A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Zero a 300

O novo BMW 530e no Brasil, o fim do Nissan Sentra, mais um recorde da Mercedes-AMG em Nürburgring e mais

Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco!

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

BMW 530e M Sport chega ao Brasil por R$ 385.000

A BMW anunciou nesta semana um novo modelo híbrido para sua linha brasileira: o 530e M Sport, versão do Série 5 que usa um quatro-cilindros turbo de dois litros, mais um motor elétrico, para entregar 292 cv e 42,8 kgfm de torque. Ligado ao câmbio automático Steptronic de oito marchas, o conjunto é suficiente para levar o sedã de zero a 100 km/h em 5,9 segundos, com velocidade máxima de 235 km/h.

O 530e M Sport é um híbrido plug-in e, segundo a BMW, é capaz de rodar até 56 km no modo totalmente elétrico. Uma recarga completa nas baterias usando a estação BMWi Wallbox – que está inclusa no preço do carro. Caso o financiamento seja feito através da própria BMW, a instalação também é gratuita.

O sedã, que traz o facelift apresentado no meio do ano, é equipado com o pacote M Sport – discos ventilados e pinças de freio na cor azul, controles de estabilidade e tração, volante e cintos de segurança M Sport, e rodas de 19”. Além disso, vem com ar condicionado digital de duas zonas, bancos dianteiros com regulagem elétrica e ajuste lombar, e um sistema de condução semiautônoma. Há também assistente virtual, sistema de som Harman Kardon e o serviço BMW Connected Drive, que inclui aplicativo exclusivo e concierge.

O BMW 530e M Sport chegará às concessionárias na segunda quinzena de novembro, com preço de R$ 384.950.

 

Mercedes-AMG GT 63 S é novo carro executivo mais rápido em Nürburgring

Mais um dia, mais um recorde em Nürburgring – as fabricantes perceberam há tempos que um bom tempo no lendário circuito alemão é sinônimo de boa publicidade, e logo trataram de segmentar suas tentativas o máximo possível. Foi aí que surgiu o recorde para “carros executivos” no Inferno Verde. Recorde que, até pouco tempo atrás, pertencia ao Porsche Panamera, que virou 7:29,81 no circuito de 20,83 km em agosto deste ano.

Agora, três meses depois, o Mercedes-AMG GT 63 S – o rival de Affalterbach para o Porsche Panamera – coseguiu melhorar a marca. O sedã-cupê-esportivo-executivo-de-luxo, equipado com um V8 biturbo de quatro litros e 639 cv, virou 7:27,8 no Nordschleife com o piloto de testes Damien Schaffert ao volante, sendo 1,99 segundo mais rápido que o Panamera.

O “recorde” do Panamera em Nürburgring, os novos Subaru BRZ e WRX, o interior do Mercedes Classe S e mais!

Curiosamente, a AMG divulgou dois tempos de volta. O tempo de 7:27,800 foi registrado na versão clássica de Nürburgring Nordschleife, com 20,83 km. Contudo, desde 2019 a administração de Nürburgring leva em conta uma versão ligeiramente mais curta, com 20,6 km – e nesta o AMG GT 63 S marcou 7:23,009. Também é um tempo melhor que o do Porsche Panamera, que na versão mais curta de Nürburgring virou 7:25,04.

A Mercedes-AMG garante que o carro usado nos recordes é idêntico ao que se pode comprar nas concessionárias – incluindo os pneus Michelin Pilot Sport Cup 2 e o conjunto aerodinâmico, que são opcionais. A exceção foi o banco concha para o piloto e o cinto de quatro pontos, instalados no carro recordista por segurança.

Nissan Sentra esgota em concessionárias e deve sair de linha em breve

 

A Nissan deve anunciar em breve o fim do Sentra no Brasil. De acordo com os colegas do Auto Segredos, o sedã médio já começa a faltar nas concessionárias da marca, então é questão de tempo para que o anúncio oficial seja feito.

