17 de março, a Nissan anunciou o fim das vendas do GT-R na Europa, mais uma etapa da lenta despedida do GT-R R35. Antes disso, a Austrália e os EUA sequer viram a cor ou o cheiro do ano-modelo 2022. Agora, no Japão, seu país-nata, não é mais possível encomendar um GT-R em nenhuma loja.

O modelo 2022 já havia sido reduzido localmente às versões T-Spec e Nismo no Japão, o que indicava uma baixa demanda e a necessidade de vender modelos com margens maiores/maior valor percebido. No site japonês da Nissan, ao tentar ver detalhes de compra do GT-R você encontrará uma mensagem dizendo que as vendas foram encerradas porque “o número de pedidos atingiu o volume de vendas planejado”.

Isso pode significar duas coisas: que a Nissan está limitando o número de GT-R vendidos anualmente para evitar prejuízos, ou que ela simplesmente decidiu encerrar a produção do carro.

À imprensa, a Nissan se limita a dizer que não comenta planos futuros de seus modelos nem futuros anúncios. Será que o Nissan GT-R finalmente chegou ao fim? Ou ele continuará por aí enquanto não for proibido?

 

Lotus apresenta Emira GT4 com motor Toyota V6

Nem parece, mas a Lotus ainda tem um modelo esportivo leve movido por um motor de pistões e combustão interna, o Emira. É o sucessor do Evora, que também usa um V6 Toyota entre a cabine e o eixo traseiro, e agora acaba de ganhar uma versão GT4 ainda mais potente.

O carro foi apresentado nesta última quinta-feira (5) na pista de testes da Lotus em Hethel, na Inglaterra. Segundo a Lotus, ele é o primeiro modelo da divisão “Lotus Advanced Performance”, que será voltada à produção de modelos sob encomenda e ao relacionamento corporativo com os proprietários dos modelos mais radicais – algo como a Ferrari Corse Clienti.

O nome GT4 já entrega a intenção do Emira: disputar a categoria GT4 da FIA. Para isso, ele foi todo montado a mão, com componentes voltados às pistas e equipamento de segurança homologado pela FIA. A carroceria de compósito é mais leve que a do Emira convencional, e o motor V6 de 3,5 litros (2GR-FE) foi otimizado com um cárter seco e gerenciamento da Motec, além de receber um supercharger Harrop TVS 1900 para chegar aos 400 cv. Essa força é enviada às rodas traseiras pelo câmbio Xtrac sequencial de seis marchas, com diferencial de deslizamento limitado.

O quadro de instrumentos também é da Motec, vindo das pistas, com recurso de registro de dados e alimentado por um chicote elétrico também homologado pela FIA, assim como o tanque de combustível de 96 litros (um pouco de tortura aqui: considerando o preço médio divulgado pela ANP, encher o tanque do Emira GT4 no Brasil custaria R$ 698,88).

A suspensão continua a usar braços triangulares na dianteira, com amortecedores Ohlins TTx de ajuste duplo (compressão e retorno). As barras estabilizadoras também são ajustáveis nos dois eixos. Infelizmente a Lotus não divulgou detalhes sobre os freios, limitando-se a dizer que eles usam o sistema de ABS ajustável da Bosch, voltado para competições.

 


Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicos, histórias de carros e pilotos, avaliações e muito mais!

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: 30% OFF na loja durante a 2ª temporada do Goodguys, acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, participação no nosso grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!). Exponha ou anuncie até sete carros no GT40 e ainda ganhe descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$ 26,90 / mês

ou

Ganhe R$ 53,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura básico. 15% OFF na loja durante a 2ª temporada do Goodguys, acesse todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de poder expor ou anunciar até três carros no GT402.

R$ 14,90 / mês

ou

Ganhe R$ 29,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

ESTE Gol GTS 1.8
PODE SER SEU!

Clique aqui e veja como