Lançado em 2013, o Sentra de sétima geração vendeu muito pouco nos últimos meses – 931 unidades no acumulado desde janeiro, e apenas 21 unidades em outubro. O carro ainda aparece no site da Nissan em todas as versões – S (R$ 91.090), SV (R$ 96.990) e SL (R$ 108.990), sempre com motor 2.0 de 140 cv e câmbio automático CVT.

A oitava geração, revelada mundialmente em abril de 2018, deve levar mais algum tempo para chegar ao Brasil – fala-se em 2021, mas ainda não há informações concretas por parte da Nissan.

 

Locadora Unidas compra lote do Golf GTE

A Volkswagen vendeu as unidades de estoque do Golf GTE à locadora Unidas, que agora oferece o modelo em seu catálogo.

Segundo os colegas da Quatro Rodas, a Volkswagen afirma que a negociação é uma “parceria estratégica” com a Unidas. A própria locadora, porém, diz que foi uma transação comercial comum, que não implica em nada além da venda dos veículos.

A negociação explica o aumento repentino nos emplacamentos do Golf GTE em outubro – 70 unidades, número muito maior que nos meses anteriores. Segundo a Unidas, ao menos 57 unidades foram compradas para a frota da empresa. Elas estarão disponíveis para locação comum ou contratos de longo prazo, começando nas próximas semanas.

De todo modo, nos parece evidente que a venda dos carros para a Unidas foi uma forma de desencalhar o Golf GTE, que teve 100 unidades importadas da Alemanha neste ano depois que o Golf GTI saiu de linha. Defasado em relação a mercados como Europa e EUA, que já têm a oitava geração, o Golf GTE é equipado com o motor 1.4 TSI da Volkswagen, mais um motor elétrico, para entregar 204 cv. É o bastante para ir de zero a 100 km/h em 7,6 segundos, com máxima de 217 km/h.

O Golf GTE ainda consta no site da Volkswagen, mas não é possível configurá-lo.

 

Nova Yamaha NMax 160 é lançada por R$ 15.000

A Yamaha lançou ontem (10) a nova geração da scooter NMax 160. E faz questão de frisar que não se trata de um facelift, mas sim de uma reformulação completa. A moto custa R$ 14.990, sendo R$ 1.200 mais cara que o modelo antigo.

A NMax recebeu um novo quadro com suspensão recalibrada e curso mais longo, de 100 mm, na dianteira. O motor monocilíndrico de 155 cm³ com arrefecimento líquido e comando de válvulas variável foi levemente retrabalhado – passou de 15,1 cv para 15,4 cv a 8.000 rpm, enquanto o torque foi reduzido de 1,5 kgfm para 1,4 kgfm a 6.000 rpm.

A carenagem também é toda nova e ganhou linhas mais suaves, além de um farol com lente menor e setas reposicionadas. A lanterna traseira agora tem lâmpadas de LED, e tem desenho inspirado na XMax 250. O novo quadro, por sua vez, garante um túnel central mais estreito e mais espaço para os pés.

A NMax agora conta com sistema Stop & Start (que pode ser ativado ou desativado ao toque de um botão), chave presencial com trava de segurança (que tranca o compartimento embaixo do banco quando a chave é afastada da moto), porta-luvas, tomada 12V e um tanque de combustível maior, passando de 6,6 litros para 7,1 litros.

A Yamaha NMax 2021 chegará às concessionárias em dezembro, nas cores azul-marinho metálico, branco perolizado e preto fosco.

Matérias relacionadas

Samsung SSC-1: quando a gigante dos eletrônicos decidiu fazer um esportivo com motor central-traseiro

Dalmo Hernandes

Toyota Etios ganha novos motores e painel renovado, Mini Rocketman será produzido, o encontro de clássicos em Águas de Lindoia e mais!

Leonardo Contesini

Mulsanne, Hunaudières, Arnage: o que significam os nomes dos Bentley?

Dalmo Hernandes